Armadilhas dos bancos

  • 22/09/2017

Por que os bancos ainda conseguem vender péssimos ”investimentos”?

Aqui na Par Mais temos como missão informar sobre as alternativas de investimentos disponíveis no mercado para que todos possam livremente escolher.  Também alertamos sobre a postura dos bancos que muitas vezes tentam empurrar aos seus clientes investimentos caros e desalinhados, não levando em consideração as particularidades do cliente.  Esses produtos são mais vantajosos ao próprio banco do que ao investidor.

A dúvida que fica é, como os brasileiros ainda caem nas armadilhas dos bancos? Como os bancos conseguem vender esses produtos e porque os clientes recorrem a eles?

Acomodação do Investidor

O brasileiro se acostumou a tratar de dinheiro com os bancos. É no banco que se recebe o salário e se paga as contas. Além disso, até bem pouco tempo os bancos mantinham atendimentos personalizados com gerentes que, muitas vezes, se tornavam amigos e sempre aconselhavam na hora de investir. Os bancos se aproveitaram disso e viraram verdadeiras lojas de produtos financeiros vendendo seguros, capitalizações e previdência. Como as pessoas não costumam comparar esse tipo de produto e confiam no banco, acabam pagando as altas taxas cobradas ou adquirindo produtos que não são adequados ao seu perfil.

Medo do Mercado Financeiro

Uma das principais razões para isso é o medo do mercado financeiro. Justamente por não terem familiaridade com o mercado nem tempo para acompanhá-lo, a maioria das pessoas acha que mercado financeiro é sinônimo de risco e banco sinônimo de segurança – o que de fato não é verdade. Todo mundo sabe que a poupança tem a garantia do FGC (Fundo Garantidor de Crédito), que protege os investidores caso o banco quebre, no entanto existem outros produtos, como por exemplo os CDBs (Certificado de Depósito Bancário), LCIs (Letra de Crédito Imobiliário) e LCAs (Letra de Crédito do Agronegócio) que são emitidos pelos mesmos bancos e muitas vezes tem rentabilidades melhores. E mais, CDBs, LCIs e LCAs de bancos menores têm rendimentos muito melhores e possuem a mesma cobertura que os dos grandes bancos.

Desinformação por parte dos bancos

Cada pessoa tem a sua área de especialidade e sabe como é complicado conversar sobre um assunto que não tem domínio. É como quando se conversa com um médico sobre uma determinada doença ou com um advogado sobre leis. O mesmo acontece com o gerente do banco, já que ele tem a vivência no assunto é difícil conversar em pé de igualdade com ele. Isso somado ao desalinhamento de interesse: o seu interesse é o melhor rendimento com o menor risco, o dele é obter a melhor comissão possível na venda do produto que dê mais lucro ao banco) pode levar a uma decisão equivocada na hora de investir.  Para quem vai mexer no dinheiro em menos de 6 meses, por exemplo, um fundo de investimento em Renda Fixa com mais de 0,70% ao mês de taxa de administração já não faria sentido, pois com a queda na taxa Selic para o patamar de 7,25% ao ano e somado o Imposto de Renda a ser pago, esse fundo renderia menos que a caderneta de poupança, que é isenta.

Má avaliação dos riscos e custo de oportunidade

Outra questão que atrapalha é a má avaliação dos riscos e o custo de oportunidade. Muitos fundos de investimento em Renda Fixa têm sua rentabilidade atrelada ao CDI. Eles levam essa classificação no próprio nome, no qual deve conter “Referenciado DI”. O Bradesco Hiperfundo é um fundo desse tipo, do qual já falamos nesse vídeo. No ano até o final do mês de agosto ele rendeu 4,62% e os cotistas do fundo concorrem a sorteios de carros como o Jeep Renegade e Ford Focus. Apesar disso, esse é um dos fundos com a maior taxa de administração do mercado, cobrando 3,9% ao ano de taxas. Isso faz com que ele renda muito menos que outros fundos que possui o mesmo risco, mas com taxas de administração menor. Para efeito de comparação, caso você deixasse R$ 50.000,00 em um fundo que rendesse 100% do CDI você teria, só em 2017, cerca de R$1.370,00 a mais do que se deixasse no Hiperfundo. O sorteio é um atrativo, mas como esse fundo tem um patrimônio enorme, você terá que concorrer com os outros 304.000 cotistas.

Conclusão

A conclusão disso tudo é que a primeira opção que o seu gerente de banco fornecer pode não ser a melhor opção, portanto é importante ficar atento aos detalhes e letras miúdas, ou ter um especialista e investimentos que te ajude a escapar das armadilhas.

Resumo
Armadilha dos bancos
Nome do artigo
Armadilha dos bancos
Descrição
Como os brasileiros ainda caem nas armadilhas dos bancos? Como os bancos conseguem vender esses produtos ruins?
Autor
Nome do editor
Par Mais

Deixe um comentário

    • Sheila
    • 23/09/2017
    Responder

    Informações valiosas para uma leiga!