Atual situação econômica do Brasil – Carta do gestor

  • 06/12/2017

Um mês inteiro em compasso de espera, foi isso que tivemos em novembro. E o motivo, claro, foi a batalha pela reforma da previdência.

O cenário da batalha é Brasília. Não necessariamente a geográfica, do Planalto Central – mas a Brasília política, de um governo de coalizão movido a negociações, lobbies e barganhas. De um lado, um presidente enfraquecido, com um orçamento apertado e cartuchos queimados durante meses de negociação para se livrar das denúncias. Do outro, um congresso ávido por mais espaço, poder, cargos e correndo para esquivar da lava jato.

Ao mesmo tempo, um país se recuperando da pior recessão da história, com uma economia ainda combalida, mas dando sinais claros de crescimento, com inflação controlada, juros em baixa e com a população se esforçando para acreditar que dias melhores virão.

Mas e novembro?

Novembro era para ser um mês decisivo. Depois da votação das denúncias contra Michel Temer se esperava que a agenda econômica voltasse a ser a pauta do congresso. E o principal assunto era a Reforma da Previdência. Mas o congresso se recusou a votar a reforma, usando como desculpa que era um assunto polêmico e isso poderia gerar desgaste na eleição do ano que vem. Enquanto isso, Rodrigo Maia e mais alguns deputados saíram em viagem internacional e, na volta, o congresso entrou em recesso de 10 dias, ou seja, muito pouco trabalho por lá.

Mas o mercado financeiro trabalha em outro ritmo. Depois de dar seu voto de confiança durante o ano inteiro, quando manteve a trajetória de alta, chegou a hora de cobrar atitudes concretas. E com isso o fluxo de investimentos saindo do país era diretamente proporcional as notícias ruins que vinham de Brasília. Isso causou muita volatilidade e perdas em todas as modalidades de investimento – com exceção, claro, dos pós fixados.

Mas o presidente é Michel Temer

É inegável a articulação política de Michel Temer. O PMDB é indiscutivelmente a maior força política do país e Michel Temer foi o presidente do partido por mais de 15 anos. Quando, no início de novembro, foi ignorado por boa parte dos convidados em uma reunião para discutir a reforma da previdência, foi cirúrgico comunicando ao mercado que talvez – já que ninguém queria – a reforma não fosse votada em seu governo.

A resposta do mercado foi imediata – bolsa caiu, dólar subiu, juros subiram e dinheiro de investidores saiu do Brasil. Isso mostrou, na prática, que o clima de confiança com a retomada da economia poderia simplesmente sumir caso a reforma não voltasse à pauta. E que, já que a desculpa era a reeleição, é muito melhor ter eleitores calmos e otimistas do que ter uma eleição com o cenário econômico conturbado – o que geraria maior apelo por mudanças.

A comunicação também melhorou muito. O discurso de que faltava dinheiro para pagar as aposentadorias foi trocado por um de que a reforma vai acabar com as disparidades existentes, especialmente em relação aos funcionários públicos – que eram os mais críticos à reforma. E deu resultado. Rapidamente, a rejeição para com a reforma diminuiu, mais uma vez mostrando ao congresso de que o tema não é tão desgastante assim.

Agora nos resta esperar. Caso a reforma seja votada e aprovada podemos ter a volta dos investidores, com alta da bolsa e queda dos juros futuros gerando, o que chamamos, de um rali no mercado nesse fim de ano. Caso não seja, voltaremos a ter mais volatilidade, que deve perdurar até a definição do cenário eleitoral.

Alexandre Amorim, CGA, CFP®


Receba uma atualização mensal da atual situação econômica do Brasil!

Resumo
Atual situação econômica do Brasil - carta do Gestor
Nome do artigo
Atual situação econômica do Brasil - carta do Gestor
Descrição
Na atual situação econômica do Brasil, inflação continua em sua trajetória de queda surpreendendo com números ainda menores que os previstos.
Autor
Nome do editor
Par Mais

