Atual situação econômica do Brasil – Carta do gestor

  • 04/09/2017

É impressionante a quantidade de acontecimentos recentes. Agosto foi mais um mês daqueles, em que tivemos acontecimentos para “um ano inteiro”. E, apesar de tudo isso, o mercado continua calmo. Não só calmo, mas animado!

Na política a pauta foi longa: votação da denúncia contra Michel Temer, que foi rejeitada pela Câmara; reforma política com ênfase nas regras para as próximas eleições, incluindo aí o tamanho do fundo partidário; envio para o congresso da revisão da meta fiscal, aumentado o rombo para 2017 e 2018; a votação da substituição da TJLP pela TLP; e, por fim, a divulgação da intenção do governo de promover uma série de privatizações.

Na economia, tivemos a divulgação de diversos balanços relativos ao segundo trimestre e os resultados foram bons. Na verdade, como as vendas sofreram muito nos últimos tempos as empresas se viram obrigadas a enxugar os custos ao extremo. Agora, qualquer aumento nas receitas se traduz em importantes ganhos nos resultados. Muito importante também foi a divulgação do PIB do segundo trimestre, que teve alta de 0,20% (divulgado no primeiro dia de setembro). Mais importante do que o próprio número, que não foi tão expressivo, é a origem do resultado – já que o PIB foi puxado pela alta do consumo das famílias.

Em 13/09/17 publicamos uma edição extra. Confira!

Continuamos com índices de inflação muito baixos. O IPCA de julho veio até um pouco acima do esperado pelo mercado mas, mesmo assim, o acumulado em 12 meses está em 2,71%, ou seja, abaixo do piso da meta que é de 3%. Isso dá, inclusive, alguma margem de manobra para o governo caso seja necessária provocar alguma oneração de impostos para aumentar a receita. O assunto que está na pauta, no momento, é o aumento dos tributos sobre o cigarro.

O fato é que o mercado está animado. Fechamos o mês de agosto com o índice da bolsa de valores muito perto do seu maior valor histórico que foi atingido, ainda em 2008, após a divulgação do investment grade e antes da crise americana. O câmbio e os juros também recuaram para os valores que estavam antes do “cavalo de pau” que aconteceu no mercado em maio, após a divulgação dos áudios de Joesley Batista com Michel Temer.

Mas o que esperar daqui pra frente?

É consenso de que o mercado vem se descolando da política. Aliás, cada vez mais fica claro que o nosso congresso vive num mundo a parte, alheio e isolado da vida real. Mas apesar de todas as “barbeiragens” de Brasília, aparentemente a equipe econômica vem conquistando seus objetivos. Se ainda há muita dúvida sobre o futuro da reforma da previdência, algumas vitórias menores têm sido de extrema importância.

O fato do aumento da meta fiscal, que poderia ser considerada uma derrota, acabou se transformando em ponto positivo para Meireles e sua equipe. Isso porque o objetivo do congresso era aumentar ainda mais o rombo e foi o comprometimento de Meireles que fez que, ao fim da divulgação do rombo recebêssemos notas das principais agências de classificação de risco depositando confiança no Brasil.

Outro ponto importante foi a TLP, que equaliza o custo de financiamento do governo. Tecnicamente a TLP vai acabar com a “meia entrada” que algumas empresas (escolhidas a dedo) pagavam para se financiar enquanto todo o resto tinha que pagar a conta arcando com taxas de juros exorbitantes. Mais do que isso, a TLP terá papel importante para manutenção da SELIC em níveis baixos por um bom período de tempo.

Outro ponto importante é o pacote de privatizações. Mais do que apenas uma fonte de receita nesse momento, a privatização trará um ganho muito grande de eficiência, além de fechar diversas “bocas livres” para apadrinhados políticos.

Os bons resultados das empresas e a volta do consumo também podem ser o início do que chamamos de “ciclo virtuoso” no mercado. O aumento da confiança, aliado a um ambiente de taxas de juros baixas, pode promover o aumento do investimento, não só na economia real, mas também a migração dos investimentos financeiros para investimentos de maior risco.

E não estamos falando de pouco dinheiro. Somando apenas pessoas físicas e fundos de pensão podemos chegar a valores que ultrapassam meio trilhão de reais que tem potencial de migrar para investimentos de renda variável nos próximos anos. Isso pode motivar a abertura de capital de muitas e muitas empresas. Também, com o aumento da previsibilidade no cenário, os fundos multimercados devem passar a ter um desempenho muito melhor e, por consequência, se tornarem mais atrativos.

Por último, o mundo está a nosso favor. As grandes economias começam a mostrar crescimento e, curiosamente, sem pressão na inflação. Com isso, o crescimento aparece sem pressionar as taxas de juros, tornando ainda mais propicio o ambiente para investimentos de risco.

Ou seja, o Brasil tem sim um grande potencial para a inflexão da economia, retomada do crescimento e uma probabilidade muito grande de que os ativos de risco sejam recompensados. Mas não dá pra esquecer que estamos no Brasil e, aqui, certezas continuam se transformando em dúvidas num piscar de olhos.

Alexandre Amorim, CGA, CFP®


Receba uma atualização mensal da atual situação econômica do Brasil!

