A importância da gestão de previdência privada

  • 09/03/2021
Página inicial - Previdência privada - A importância da gestão de previdência privada

Previdência privada é um assunto bastante discutido atualmente e é uma das primeiras opções de complemento de aposentadoria. Porém, assim como outros investimentos, não basta apenas aplicar os recursos e esperar pelo rendimento. É preciso manter uma boa gestão de previdência para não ter surpresas desagradáveis no futuro.

Neste artigo, vamos falar sobre a importância da gestão de previdência privada e como a aplicação correta dos recursos e o acompanhamento ao longo do tempo pode ser benéfico no futuro.

Significado de previdência

Previdência pública, previdência privada, previdência complementar, reforma da previdência… O tema “previdência” está em alta nos últimos anos e, muitas vezes, quando uma expressão começa a ficar tão comum, esquecemos o real sentido da palavra.

Previdência significa ser previdente, cuidadoso, buscar evitar situações indesejadas. Quando pensamos na forma financeira, a previdência pode ser entendida como uma reserva financeira constituída ao longo do tempo para ser utilizada no futuro.

Depois da reforma da previdência social, muita gente começou a dar maior atenção à situação financeira no futuro e, naturalmente, começou a pensar na previdência privada.

Como funciona a previdência privada

Diferente da previdência pública – que vai pagar no futuro uma renda definida – qualquer outro regime de previdência funciona pelo formato de capitalização.

Isso significa que o valor a ser recebido vai depender do saldo da conta no futuro. E esse saldo depende de dois fatores: o quanto se contribuiu (poupou) e o quanto essas contribuições renderam ao longo do tempo.

Portanto, na hora de ser previdente com o futuro, não basta se organizar financeiramente para guardar dinheiro. É preciso aplicá-lo da maneira correta para que o próprio dinheiro também trabalhe para aumentar essa conta.

Onde investir para o futuro?

A forma mais comum de poupar para a complementação de renda no futuro é por meio dos fundos de previdência. Assim como qualquer outra forma de investir, a alocação nesses fundos deve levar em conta o perfil do investidor, seus objetivos, capacidade e tolerância ao risco.

Talvez a maior diferença entre a previdência e os demais investimentos seja o horizonte de tempo – normalmente a previdência tem um objetivo de tempo de longo prazo.

Saiba mais: Previdência privada ou poupança: qual a melhor opção para investir no futuro dos filhos?

Qual é a importância da gestão de previdência?

A gestão está diretamente ligada ao risco e à rentabilidade de um fundo de previdência. O gestor do fundo é responsável pela escolha dos produtos financeiros que irão compor a carteira, de acordo com a estratégia do fundo.

O gestor é quem emitirá as ordens de compra e venda dos ativos e dele dependerá o desempenho do fundo.

Até pouco tempo, era muito comum encontrarmos nos fundos de previdência apenas as formas de gestão passiva, mas as regras vêm mudando rapidamente e já se permite uma série de estratégias para essa categoria.

Nada mais justo, considerando que a maioria dos investimentos tem horizonte de longo prazo e, portanto, maior capacidade de assimilar o risco.
Confira as características das formas de gestão ativa e passiva.

O que é gestão passiva de fundos de previdência?

A gestão passiva normalmente imita um índice específico, o chamado benchmark. É muito comum encontrarmos fundos que tentam acompanhar o índice CDI ou o Ibovespa.

Na previdência também é comum os fundos de inflação, que acompanham o índice Ima-B (balizado pelos títulos do governo indexados à inflação). Em geral, são fundos em que o desempenho depende apenas do próprio benchmark.

O que é gestão ativa de fundos de previdência?

Na gestão ativa, o desempenho do fundo vai depender das decisões de investimento tomadas pelo gestor. Na gestão ativa, as carteiras não são estáticas e ocorrem rebalanceamentos periodicamente.

O gestor analisa o mercado e busca as melhores opções disponíveis, sempre seguindo a estratégia de investimentos do fundo.

A previdência ainda tem algumas limitações em relação às operações que são permitidas nas carteiras dos fundos, mas já é muito comum vermos fundos multimercados que acompanham seus pares destinados ao mercado.

Atenção: não temos intenção de afirmar que gestão ativa é melhor ou pior que gestão passiva. Mas considerando que a previdência normalmente tem objetivos com prazos mais longos e aceita maior parcela de risco, somado a um mercado dinâmico, se torna necessário a revisão constante dos investimentos.

Gestão ativa e gestão passiva – taxas de administração

Como citamos, um fundo de gestão passiva apenas replica um benchmark, enquanto um fundo de gestão ativa procura superá-lo.

Considerando este contexto, entendemos que não há motivo para um fundo de gestão passiva cobrar taxas mais elevadas que fundos de gestão ativa.

Apesar de cada caso ter suas próprias características, não há sentido em um fundo de previdência cobrar taxa de administração superior a cerca de 2% ao ano, por exemplo.

Em gestoras independentes, por exemplo, é possível encontrar opções de fundos de previdência com baixa taxa de administração, tanto de gestão passiva quanto de gestão ativa.

A taxa de performance, por sua vez, representa uma remuneração justa – desde que não excessiva – por estar atrelada ao bom desempenho da gestão do fundo.

Fundos de previdência ParMais

Aqui na ParMais, criamos dois fundos de previdência com gestão ativa, possibilitando o acesso a um portfólio diversificado em ativos e gestores.

Como a previdência privada é um investimento de longo prazo, contar com uma gestão ativa se torna ainda mais importante, pois ao longo da jornada, será necessário realizar algumas movimentações estratégicas para seguir adequado aos seus objetivos.

Nos fundos de previdência ParMais, realizamos os movimentos para ajustes na estratégia dentro da própria carteira, dispensando a necessidade de portabilidades internas, agilizando e facilitando o processo.

Escolhemos os melhores produtos de previdência do mercado, além de manter a gestão continuada e realizar as movimentações necessárias para que seu recurso de longo prazo tenha uma rentabilidade maior e adequada aos seus objetivos ao longo da jornada.

Com essa metodologia, você fica por dentro dos detalhes do seu plano, sabe se ele entregará a rentabilidade esperada no futuro e evita surpresas desagradáveis.

Deixe seu comentário

Comentário(s): 2

       
  1. Tenho previdencia Brasilprev e quando fiz a previdencia achei que o Banco do Brasil é quem iria gerenciá-la. Acontece que os consultores do banco não fazem nada e dizem que eu é quem tenho que gerenciar, escolhendo e alterando os fundos para obter maior rendimento. Isso está correto? Não é o banco que deveria fazer esta gestão, já que está manipulando o meu dinheiro?

    1. Ruy, bom dia!
      O ideal é consultar o regulamento do seu plano para verificar em quais fundos os recursos estão sendo aplicados e analisar a estratégia de cada um, para entender se a gestão que eles escolheram para os seus recursos estão em linha com as suas expectativas. Um de nossos especialistas entrará em contato com você para entender melhor seu caso e auxiliar para uma decisão mais assertiva em relação ao plano.
      Sucesso!

Últimas publicações