Deixe seu comentário

    • Uwe Mathieu
    • 27/01/2016
    Responder

    Eu , Uwe Mathieu , alemao , vivi por mais de 30 anos no Brasil , fui gerente industrial de uma empresa alema e consultor de grandes empresas brasileiras como a arcelormittal brasil , gruppo gerdau , vallourec & mannesmann , cvrd etc.Voltei para alemanha em 2010 e ficou perplexo com a situacao atual do brasil , pais que fui a minha segunda patria durante mais de 30 anos.Eu , particularmente achou que o brasil tem que criar vergonha na cara , arregacar as mangas e trabalhar seriamente e nao atraves do jeitinho.Alemanha perdeu duas guerras e esta ai , forte e firme ate abrigando milhoes de refugiados.O problema do brasil esta na falta de vergonha do povo brasileiro , porque nao e um povo serio.Nao se ganha a vida com falcatrua , corrupcao e falta de honestidade,se ganha a vida trabalhando seriamente , unido e com governantes serios e nao corruptos e pillandras.Caso que querem mais informacoes sobre o meu opinhao favor me contatar.

    sds
    Uwe Manfred Mathieu
    Brückstrasse 24
    58706 Menden (Sauerland)
    e-mail ummathieu@gmail.com.br Mobil 0049 015253350323

    • Responder

      Discordo da sua opinião com relação ao povo brasileiro, sr Uwe. Até já cheguei a pensar como o sr. Porém, refletindo mais, percebi que sim, há muitos corruptos entre a população brasileira. Mas também há sim muita gente honesta e batalhadora. O grande problema em si é que, em geral, os honestos não tem a mesma vocação (por não achar palavra melhor) para a ação política como os desonesto tem. Ou talvez seja porque os honestos estão tão envolvidos (e esgotados) com o seu labor que não conseguem trazer ainda mais um peso pra seus próprios ombros: o peso da luta política.

      • JOSE GILBERTO MARTINS MANVAILER
      • 09/12/2017
      Responder

      Em primeiro lugar, concordo, parcialmente, com o alemão Uwe. De fato, o problema de corrupção no Brasil, é uma questão cultural, infelizmente! Algo que pode ser revertido, mas a longo prazo e com vontade e coragem para o enfrentamento. Não falo aqui, só por parte da casta política e governantes, mas sim, a participação do povo de um modo geral. Creio que é possível, mas com todo a certeza, a longo prazo. Alias, atitudes de ética, essencialmente, o que deve acontecer dentro de casa. Onde o pai ou a mãe, deva ensinar os filhos, dando exemplo do que é ser ético, honesto e probo e agir com retidão. Em segundo lugar, não concordo e não aceito que um cidadão estrangeiro, venha atribuindo de “conselheiro da retidão e honestidade” colocando-se “dono da verdade” esculachar o povo brasileiro de forma generalizada (colocando todos no mesmo saco). No Brasil, como em qualquer outro país do mundo, mesmo que em menor quantidade, há a corrupção! Inclusive em seu país. Portanto, Sr. Uwe, como brasileiro e cidadão que sou, inclusive, cumpridor de minhas obrigações, não posso aceitar sua opinião de forma como o Sr colocou aqui.

    • ailton de oliveira
    • 29/01/2016
    Responder

    Infelizmente, concordo com tudo que o senhor relator.
    gostaria de receber mas criticas, para repassar aos meu amigos e colegas, assim, quem sabe um dia possamos ser uma potência.
    atenciosamente,
    Ailton de Oliveira
    Corretor de imóvel

    • Elisângela
    • 06/03/2016
    Responder

    A maioria de nós,povo brasileiro,somos um povo batalhador e sofrido,não se deve generalizar dizendo que todos são corruptos e desonestos….infelizmente temos que conviver com uma minoria corrupta em nosso país ,mas que é suficiente para estragar toda uma nação.

      • Valério Gallea
      • 14/10/2017
      Responder

      Você esta certa, sou filho de italianos do norte da Itália e meu pai que apesar de gostar muito do país que nasceu não trocaria nunca este pais pela sua pátria.

      • Elizete
      • 08/10/2017
      Responder

      Muito bom seu comentário Elisângela gostei, com certeza não somos Todos corruptos estamos pagando o preço pelos os governantes, e o pior que confiamos em colocamos no governo e trair os brasileiros dessa forma, e lamentável , triste nossa situação e vergonhosa.

    • alana costa
    • 04/04/2016
    Responder

    Gostaria de receber em meu email estas informacoes

      • Par Mais
      • 05/04/2016
      Responder

      Ficamos muito lisonjeados com a sua atenção. Na próxima postagem do artigo da Carta ao gestor lhe informaremos. Veja também, nossas postagens antigas dessa serie de artigos e outros sobre empoderamento financeiro!

