• 02/08/2018

Os melhores fundos de investimento de 2018: conheça o ranking do 1º semestre

melhores fundos de investimento de 2018

Este artigo mostra os melhores fundos de investimento de 2018, levando em conta dados até o fim do primeiro semestre. Os melhores fundos foram selecionados a partir da base que estão no radar de avaliação da Par Mais. Diversos critérios são levados em conta e avaliados pelo nosso time de especialistas – como o patrimônio, volatilidade, estratégia de investimento, e até mesmo currículo e experiência dos gestores envolvidos.

A economia brasileira no primeiro semestre de 2018

Tivemos um início de ano bastante positivo, com os investidores animados com o desempenho da economia, o que levou a bolsa a bater sua máxima histórica em 26 de fevereiro aos 87.652 pontos. Já a partir de março o humor começou a ser alterado, especialmente devido a notícias que vinham dos Estados Unidos, com o presidente norte americano uma série de medidas de proteção comercial.

A partir daí, iniciou-se a volatilidade que era esperada para a metade do ano, por conta da eleição presidencial. E essa volatilidade acabou sendo agravada a partir de maio, com uma comunicação confusa do Banco Central com relação a SELIC na reunião do início do mês – o mercado esperava a continuidade da queda e, após algumas “idas e vindas” o Banco Central decidiu manter a taxa inalterada.

Em seguida veio a greve dos caminhoneiros que paralisou o país, escancarando uma situação fiscal bastante ruim e causando pessimismo no mercado, piorando ainda mais a já combalida situação política do país e aumentando ainda mais a pressão sobre o próximo governo em relação à necessidade de reformas. E para completar o fatídico mês de maio, o presidente da Petrobrás, Pedro Parente, deixou o comando da empresa – pondo em xeque a independência de gestão que vinha sendo pregada nas estatais.

Os melhores fundos de investimento no primeiro semestre de 2018

Visto esse cenário preparamos uma lista com os melhores fundos de investimentos do primeiro semestre de 2018, selecionados a partir da base de fundos que estão no radar de avaliação da Par Mais.

Foram escolhidos os fundos, respeitando os seguintes critérios:

  • Fundos com PL (patrimônio líquido), superior a R$ 50 milhões;
  • Apenas fundos não exclusivos;
  • Fundos “master” foram desconsiderados, ou seja, fundos que somente recebem investimentos de outros fundos de investimentos foram deixados de lado;
  • Foram levados em conta apenas fundos que não são destinados a investidores qualificados;
  • A aplicação mínima inicial é menor ou igual a R$ 100.000;
  • Foram escolhidos os três fundos com maior retorno em 2018 por classe.

O motivo de realizarmos essas restrições justifica-se pelo fato de que não faz sentido apresentarmos fundos que não são acessíveis ao investidor pessoa física, por isso foram retirados fundos exclusivos, destinados a investidores qualificados ou que possuem aplicação mínima inicial muito elevada, por exemplo.

Após um esse filtro inicial, listamos os melhores fundos de investimento em termos de risco/retorno, classificando os pelas seguintes categorias: renda fixa pós fixada; multimercado e ações.

De forma simplificada, segue um resumo da composição da carteira de cada um desses fundos de investimento:

  • Fundo de ações: deve ter, ao menos, 67% de seu patrimônio aplicado em ações, bônus de subscrição, certificados de depósitos de ações, cotas de fundos de ações e de fundos de índices e BDRs níveis II e III;
  • Fundo multimercado: aqui não há uma regra definida, mesmo porquê o gestor tem liberdade para investir em vários ativos na carteira, como renda fixa, câmbio, ações, derivativos, etc;
  • Fundo de renda fixa: no mínimo 80% da carteira em ativos relacionados à variação da taxa de juros, de índice de preços ou ambos.

Melhores fundos de renda fixa pós-fixada de 2018

O primeiro semestre de 2018 foi marcado principalmente pela queda da Selic, o que “achatou” os rendimentos de renda fixa. Esse movimento fez com que as taxas de títulos privados sofressem remarcação nos administradores afetando boa parte do ganho dos fundos. Mesmo assim alguns fundos de renda fixam conseguiram se aproveitar do momento, seja por um hedge da carteira de títulos bem feito, seja pelo timing de compra, conseguindo render acima do CDI no semestre.

Fundo Retorno nominal Retorno % CDI Vol 12M Sharpe 12M Liquidez Aplic. Mínima (R$) Patrimônio (milhões R$)
AZ QUEST ALTRO FIC FIM CRÉDITO 3,69% 116,25% 0,1792% 5,0258 D+45 10.000 1.289.040
SELECT LIGHT RENDA FIXA CRÉDITO 3,58% 112,65% 0,1992% 5,2135 D+30 25.000 112.320
SPARTA TOP FIC RENDA FIXA CRÉDITO 3,58% 112,63% 0,1400% 6,2395 D+32 5.000 2.954.550

AZ Quest Altro FIC FIM Crédito

Fundo de renda fixa com elevada exposição em títulos privados, porém com ótima gestão de risco. Investe também em títulos públicos, títulos de instituições financeiras de grande e médio porte e direito creditórios – com certa exposição. Rentabilidade consideravelmente acima do CDI.

Select Light Renda Fixa Crédito

Fundo de renda fixa com exposição a títulos corporativos e de instituições financeiras de médio porte. Rentabilidade consideravelmente acima do CDI. Apesar de ter pouco histórico, segue a expertise da casa em crédito privado.

