Sua conta
  • 20/09/2019

Miniglossário do mercado financeiro

Início / Investimentos / Miniglossário do mercado financeiro

Várias são as nomenclaturas utilizadas no mercado financeiro e os termos são tantos que podem até confundir os investidores, principalmente os iniciantes.

Por isso, criamos um miniglossário prático com o objetivo de facilitar seu entendimento e o que eles significam nos investimentos.

AÇÕES

As ações são frações de uma empresa, ou seja, cada ação representa uma parte do capital da empresa. Ao comprar uma ação você estará se tornando “sócio” da empresa. Correndo riscos, ganhando ou perdendo dinheiro, conforme o desempenho da empresa. As ações são negociadas nas Bolsa de Valores e existem fundos de investimentos que utilizam ações na sua composição. É um investimento para pessoas com perfil que permitem correr riscos e tem tempo para se recuperar das oscilações.

APLICAÇÕES FINANCEIRAS

São transações financeiras que têm a finalidade de rentabilizar o dinheiro investido. As mais utilizadas são: CDB, LCI, LCA, Fundos de investimentos, Previdências, e Título Público.

CAPITALIZAÇÃO

CAPITALIZAÇÃO NÃO É INVESTIMENTO

Capitalização é uma forma programada de guardar dinheiro e concorrer a prêmios. O problema é que as capitalizações oferecidas pelos bancos possuem altas taxas para os sorteios e para a administração do plano. O pior é que obriga a pessoa a ficar tempo combinado (que pode ser de até 5 anos) para poder pegar de volta tudo o que guardou. São cobradas altas multas para resgatar antes do prazo combinado. E como é atrelada a TR, sempre perde para a inflação, ou seja, quem investe, quando pega o que guardou de volta, sempre perde muito dinheiro.

A capitalização mais famosa do Brasil é a Tele Sena. A pessoa compra um título, participa dos sorteios e se não for premiada pega algum dinheiro de volta. No caso da Tele Sena 50% do valor do título.

CDBs

Os Certificados de Depósito Bancário são títulos que os bancos emitem para captar recursos. Da mesma forma que o governo emite títulos públicos os bancos também emitem os CDBs. Ao comprar um CDB você está emprestando ao banco em troca de uma remuneração. 

Existem dois tipos de CDBs:

– Prefixado – ao comprar o CDB você já sabe a taxa de juros que vai receber. O banco é que determina o percentual da rentabilidade.

Por exemplo: CDB com 10% ao ano significa que ao resgatar o título depois de um ano você vai receber 10% a mais do valor que comprou.

– Pós-fixado – ao comprar você não sabe ao certo o valor que irá receber no futuro, pois a taxa de juros da remuneração está atrelada ao CDI. CDI é a taxa de juros que os bancos usam para emprestar dinheiro um para o outro. Geralmente é um percentual sobre o CDI.

Por exemplo: o banco pode te oferecer um CDB que vai pagar 85% do CDI. Se o CDI está pagando 10% ao ano, o seu CDB vai render 8,5% ao ano.

ATENÇÃO 1 – você paga IR sobre os rendimentos do seu CDB. Quanto mais tempo o seu dinheiro estiver aplicado, menos imposto você paga. Veja:  6 meses – 22,5%, de 6 a 12 meses – 20%, de 12 a 36 meses – 17,5% e acima de 36 meses – 15%.

ATENÇÃO 2 – suas aplicações até R$ 250 mil são garantidas pelo Fundo Garantidor de Crédito, o FGC!

Ou seja, o FGC garante R$ 250 mil por CPF e por banco onde você tenha adquirido um CDB.

CDI

O Certificado de Depósito Interbancário nada mais é que um índice, a taxa de juros que os bancos usam para emprestar dinheiro um para o outro. No final do dia, o banco “A” fecha com o caixa em negativo e para garantir que no dia seguinte ele tenha os recursos necessários, pede emprestado para o Banco “B”. A taxa destes empréstimos entre bancos é o CDI.

A Taxa CDI é uma média dos juros praticados pelos Certificados de Depósitos Interbancários realizados entre os bancos.  Assim como a Taxa Selic é utilizada para medir os juros dos títulos públicos a Taxa CDI é utilizada para medir os títulos emitidos entre os bancos.
Você não tem acesso a um CDI, mas ele é a taxa de juros que mede a rentabilidade de produtos financeiros, como o CDB.

IBOVESPA

O Ibovespa é o índice da Bolsa de Valores de São Paulo – é o principal índice de referência do mercado de ações brasileiro.

O índice é formado atualmente por 68 ações (não é um número fechado) das mais negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). É feita uma espécie de “média ponderada” – o cálculo na prática é mais complexo. O Ibovespa é atualizado a cada quatro meses. Em cada atualização algumas ações entram e outras saem na composição do índice.

O Ibovespa foi criado em 1968 e sua pontuação inicial era de 100 pontos. A cada dia a pontuação do índice sofre alterações, indicando para onde está indo o mercado: subindo, caindo ou permanecendo no mesmo nível.

