Como a taxa Selic baixa afeta o rendimento dos investimentos?

  • 29/06/2020
Página inicial - Investimentos - Como a taxa Selic baixa afeta o rendimento dos investimentos?

As constantes reduções da taxa Selic afetam o rendimento de diversos investimentos, pois ela é referência para muitos deles e também é usada pelo Banco Central como instrumento para controlar a inflação.

Com a Selic baixa, investimentos como a poupança ou ativos de renda fixa, acabam tendo menor rentabilidade.

Para ficar mais claro, vamos explicar neste artigo a relação entre a taxa Selic e o CDI, quais os efeitos da inflação e dos juros baixos no nosso dia a dia e em investimentos como a poupança e os fundos DI.

Taxa Selic e CDI

De maneira simplificada, o CDI (Certificado de Depósito Interbancário) é a taxa de juros que um banco cobra do outro quando empresta dinheiro e seu valor é praticamente igual à taxa Selic. Ou seja, os bancos cobram uns dos outros o equivalente a taxa básica da economia.

Por ter essas características, o CDI foi nacionalmente convencionado como uma referência (benchmark) para comparar o rendimento de investimentos em geral e para calcular a rentabilidade de títulos de renda fixa.

Você já pode ter ouvido alguém falar “meu investimento rendeu 110% do CDI nos últimos 12 meses”.

Mas o que isso quer dizer na prática?

Quer dizer que, considerando um CDI de 2,25% ao ano, o investimento rendeu:

Rendimento no ano = 110% x 2,25% = 2,48%
Ou seja, R$100.000,00 aplicados neste investimento em janeiro, seriam R$102.475,00 em dezembro.

Efeitos da inflação

A inflação nada mais é do que o aumento contínuo e generalizado dos preços dos produtos em uma economia. Ou seja, se os preços sobem de forma consistente, você terá que pagar mais caro para comprar a mesma quantidade de coisas, pois seu dinheiro perde valor.

Imagine, por exemplo, que entre os seus objetivos mensais, está encher o tanque do seu carro (de 50 litros de gasolina) uma vez por mês.

  • Em 05/01/2013, a gasolina custava R$ 2,76 por litro. Ou seja, tanque cheio = R$138,00
  • Em 05/01/2020, o preço era R$ 4,57 por litro. Ou seja, tanque cheio = R$228,50

Veja que para atingir o mesmo objetivo (um tanque por mês) você precisaria de R$90,50 a mais por mês (em percentual, isso é 65,6%) do que precisava em janeiro de 2013.

Por isso, é importante considerar o aumento dos preços quando calculamos nossos objetivos financeiros e também considerar o efeito da inflação nos investimentos.

Poupança e queda da taxa Selic

Como a rentabilidade da poupança está ligada à Selic, ela também sente essa diminuição da taxa de juros. Isso acontece porque o rendimento da poupança é calculado da seguinte forma:

  • Se a Selic estiver acima de 8,5% ao ano, a poupança rende 0,5% ao mês, mais a taxa referencial (TR).
  • Se a Selic estiver igual ou abaixo de 8,5% ao ano, a parte fixa da remuneração da poupança deixa de ser 0,5% ao mês e passa a ser 70% da meta da taxa SELIC mais a TR.

Quanto menor o valor da taxa Selic, menor será o rendimento da poupança.

Considerando o cenário atual, com a taxa Selic de 2,25% e o rendimento da poupança sendo 70% deste valor, suponhamos que uma pessoa invista R$1.000 na poupança e deixe o dinheiro aplicado pelo período de um ano. Ao final dos 12 meses, o investidor terá a rentabilidade de aproximadamente R$15,00, totalizando R$1.015,00 no período.

A poupança e a inflação

Atualmente, o indicador oficial de inflação para o Brasil é o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). Ele é calculado mensalmente pelo IBGE e é com base nele que são estabelecidas as metas de inflação a serem cumpridas pelo Banco Central. A expectativa é medida pelo boletim Focus e a projeção da inflação para o final de 2020 é de 1,61%.

