O que é taxa SELIC?

  • 24/02/2017
O que é taxa SELIC?

No dia a dia é muito comum nos depararmos com alguns conceitos econômicos, como inflação, poupança, investimentos, gastos do governo, importação, exportação, entre outros. Esses conceitos já fazem parte do nosso vocabulário e entendemos, com certa facilidade, cada um deles. Mas, há um outro termo que, volta e meia, é noticiado e nem todos sabem o seu significado: a taxa SELIC. Entenda nesse artigo o que é taxa SELIC e quais são seus impactos na economia brasileira.

A taxa SELIC é tão importante que, por incrível que pareça, todos aqueles conceitos citados acima são diretamente impactados por ela. Por isso, é fundamental termos o conhecimento sobre o que é a taxa SELIC e sabermos como ela impacta nossas vidas, em especial, para não sermos negativamente afetados por ela.

O que é taxa SELIC?

A taxa SELIC é a taxa básica de juros da economia brasileira, ela regula todos os juros praticados pelo mercado, tanto para investimentos quanto para financiamentos, sua meta é definida pelo COPOM, em reuniões a cada 45 dias, sendo peça chave no controle da inflação.

O COPOM é o Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil, composto por 8 membros, mais o presidente do Banco Central, o qual tem o voto final na definição da meta da taxa SELIC em caso de empate. As reuniões ocorrem sempre às quartas feiras. Na quinta feira seguinte à reunião a ata é publicada para o mercado e, por meio dos votos dos conselheiros, os analistas financeiros podem traçar projeções de cenários futuros de variação da taxa, seja para mais, seja para menos.

SELIC é a sigla de “Sistema Especial de Liquidação e Custódia”. É neste sistema que são gerenciados os títulos públicos federais – os títulos da dívida do Brasil.

A taxa SELIC é a “taxa básica”, pois corresponde aos juros pagos pelo governo na captação de recursos junto ao mercado para o financiamento público via venda de títulos públicos, que tem seu retorno baseado na SELIC e correspondem aos produtos financeiros com menor risco de crédito, ou seja, com a menor possibilidade do investidor não receber de volta o valor investido.

Quer saber mais sobre títulos públicos? Conheça nosso “Infográfico de títulos públicos”.

Se o título público corresponde ao produto com menor risco, então um banco deve pagar um juros maior para que alguém invista nele, uma vez que o risco é maior, certo? Certo. Saiba que produtos financeiros de renda fixa são diretamente afetados pela taxa SELIC. Se for um produto pré fixado, a taxa vai considerar as expectativas da variação da taxa SELIC no futuro. Se for um produto pós fixado, a rentabilidade vai acompanhar a variação da taxa SELIC ao longo do tempo.

Esse ponto é importante: Se você tem rendimento menor do que a taxa SELIC anual com seus investimentos de renda fixa, então você deve rever sua carteira e realocar seus recursos.

Mas, e se você precisa de um financiamento? A Taxa SELIC, igualmente, tem influência direta. Imagine que você seja gerente de um banco e na hora de conceder um empréstimo você pensa: posso emprestar dinheiro para o governo que vai pagar SELIC ou posso emprestar para outro agente econômico, mas que não tem a mesma solidez e talvez não pague corretamente o empréstimo. Então, em razão do risco, o banco empresta com uma taxa maior. Essa taxa corresponde à SELIC mais o chamado spread bancário.

Resumindo: quanto maior for a SELIC, maior tende a ser a remuneração dos seus produtos de renda fixa. Da mesma forma, quanto maior a SELIC, maior o seu custo empréstimos e financiamentos. O inverso também é verdadeiro.

Quanto está a Taxa Selic hoje?

A taxa selic está em 11,25% ao ano.

Quais os impactos da taxa SELIC na economia brasileira?

#1. Impacto da taxa SELIC na inflação e no consumo

O governo pode usar vários instrumentos para controlar a inflação. Mas, alterar a taxa SELIC é um dos instrumentos de política monetária com resultados mais rápidos. Vivenciamos esse ciclo no ano de 2015 e 2016 no Brasil, com sucessivos aumentos da taxa para combater a inflação. A lógica é simples: Com taxas de juros mais altas, o custo do crédito é maior, inibindo a intenção de compra parcelada pelo consumidor, pois o custo se torna mais elevado, freando o consumo e , consequentemente, a inflação.