INFLAÇÃO – IPCA

A inflação é uma medida que representa o aumento geral dos preços. Em outras palavras, conforme a inflação aumenta o poder de compra das pessoas diminui. Como o Brasil é um país que possui um histórico inflacionário, sempre é preciso estar atento para não ter o capital corroído pelo aumento geral dos preços, portanto, é muito importante que seus investimentos lhe garantam rentabilidade acima da inflação.


Embora a inflação seja diferente de cidade para cidade, estado para estado, produto para produto, existem índices de inflação que fornecem uma visão geral acerca do aumento dos preços. No Brasil, o IPCA — Índice Nacional de Preços ao Consumidor — do IBGE, é o índice oficial utilizado pelo governo.

FUNDOS DE INVESTIMENTO

Fundo de investimento é uma aplicação financeira coletiva: o dinheiro de cada investidor é somado e utilizado para comprar produtos financeiros que pertencem a todos. A lógica é igual a um condomínio, onde cada um paga a sua parte e o total do dinheiro é usado para a manutenção e despesas de um prédio. Assim como o seu condomínio, cada fundo de investimento tem as suas regras próprias.

Ao investir em um fundo, você comprará “cotas”. Cada “cota” é uma fração do fundo de investimentos. Para saber se você está ganhando ou perdendo dinheiro, basta comparar o valor do que foi investido com o valor do seu saldo atual.

Antes de investir, confira a “política” do fundo quanto à liquidez (que é o período para você ter de volta o seu dinheiro aplicado na sua conta corrente, após o pedido de resgate). Geralmente quanto mais “agressivo” é o fundo, menor é a sua liquidez (maior tempo para o dinheiro cair na sua conta). 

ATENÇÃO – Muita gente acha que tem segurança investindo em fundos de grandes bancos, o que é um grande erro! O risco de um fundo está ligado aos ativos (produtos) que tem dentro da sua carteira de investimentos e não há qualquer garantia da instituição financeira (ou qualquer outra garantia) sobre o investimento.

FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO –  FGC

Em 1995, o Conselho Monetário Nacional criou o Fundo Garantidor de Crédito para manter a estabilidade do sistema bancário.

Em caso de falência do banco, ele ressarce até R$ 250 mil, por CPF e por banco, se o dinheiro estiver depositado em conta corrente ou nas seguintes aplicações financeiras: poupança, CDB, LCI, LCA.

Por exemplo: se você tem R$ 500 mil dividido em dois bancos, o FGC garante até R$ 250 mil por banco. Ele é válido para pessoas físicas e jurídicas.

JUROS COMPOSTOS

Os juros compostos acontecem quando os juros gerados a cada período são incorporados ao principal para o cálculo dos juros do período seguinte. Por exemplo: você deve R$50,00, e a taxa de juros mensal é de 10%. Por algum motivo você não pagou esse empréstimo. A cada mês sua dívida aumenta porque é somado ao valor inicial a taxa de juros que foram incorporadas mês a mês. Confira:

Mês 01 – R$50,00 + 10% = R$55,00

Mês 02 – R$55,00 + 10% = R$60,50

Mês 03 – R$60,50 + 10% = R$66,55

Mês 04 – R$66,55 + 10% = R$73,20

Mês 05 – R$73,20 + 10% = R$80,52 e assim por diante!

A lógica é a mesma para os nossos investimentos, por isso começar a investir cedo é tão importante, pois você deixa os juros compostos “trabalhando” para você!

LCI e LCA

LCI (Letra de Crédito Imobiliário) é um título de renda fixa emitido pelos bancos que tem como base o crédito imobiliário.

LCA (Letra de Crédito do Agronegócio) também é emitida pelos bancos, só que é baseada nos créditos do agronegócio.

Atenção 1: em geral LCI e LCA têm prazos de vencimentos, ou seja, mesmo se você precisar resgatar o seu dinheiro, só poderá após o prazo estipulado na hora da compra. Há casos de mais de 1 mil dias de vencimento, e a média é em torno de 6 meses. Preste muita atenção!

Atenção 2: algumas instituições oferecem LCI e LCA com liquidez diária, mas, mesmo nesses casos, há um período de carência (prazo em que não podem haver resgates) de 90 dias após a aplicação.

LIQUIDEZ

Liquidez é a facilidade e a velocidade com que os seus investimentos, imóveis, joias, obras de arte, enfim seus bens podem ser convertidos em dinheiro.

Quando se fala de investimentos financeiros a liquidez é muito importante para que não se cometa o erro de não ter dinheiro disponível na hora que for necessário.

Nos investimentos pode-se dizer que a liquidez é o prazo (em dias) desde o pedido de resgate até quando o dinheiro fica disponível na conta do investidor e é representada pela letra ‘d’ mais um número. Um investimento com liquidez imediata (resgate no mesmo dia) é representado por ‘d+0’ enquanto um com prazo de 30 dias é representado por ‘d+30’.

CADERNETA DE POUPANÇA

É a aplicação financeira mais antiga e popular do Brasil.

Não possui impostos, nem taxas e permite depósitos com valores baixos.

