TR – Taxa Referencial: o que é e como impacta nos investimentos?

  • 16/04/2021
Página inicial - capital - TR – Taxa Referencial: o que é e como impacta nos investimentos?

A Taxa Referencial (TR) existe há mais de 25 anos e, apesar de não ser mais utilizada para o mesmo fim que foi criada, ainda é bastante usada na prática, seja para nortear a rentabilidade de alguns investimentos ou servir de base na taxa de juros de financiamentos.

Neste artigo, vamos falar sobre a história desta taxa criada nos anos 90 e como ela impacta nos investimentos, podendo ser favorável ou desfavorável, dependendo ao que ela está atrelada.

O que é Taxa Referencial – TR?

TR significa “Taxa de Referência”, ou seja, que serve de modelo para outras taxas do mercado financeiro.

Atualmente, apesar de estar zerada desde setembro de 2017, ela ainda ajuda a determinar o rendimento ou reajuste de alguns investimentos ou créditos, como a caderneta de poupança, a remuneração do FGTS, alguns títulos do Tesouro como a NTN-H e NTN-P (que foram descontinuados e não podem mais ser comprados) e alguns contratos de financiamento imobiliário e títulos de capitalização.

Taxa Referencial - um homem tentando segurar um braço gigante com as mãos

Como surgiu a TR

A taxa referencial foi criada no ano de 1991, durante o mandato do ex-presidente Fernando Collor de Mello, em uma época que o Brasil vivia um cenário de hiperinflação, onde os preços dos produtos eram reajustados diariamente.

A TR tinha como função proteger o poder de compra da moeda nacional – sendo referência para outras taxas de juros do país – e também ajudava a conter a inflação.

Para saber a inflação acumulada durante o mês, o governo media diariamente a TR.
Como a taxa referencial espelhava a inflação acumulada, ela era usada para correção monetária.

Dessa forma, o governo conseguia controlar o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) e mantinha o poder de compra dos brasileiros. Após algum tempo, a TR foi substituída pela taxa Selic.

Como é calculada a TR

A TR é calculada diariamente e mensalmente pelo Banco Central com base em outra taxa, a TBF – Taxa Básica Financeira. A TBF, por sua vez, é calculada com base na remuneração mensal média dos CDBs e RDBs – emitidos a taxas de mercado prefixadas com prazo de 30 a 35 dias corridos – das 20 maiores instituições financeiras do Brasil. A fórmula é a seguinte:

TR = 100 x {[(1 + TBF)/R] – 1}

Considerando:

  • TBF = Taxa Básica Financeira
  • TR = Taxa Referencial
  • R = Redutor.

Para chegar à taxa referencial é preciso aplicar um redutor à TBF, o qual é definido pelo Banco Central. A TR nunca pode ser negativa, sendo limitada a “zero”. Para mais detalhes sobre os cálculos veja a Resolução 3.354.

TR diária e TR mensal

Como citamos, a TR é calculada diariamente e mensalmente pelo Banco Central. Em resumo, a taxa referencial mensal é a soma das TRs diárias.

O cálculo mensal é utilizado para correção monetária dos valores que ficam aplicados durante todo o mês (que são considerados 23 dias), como na poupança e no FGTS.

Impacto da TR nos investimentos

Ao aumentar ou diminuir, a taxa referencial impacta proporcionalmente os investimentos aos quais ela está atrelada. Porém, por estar zerada desde setembro de 2017, ela não está causando impacto nos investimentos.

Poupança | FGTS | Títulos de Capitalização

Poupança:

O rendimento da poupança é calculado da seguinte forma:

  • Se a Selic estiver acima de 8,5% ao ano, a poupança rende 0,5% ao mês, mais a taxa referencial (TR).
  • Se a Selic estiver igual ou abaixo de 8,5% ao ano, a parte fixa da remuneração da poupança deixa de ser 0,5% ao mês e passa a ser 70% da meta da taxa SELIC mais a TR.

Importante comentar que a taxa Selic não supera 8,5% desde 2016.

Saiba mais: quanto rende a poupança?

FGTS:

A rentabilidade do fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) é de 3% ao ano + a TR. Com a TR zerada, a rentabilidade do FGTS está abaixo da inflação.

Título de Capitalização:

O título de capitalização é um produto bancário que se assemelha aos investimentos, mas devido às características peculiares, acaba sendo um misto de caderneta de poupança e bilhete de loteria.

Geralmente, a rentabilidade deste produto é a TR do período que o dinheiro ficou aplicado. Considerando a taxa referencial zerada, os títulos de capitalização podem acabar perdendo para a inflação e rendendo menos que a poupança.