Da mesma forma, investir se torna mais atrativo em razão do melhor retorno, inibindo novamente o consumo, em detrimento do maior ganho com os investimentos. No caso de empresas, a lógica é a mesma: crédito mais caro torna mais elevado o custo com expansões ou modernizações das empresas, reduzindo  o consumo pelas empresas. Igualmente, em razão do melhor retorno dos investimentos financeiros, com baixo risco, as empresas optam por segurar projetos ao invés de investir e correr riscos.

#2. Impacto da taxa SELIC no câmbio, importações, exportações e turismo

Agora imagine que você é um investidor estrangeiro, que realiza investimentos em diversas partes do mundo. Um aumento na taxa SELIC tende a elevar a atratividade de investimentos no Brasil. Neste sentido, os investidores estrangeiros sentem-se mais propensos a investir no Brasil.

Mas, para investir no Brasil, esses investidores devem mandar dólar, converter em reais e somente depois investir. Neste sentido, há um grande fluxo de dólares para o país, com uma tendência clara de redução da taxa de câmbio.

O efeito da taxa SELIC no câmbio, por sua vez, tem impacto direto em outros campos da economia. A redução da taxa de câmbio afeta as exportações e favorece as importações, tornando mais acessíveis a compra de produtos importados.

Da mesma forma, uma taxa de câmbio menor favorece o turismo para fora do Brasil, tornando mais acessível destinos que costumam ter um custo mais elevado. Mas, torna mais caro fazer turismo no Brasil.

#3. O impacto da taxa SELIC na bolsa de valores

O mercado financeiro é composto, de uma maneira geral, por ativos de renda fixa e renda variável. Como vimos acima, os ativos de renda fixa tendem a ter seus retornos diretamente impactados por variações da taxa SELIC.

No caso da bolsa de valores, que faz parte do mercado de renda variável, o impacto é indireto. Esse impacto está relacionado, inicialmente, ao risco que o investidor corre. Se os produtos de renda fixa tem alto rendimento, por que o investidor iria se aventurar no mercado de renda variável? Nesse caso seria preferível investir em renda fixa, com risco bem controlado e, mesmo assim, ter excelente rendimentos.

Por outro lado, como as ações estão associadas ao desempenho das empresas. As variações da taxa de juros, além de impactar o consumo, também tem consequências da captação de dinheiro. Isso impacta diretamente o desempenho das empresas  e, consequentemente, a lucratividade e o valor de mercado delas. Então, em cenários de juros altos, além de obter alto rendimento em produtos de renda fixa, o investidor também corre maior risco no mercado de renda variável, comprometendo os ganhos obtidos na bolsa de valores.

Quer saber mais sobre o mercado financeiro? Conheça nosso eBook “Entenda que é o mercado financeiro?

Conclusão: O que é taxa SELIC?

A taxa SELIC é a taxa básica e, por meio dela, todos os agentes econômicos tomam suas decisões de consumo e investimentos, afetando diretamente nossa vida, além de ser um importante instrumento de controle da inflação.

Tão importante quanto a SELIC é o nosso conhecimento sobre os impactos dela em nossas vidas, pois alterações da taxa SELIC podem impactar diretamente nossa vida.

Já pensou se você está se planejamento para comprar um imóvel nos próximos anos, com parte dele financiado, e haja um aumento da taxa SELIC?

Ou, já pensou em poder comprar aquele tão sonhado carro importado por um preço próximo a de um carro nacional em razão da queda do dólar?

Todos esses eventos sofrem grande influência da taxa SELIC, sendo fundamental conhecer seu funcionamento na hora de elaborar projetos de médio e longo prazo.

Resumo
O que é taxa SELIC? A taxa mais importante da economia brasileira
Nome do artigo
O que é taxa SELIC? A taxa mais importante da economia brasileira
Descrição
Entenda o que é taxa SELIC, a taxa básica de juros da economia brasileira, que regula todos os juros praticados pelo mercado.
Autor
Nome do editor
Par Mais

Deixe um comentário

 
    • João Fernandes
    • 10/06/2017
    Responder

    Parabens ao autor.Muito bem escrito , didático e critico também.É um texto educativo acessivel para todos mesmo para quem nunca investiu.

    • Vitor C Rezende Júnior
    • 27/02/2017
    Responder

    Direto e objetivo!! Ótima matéria!!!!!

      • Par Mais
      • 27/04/2017
      Responder

      Vitor Rezende, obrigado por acompanhar nossos materiais e que bom que gostou do artigo.