    • EDSON GINE
    • 19/05/2016
    Responder

    Concordo plenamente co Sr. Mathieu….sou Brasileiro nao me encaixo no perfil mencionado mas tenho plena convicçao que este País, de pessoas que arregassam as mangas pra luta..e sim pra vadiagem….tantos Politicos e tbm a Justiça nao temos corretamente como deve ser…so corrupçao em tds os setores de um modo geral….sinceramente estou cansado estasiado e triste com o nosso povo …Affff…gente vamos agir com honestidade, chega de enganaçao…!!!!!

    • Katherine amorim
    • 27/05/2016
    Responder

    eu acho que para um brasil, melhor precisa de ajuda do povo,por que só unidos conseguimos melhorar o brasil.

    • Adriana
    • 04/01/2017
    Responder

    Ufffa muita coisa para um ano, mais que tudo isso sirva de exemplos ‘ para que todos mudam suas atitudes e sejam mais honestos.

    • marciel
    • 20/01/2017
    Responder

    foi um ano atípico,porem muito importante em termo de lavagem de “roupas
    surjas”.

    • Milton Cruz
    • 25/01/2017
    Responder

    pelo meu ponto de vista , esse país tem muito a piorar
    haverá mudança se houver mudança
    crescimento só vem através de mudanças
    e essa mudança deveria ser drasticamente rigorosa
    mudando se as leis , modo de governar , pode ter certeza , que só desta forma , esse país vai pra frente

    • Lucas Monteiro de Castro
    • 09/03/2017
    Responder

    Reforma “precificada” representa, em outras palavras, retirar o que resta de direitos aos trabalhadores que pagam a conta. Além disto, a depressão econômica não cedeu ao controle inflacionário, pois as empresas e unidades familiares continuam endividadas e os gastos públicos não se transformam em infraestrutura. A demanda agregada não reage à queda do nível de preços, provocando ainda mais desemprego. O fator político coadjuvante justifica o golpe, onde com apoio de uma mídia partidária, ladrões julgaram ladrões com respaldo de um judiciário usurpador que condena alguns e blinda outros políticos ladrões.

    • Eloi
    • 19/05/2017
    Responder

    Peço encaridamente que deixe o ministro da fazenda administrar esse país pois é de extrema capacidade para administrar a nossa economia.

    • edson ferreira da silva
    • 23/06/2017
    Responder

    No meu ponto de vista: temos que acreditar na melhoria do País não sabemos quando e em ano.,sempre a mesma coisa mas o que vem acontecendo ha de melhorar.

    • Maria Aparecida Fideles dos santos
    • 03/07/2017
    Responder

    Lamentável. Que falta de pessoas honestas e transparentes. Espero melhoras acredito que ainda existe pessoas honestas..

    • Vilmar Francisco Dias
    • 24/07/2017
    Responder

    O pior, até a nossa justiça é corrupta, falta muito coisa pra melhorar.

    • Aline Bezerra
    • 20/09/2017
    Responder

    Ótimo blog, informações fundamentais.

      • Par Mais
      • 21/09/2017
      Responder

      Aline, muito obrigado pelo seu comentário.
      Ficamos contentes que o conteúdo tenha sido de seu interesse e que você tenha gostado!

    • thiago siva costa lima
    • 02/10/2017
    Responder

    o maior erro devido o termo crise economia brasileira vem da ma administração do poder que todos brasileiros tem em suas mãos na hora de dar seu voto. O povo brasileiro não tem coragem se quer de pelomenos pesquisar sobre os candidatos que ele colocara no poder saber quais seus planos futuros em relação ao trinônimo economia-sociedade e meio ambiente entre outros. o brasil só ira mudar toda sua estrutura dede economia a responsabilidade social e ambiental quando as pessoas deixarem de se acomodar deixar de se levar por conversas fiadas e estudar mais.. minha opinião

    • Juliane
    • 10/10/2017
    Responder

    Excelente texto.

    • Carlos Alberto
    • 04/11/2017
    Responder

    É desejo de todo brasileiro ver o País sair dessa recessão, mas isso só não basta, quando vamos ter uma desigualdade social menos perversa? A distribuição de renda no Brasil continua sendo uma das piores do mundo, uma
    carga tributária criminosa (aprox.38% do PIB),
    que se torna a maior do mundo já que temos
    muito pouco ou quase nenhum retorno social.
    A corrupção campeia de forma desavergonhada
    com amparo legal das leis que são feitas para
    proteger todo tipo de bandidagem do praticada
    nos tres poderes.