Sparta Top FIC Renda Fixa Crédito

Fundo de renda fixa com carteira composta por títulos corporativos e Direitos Creditórios, com grande pulverização. A performance histórica supera o CDI e possui baixa taxa de administração.

Melhores fundos multimercado de 2018

O primeiro semestre de 2018 foi bastante desafiador para esse segmento de fundos de investimentos por conta da volatilidade apresentada nas mais diversas classes de ativos, tanto no Brasil como no exterior. Portanto, os resultados dos fundos multimercado foram bastante dispersos. Se destacaram os gestores que conseguiram ser mais eficientes tanto no cenário interno quanto no externo.

Fundo Retorno nominal Retorno % CDI Vol 12M Sharpe 12M Liquidez Aplic. Mínima (R$) Patrimônio (milhões R$)
KAPITALO KAPPA 9,58% 301,59% 4,2617% 2,3598 D+31 50.000 1.763.320
SPX NIMITZ FIC FIM 7,63% 240,31% 4,4243% 1,9858 D+61 50.000 3.177.630
AZ QUEST TOTAL RETURN 6,88% 216,56% 3,7286% 2,2415 D+30 5.000 799.360

Kapitalo Kappa

Fundo Multimercado Macro que investe nos mercados de ações, juros e dívida externa. Se utiliza de arbitragem, hedge e operações estruturadas em derivativos. Desempenho acima do CDI. Fundo possui alta volatilidade, com uma ótima gestão de risco. Taxa de administração elevada.

SPX Nimitz FIC FIM

Fundo Multimercado Macro cuja política de investimento envolve estratégias globais, principalmente, nos mercados de juros, índices de preços, taxas de câmbio, commodities e ações, tanto no mercado à vista quanto por derivativos.

AZ Quest Total Return

Fundo Long Short, que busca auferir ganhos com operações compradas e vendidas no mercado de ações, porém sem exposição direcional em bolsa. Fundo de média volatilidade e ótima rentabilidade histórica. Tributação de FIA.

Melhores fundos de ações de 2018

A Ibovespa terminou esse primeiro semestre do ano aos 72.762 e acumulando uma queda de 4,76% no ano. Os fundos que se destacaram no período foram dos gestores que utilizam a análise fundamentalista para a tomada de decisão, e conseguiram apostar nos setores certos nesse primeiro semestre.

Fundo Retorno nominal Excesso de retorno sobre o Ibov Vol 12M Sharpe 12M Liquidez Aplic. Mínima (R$) Patrimônio (milhões R$)
TRUXT I LONG BIAS 9,31% 14,08% 9,4383% 2,1459 D+33 50.000 462.190
AZ QUEST SMALL CAPS 3,61% 8,38% 16,8293% 1,5264 D+30 10.000 599.560
IP PARTICIPAÇÕES AÇÕES BDR NÍVEL I 0,39% 5,15% 6,9444% -0,0957 D+91 100.000 318.210

Truxt I Long Bias

Fundo de ações, apesar da classificação como multimercado, com balanceamento da carteira de acordo com a percepção do gestor. Estratégia long biased. Possui uma volatilidade elevada.

AZ Quest Small Caps

Fundo de ações com foco em empresas pequenas e médias. Essas ações possuem menor liquidez, maior risco, mas maior possibilidade de ganhos. É um fundo com elevada volatilidade, mas com ótima perfomance histórica.

IP Participações Ações BDR Nível I

Fundo de ações Long Only que investe tanto em empresas brasileiras quanto estrangeiras, sempre com um horizonte de investimento de longo prazo, possuindo um viés fundamentalista. Taxa de administração média, levando em conta a classe do fundo. Média volatilidade. A médio e longo prazo apresenta bom desempenho em relação ao CDI.

Conclusão

Este artigo listou os melhores fundos de investimentos de 2018, considerando dados do primeiro semestre. Classificamos os fundos em 3 categorias: fundos de renda fixa, fundos multimercado e fundos de ações. Com exceção de um fundo da lista, todos os outros apresentaram retorno superior ao CDI, e todos superaram o IBOVESPA.

Vale lembrar que investir em fundos é uma forma de ter acesso a diversos ativos, beneficiando-se da diversificação, mesmo sem precisar desembolsar valores elevados. Este artigo, por exemplo, mostrou fundos com excelente performance e aplicação mínima inicial com valores acessíveis ao pequeno e médio investidor.

Por fim, outro ponto importante é a alocação dos ativos. Apesar dos fundos de investimento aplicarem em diversos produtos financeiros, eles são categorizados em classes. Por isso o investidor precisa diversificar sua carteira entre fundos de investimento de classes diferentes.

 

Onde você está, aonde quer chegar?
Nossa função é tornar sua jornada mais rápida e mais rentável. Escolhemos com você os investimentos que precisa, alinhados às suas necessidades. Clique aqui.

Resumo
Os melhores fundos de investimento de 2018: conheça o ranking do 1º semestre
Nome do artigo
Os melhores fundos de investimento de 2018: conheça o ranking do 1º semestre
Descrição
Conheça o ranking do 1º semestre dos fundos de Ações, Multimercado e Renda Fixa, com PL superiores a R$ 50 milhões, que não sejam fundos exclusivos e fundos “máster”, fundos que não são destinados a investidores qualificados e que tenham aplicação mínima inicial é menor ou igual a R$ 100 mil.
Autor
Nome do editor
Par Mais

CATEGORIAS BLOG

CATEGORIAS BLOG

Deixe seu comentário