Foi criada para proteger o dinheiro da inflação, mas atualmente não está cumprindo esse papel. A cada 30 dias, o dinheiro que está na poupança, é reajustado em 0,5% de taxa de juros + TR.

Por isso, nos últimos 12 meses quem deixou o seu dinheiro na poupança perdeu para a inflação.

Atenção 1: não é cobrado IR, nem sobre os depósitos e nem sobre os rendimentos.

Atenção 2: o dinheiro da sua poupança até R$ 250 mil é garantido pelo Fundo Garantidor de Crédito, o FGC. Ou seja, o FGC garante R$ 250 mil por CPF e por banco onde se tenha a poupança. Assim, caso o banco quebre o FGC te devolve o dinheiro.

Atenção 3: a rentabilidade é mensal e se você resgatar o seu dinheiro antes da data de “aniversário” não haverá nenhuma rentabilidade.

PREVIDÊNCIA PRIVADA COMPLEMENTAR

Inicialmente os planos de previdência privada surgiram para complementar a renda, na aposentadoria, do INSS. Hoje são oferecidos pelos bancos para diversas finalidades equivocadas, ou seja, para investimentos de médio prazo, ocasionando altos prejuízos para os investidores.

Ao fazer um plano de previdência é MUITO IMPORTANTE VOCÊ SABER:

  • Qual a taxa de carregamento de entrada
  • Qual a taxa de carregamento de saída
  • Qual a taxa de administração do fundo do seu plano de previdência
  • Qual o modelo tributário
  • Qual a forma que você vai receber o seu dinheiro quando decidir resgatar

Aconselhamos a todos, antes de fazer qualquer investimento em um plano de previdência, ler os artigos em nosso blog e, se tiver dúvidas, entrar em contato com os especialistas da Par Mais. 

TAXA SELIC

A Taxa Selic, mais conhecida como a taxa básica de juros da economia, funciona como um termômetro de quanto custa o dinheiro no Brasil. O seu índice é controlado pelo COPOM – Comitê de Política Monetária –, órgão do Banco Central do Brasil, de tão importante que é para a nossa economia. O seu nome é originado da sigla do “Sistema Especial de Liquidação e Custódia”. É neste sistema que são gerenciados os Títulos Públicos Federais. Ou seja, a Taxa Selic determina a taxa de juros que o governo garante pagar para quem adquirir um título público federal.

TAXA DE JUROS

A taxa de juros determina o preço do dinheiro no mercado. O preço que você vai pagar pelo “aluguel” do dinheiro. Quando você toma dinheiro emprestado em um financiamento e paga juros, é mais ou menos similar a quando você aluga uma casa e paga aluguel para poder utilizá-la. Por exemplo: você vai solicitar um empréstimo de R$ 1.000 e a taxa de juros mensal é de 10%, o valor do pagamento do empréstimo é de R$ 1.100. Se você não pagar o empréstimo, a taxa de juros será aplicada sobre os R$ 1.100. É por isso que a dívida aumenta tanto. O mesmo se aplica para investimentos, isso é chamado de juros compostos.

TÍTULOS PÚBLICOS

Títulos públicos são títulos emitidos pelos governos federal, estadual ou municipal com a intenção de arrecadar dinheiro. Os títulos públicos federais são os investimentos de menor risco da economia, pois são 100% garantidos pelo tesouro nacional. São classificados como renda fixa, ou seja, você adquire um título e sabe qual o indexador está atrelado a ele.

ATENÇÃO – estamos utilizando o título público tipo Tesouro SELIC – antiga LFT, pois acompanha a taxa SELIC e sofre menos oscilações.

Mas existem mais 4 tipos:

TESOURO IPCA, antiga NTN-B Principal – atrelado à variação do IPCA (inflação) + taxa de juros determinada.

TESOURO IPCA + Juros semestrais, antiga NTN-B – atrelado à variação do IPCA (inflação) + taxa de juros determinada, mas com pagamento dos juros (taxa acima da inflação) de forma semestral.

TESOURO Prefixado, antiga LTN – taxa de juros fixa e determinada no momento da aplicação.

TESOURO Prefixado + Juros semestrais, antiga NTN-F – taxa de juros fixa e determinada no momento da aplicação com pagamento dos juros de forma semestral.

TR

TR é abreviação da Taxa Referencial. Quem determina essa taxa de juros é o Banco Central. Ela é quase ZERO e é aplicada, na poupança, no FGTS e em alguns financiamentos habitacionais.

RENDA FIXA

É um termo usado para investimentos que tem taxas de juros já definidas. Ao comprar um título público ou outro investimento que tenha renda fixa, você já sabe o valor da taxa de juros que irá receber. Não sofre variações ou as variações são previsíveis, exatamente ao contrário são os investimentos em renda variável, que não tem garantido a taxa de juros e, consequentemente a sua rentabilidade.

RENDA VARIÁVEL

É um termo usado para investimentos que a remuneração ou retorno não são definidos e garantidos no momento da aquisição. Esse investimento poderá variar positivamente ou negativamente. Os mais comuns são as ações!

Deixe seu comentário

Comentário(s): 0

×