Por que a taxa está zerada?

Quando o cálculo da TR resulta em valor negativo, ela é considerada “zerada” e a taxa Selic baixa tem influência neste resultado. Importante lembrar que a taxa referencial nunca pode ser negativa, sendo limitada a zero.

As principais consequências da taxa referencial zerada são a redução da rentabilidade da poupança e também do FGTS.

Conclusão

Quando criada, a Taxa Referencial (TR) serviu como ferramenta para desindexar a economia dos índices de inflação. Atualmente ela é utilizada principalmente para corrigir financiamentos habitacionais e para compor a rentabilidade da poupança, do FGTS e de títulos de capitalização.

Porém, por estar zerada desde 2017, os investimentos a ela atrelados possuem baixíssima rentabilidade.

Entre eles, podemos citar o FGTS, cuja baixa rentabilidade penaliza o dinheiro dos trabalhadores assalariados que possuem seus recursos no Fundo. Por outro lado, quando a TR é utilizada para reajuste do crédito – como no caso de alguns financiamentos imobiliários, por exemplo – ela pode ser benéfica e fomentar a busca por esse tipo de crédito.

Por isso, esteja sempre atento aos índices dos seus investimentos e, em caso de dúvidas, procure um profissional qualificado para avaliar as melhores opções para o seu caso.

Deixe seu comentário

Comentário(s): 10

       
  1. Tenho uma Previdência Privada Brasilprev contratada com TR. Como a TR está zerada desde 2017, tanto as parcelas como o beneficio estão congelados. O Administrador se recusa a alterar o indexador alegando que apesar de estar zerada a TR não foi cancelada o que significa que quando chegar a hora de receber o beneficio ele estará totalmente defasado.
    Existe alguma alternativa?

    1. Cesar, boa tarde!
      Se você ainda está na fase de contribuição, poderá fazer uma portabilidade para outro plano ou até mesmo para outra instituição. Mas é importante ler o regulamento para entender os prazos e carências, se houver. Você está certo em se preocupar, pois estamos vivendo cada vez mais e quanto mais recursos conseguimos juntar nesta “caixinha”, maior será nosso montante para poder desfrutar da aposentadoria com qualidade e tranquilidade.
      Na ParMais, além de analisar sua previdência atual, oferecemos planos de previdência com gestão ativa para que seus recursos de longo prazo tenham rentabilidade maior e adequada aos seus objetivos ao longo da jornada.
      Caso queira conhecer, acesse: https://www.parmais.com.br/financas/pessoais/previdencia-parmais/ ou agende uma conversa com um de nossos especialistas no link https://www.parmais.com.br/agendamento/
      Sucesso!

  2. Bom dia, então se contratei um título de capitalização pagamento único 1.000,00(hum mil reais)11/03/2016 por 36 meses,a reserva de capitalização sendo constituída por um percentual do pagamento único, de 83,564%, atualizada mensalmente na data de aniversário, pela taxa de remuneração básica aplicada a caderneta de poupança da data de aniversário e capitalizada a taxa de 0,50% a.m.. Geraria que rendimento aplicada a nova regra da tr?

    1. Zenóbio, boa tarde!
      Retiramos a resposta ao seu questionamento de um artigo do nosso site.
      Caso queira ler o artigo na íntegra, basta acessar este link:
      https://www.parmais.com.br/blog/5-motivos-para-nao-comprar-um-titulo-de-capitalizacao/
      O título de capitalização normalmente é vendido com a rentabilidade de 0,5% mais taxa TR ao mês, “sendo a mesma que a poupança”, no entanto não é bem assim. Esses juros rentabilizam só uma parte do valor que você aplicou, a outra parte é destinado para administração da capitalização e para compra dos prêmios. Portanto não é toda sua aplicação que rentabiliza “igual a poupança”.
      Além do mais a rentabilidade da poupança muitas vezes fica abaixo da inflação, o que significa que o seu dinheiro não terá o mesmo poder de compra que você tem hoje no momento do resgate. Teoricamente se você compra determinado produto com esse dinheiro hoje, não conseguirá comprar no final do período da sua capitalização.
      Qualquer dúvida estamos à disposição.

  3. Excelente Explicação. De forma bem didática e traduziram muito bem o “economês” para o “português brasileiro”. Assim todos entendem e entenderão… Parabens.. !!!

    1. Miltonnelles, boa tarde!
      Nós é que agradecemos por você ser nosso leitor. Um grande incentivo para todo o Time Par Mais.
      Sucesso!

  4. Até hoje só ouvia falar de tr, essas explicações me deram noções da economia brasileira.

Últimas publicações