Como explicamos, a poupança rende atualmente 70% da Selic, que está em 2,25% ao ano, levando o rendimento a 0,18% ao mês. Desta forma, a poupança está com juros reais negativos, abaixo da inflação, com perda real.

Por exemplo, com a Selic em 3% ao ano, a poupança ainda tinha um ganho real de 0,12% ao ano. Porém, com a taxa em 2,25% ao ano, a perda real é de 0,02% ao ano.

Voltamos ao exemplo anterior: considerando os R$1.000 que foram investidos durante o período de 12 meses, a rentabilidade foi de aproximadamente R$15,00 e o investidor terminou o ano com R$1.015,00 na poupança. Porém, o que custava R$ 1.000,00 em janeiro estará custando em média R$ 1.016,10 (1,61% de inflação).

Conclusão: a cada R$ 1.000,00 investidos na poupança, o investidor perderá R$ 1,10 no seu poder de compra.

Fundos DI

Além da poupança, outros ativos também sentem impacto com a queda da Selic. É o caso dos Fundos DI, que investem no mínimo 95% em títulos públicos atrelados à Selic ou no CDI ou em títulos privados de baixo risco. Os 5% restantes podem ser investidos em títulos que seguem a legislação para fundos de curto prazo. São fundos que cobram taxa de administração e também são tributados pela tabela regressiva de IR.

Os Fundos DI basicamente não possuem diferenças de rentabilidade entre si, pois buscam alcançar o CDI. A principal diferença fica por conta da taxa de administração cobrada.

É comum encontrar fundos de investimentos de renda fixa nos bancos com altas taxas de administração (alguns chegam a cobrar até 2% ao ano!). Com o CDI abaixo de 2,25%, um fundo do banco que tenha ativos na carteira que rendam 100% do CDI e cobre taxa de administração de 2%, estará utilizando toda a rentabilidade do investidor para pagar a taxa de administração.

Para obter boa rentabilidade, os investidores precisam ficar muito mais atentos às taxas cobradas, buscar boas oportunidades e principalmente, alinhar a carteira de investimentos com os objetivos financeiros.

Para te ajudar a entender melhor como realmente funciona o rendimento dos seus investimentos, montamos o guia “Como analisar a rentabilidade dos seus investimentos”. Nele abordamos conceitos e criamos exemplos práticos para mostrar como cada um deles afeta os seus investimentos. Dessa forma, ficará mais fácil avaliar se o seu dinheiro está rendendo conforme esperado.

Gestão dos investimentos

Além de entender a rentabilidade, é necessário também acompanhar e fazer a gestão dos seus investimentos. Saber diversificar os tipos de investimentos de forma inteligente e avaliar o risco e retorno de cada carteira é primordial. Você pode fazer a gestão dos seus investimentos sozinho, ou contar com o auxílio de profissionais qualificados, como a ParMais, ou outros gestores, consultores CVM ou CFPs, que irão te ajudar a pensar em estratégias de acordo com o seu perfil de risco e objetivos financeiros, além de te ajudar a tomar as melhores decisões.

Conclusão

A taxa Selic afeta diretamente o rendimentos de diversos investimentos, principalmente os de renda fixa.

Com a taxa Selic a 2,25% ao ano, os investimentos de renda fixa (como poupança e fundos DI) passam a render menos e, dependendo da taxa de administração cobrada, podem apresentar prejuízo ao investidor.

Para evitar perdas com a queda da Selic, é essencial entender os indicadores e as taxas cobradas, estar atento ao cenário econômico e saber como cada um desses fatores afeta os seus investimentos.

Além disso, contar com a ajuda de profissionais qualificados para diversificar a sua carteira de investimentos e pensar em estratégias de acordo com o seu perfil de investidor vai te auxiliar a tomar as melhores decisões e ajudar a rentabilizar a sua carteira de acordo com seus objetivos financeiros.

Deixe seu comentário

Comentário(s): 0

Últimas publicações