Resumo
Atual situação econômica do Brasil - carta do Gestor
Nome do artigo
Atual situação econômica do Brasil - carta do Gestor
Descrição
Na atual situação econômica do Brasil, inflação continua em sua trajetória de queda surpreendendo com números ainda menores que os previstos.
Autor
Nome do editor
Par Mais

Deixe um comentário

    • Uwe Mathieu
    • 27/01/2016
    Responder

    Eu , Uwe Mathieu , alemao , vivi por mais de 30 anos no Brasil , fui gerente industrial de uma empresa alema e consultor de grandes empresas brasileiras como a arcelormittal brasil , gruppo gerdau , vallourec & mannesmann , cvrd etc.Voltei para alemanha em 2010 e ficou perplexo com a situacao atual do brasil , pais que fui a minha segunda patria durante mais de 30 anos.Eu , particularmente achou que o brasil tem que criar vergonha na cara , arregacar as mangas e trabalhar seriamente e nao atraves do jeitinho.Alemanha perdeu duas guerras e esta ai , forte e firme ate abrigando milhoes de refugiados.O problema do brasil esta na falta de vergonha do povo brasileiro , porque nao e um povo serio.Nao se ganha a vida com falcatrua , corrupcao e falta de honestidade,se ganha a vida trabalhando seriamente , unido e com governantes serios e nao corruptos e pillandras.Caso que querem mais informacoes sobre o meu opinhao favor me contatar.

    sds
    Uwe Manfred Mathieu
    Brückstrasse 24
    58706 Menden (Sauerland)
    e-mail [email protected] Mobil 0049 015253350323

    • ailton de oliveira
    • 29/01/2016
    Responder

    Infelizmente, concordo com tudo que o senhor relator.
    gostaria de receber mas criticas, para repassar aos meu amigos e colegas, assim, quem sabe um dia possamos ser uma potência.
    atenciosamente,
    Ailton de Oliveira
    Corretor de imóvel

    • ailton de oliveira
    • 29/01/2016
    Responder

    Infelizmente, concordo com tudo que o senhor relator.
    gostaria de receber mas criticas, para repassar aos meu amigos e colegas, assim, quem sabe um dia possamos ser uma potência.
    atenciosamente,
    Ailton de Oliveira
    Corretor de imóvel

    • Elisângela
    • 06/03/2016
    Responder

    A maioria de nós,povo brasileiro,somos um povo batalhador e sofrido,não se deve generalizar dizendo que todos são corruptos e desonestos….infelizmente temos que conviver com uma minoria corrupta em nosso país ,mas que é suficiente para estragar toda uma nação.

    • alana costa
    • 04/04/2016
    Responder

    Gostaria de receber em meu email estas informacoes

      • Par Mais
      • 05/04/2016
      Responder

      Ficamos muito lisonjeados com a sua atenção. Na próxima postagem do artigo da Carta ao gestor lhe informaremos. Veja também, nossas postagens antigas dessa serie de artigos e outros sobre empoderamento financeiro!

    • EDSON GINE
    • 19/05/2016
    Responder

    Concordo plenamente co Sr. Mathieu….sou Brasileiro nao me encaixo no perfil mencionado mas tenho plena convicçao que este País, de pessoas que arregassam as mangas pra luta..e sim pra vadiagem….tantos Politicos e tbm a Justiça nao temos corretamente como deve ser…so corrupçao em tds os setores de um modo geral….sinceramente estou cansado estasiado e triste com o nosso povo …Affff…gente vamos agir com honestidade, chega de enganaçao…!!!!!

    • Katherine amorim
    • 27/05/2016
    Responder

    eu acho que para um brasil, melhor precisa de ajuda do povo,por que só unidos conseguimos melhorar o brasil.

    • Adriana
    • 04/01/2017
    Responder

    Ufffa muita coisa para um ano, mais que tudo isso sirva de exemplos ‘ para que todos mudam suas atitudes e sejam mais honestos.

    • marciel
    • 20/01/2017
    Responder

    foi um ano atípico,porem muito importante em termo de lavagem de “roupas
    surjas”.

    • Milton Cruz
    • 25/01/2017
    Responder

    pelo meu ponto de vista , esse país tem muito a piorar
    haverá mudança se houver mudança
    crescimento só vem através de mudanças
    e essa mudança deveria ser drasticamente rigorosa
    mudando se as leis , modo de governar , pode ter certeza , que só desta forma , esse país vai pra frente

    • Lucas Monteiro de Castro
    • 09/03/2017
    Responder

    Reforma “precificada” representa, em outras palavras, retirar o que resta de direitos aos trabalhadores que pagam a conta. Além disto, a depressão econômica não cedeu ao controle inflacionário, pois as empresas e unidades familiares continuam endividadas e os gastos públicos não se transformam em infraestrutura. A demanda agregada não reage à queda do nível de preços, provocando ainda mais desemprego. O fator político coadjuvante justifica o golpe, onde com apoio de uma mídia partidária, ladrões julgaram ladrões com respaldo de um judiciário usurpador que condena alguns e blinda outros políticos ladrões.

    • Eloi
    • 19/05/2017
    Responder

    Peço encaridamente que deixe o ministro da fazenda administrar esse país pois é de extrema capacidade para administrar a nossa economia.

    • edson ferreira da silva
    • 23/06/2017
    Responder

    No meu ponto de vista: temos que acreditar na melhoria do País não sabemos quando e em ano.,sempre a mesma coisa mas o que vem acontecendo ha de melhorar.

    • Maria Aparecida Fideles dos santos
    • 03/07/2017
    Responder

    Lamentável. Que falta de pessoas honestas e transparentes. Espero melhoras acredito que ainda existe pessoas honestas..

    • Vilmar Francisco Dias
    • 24/07/2017
    Responder

    O pior, até a nossa justiça é corrupta, falta muito coisa pra melhorar.