    • Magda abaid
    • 09/11/2017
    Responder

    Gostaria de entender uma coisa , se a inflação esta controlada, com uma trajetória de queda porque os investimento atrelados a inflação estão em alta ?

      • Par Mais
      • 09/11/2017
      Responder

      Prezada Magda, excelente pergunta!

      Os investimentos atrelados a inflação tem como rentabilidade a inflação e mais uma taxa pre fixada. E o que faz esse título ter tido uma ótima rentabilidade nos últimos meses foi justamente a taxa pré fixada.

      Vamos tomar por exemplo o Tesouro IPCA (antiga NTNB). A rentabilidade de um título para 2035 é atualmente IPCA +5,33% ao ano. A dois anos atrás, quando ainda tínhamos uma inflação bem mais alta, este título chegou a ser negociado a IPCA +7,50%.

      O que acontece é que o comprador do título tem essa taxa garantida até o vencimento, ou seja, quem comprou a 7,50% vai receber 2,17% ao ano (7,50% – 5,33% = 2,17%), a mais do que quem compra um título agora. Portanto, o mercado ‘precidfica’ esse título (comprado a 7,50%) antecipando essa diferença de rentabilidade (cálculo de valor presente) e acarretando nessa rentabilidade acima da média.

      Na prática, a trajetória da taxa de juros pre fixada é inversamente proporcional a sua rentabilidade. Quando a taxa cai o titulo se valoriza e vice versa.

      Prova disso é que, no mês de outubro, as taxas desses títulos subiram e os investimentos perderam valor.

      Por último, a oscilação da taxa pré não está necessariamente ligada a trajetória da inflação. Na verdade a inflação é apenas um dos fatores – mas o principal deles é o risco e consequentemente a demanda dos investidores por esse tipo de título.

      Desejamos ter esclarecido! Obrigado!

    • Uwe Mathieu
    • 14/11/2017
    Responder

    Ola,fiquei surpreso com tanta resposta sobre meu comentario sobre a atual situacao do brasil.Gostaria em receber cartas,criticas e conversas serias,principalmente com jovens brasileiros porque o futuro e deles e eles tem plenas condicoes em mudar este maravilhoso pais numa grande nacao,seria e reconhecida internacionalmente.Aguardando mais contatos de brasileiros serios.Grato pela atencao.
    Uwe Mathieu

    • Franco
    • 24/11/2017
    Responder

    Gostaria de saber qual foi o acumulado do preço da gasolina, gás de cozinha e energia elétrica de jan a nov 2017.

      • Par Mais
      • 25/11/2017
      Responder

      Franco, bom dia!

      Recomendamos que entre nos sites que emitem os relatórios com esses índices para que tenha mais detalhes dos valores acumulados no período.
      Caso você tenha dúvidas sobre investimentos ou planejamento financeiro, nos envie para que possamos dar uma resposta mais específica.

      Desejamos um ótimo final de semana para você!

    • Marcus Vinicius
    • 27/11/2017
    Responder

    Gostaria de receber os informes.

      • Par Mais
      • 27/11/2017
      Responder

      Marcus, bom dia! Vamos incluir sim! Você vai receber por e-mail, no mesmo momento da publicação.

      Você recebe nosso podcast semanal DE INVESTIDOR, PARA INVESTIDOR? Sempre as segundas, pela manhã, o Alexandre Amorim, envia pelo whats! É um serviço gratuito!
      Caso ainda não seja assinante, basta acessar aqui: https://www.parmais.com.br/conteudo/podcast-de-investidor-para-investidor/

      Nesta semana você vai receber na quarta-feira e semana que vem, já recebe na segunda.

      Muito obrigado pelo seu interesse e uma ótima semana para você e sua família!

    • daniel
    • 07/12/2017
    Responder

    Se tem uma coisa que presta mesmo neste país é a previdência, e está ótima, mas esta elite suja corrupta e que nunca na vida plantou se quer um pé de alface ou produziu se quer um bem ou serviço boto o olho, principalmente os bancos que querem empurrar previdência privada que isso sim é um roubo, ficam com o teu dinheiro, te remuneram mal, e ainda há o risco de acabarem comprando títulos podres com o dinheiro.