Orçamento anual: o que é e como fazer?

  • 06/04/2021
Página inicial - Vida financeira - Orçamento anual: o que é e como fazer?

O orçamento anual consiste em fazer o planejamento das suas finanças, criando um retrato fiel da sua situação atual e realizando ajustes para que o orçamento esteja alinhado aos objetivos e momento de vida.

Neste artigo, vamos dar dicas para fazer o orçamento anual de acordo com suas necessidades e objetivos.

O que é um orçamento anual?

O orçamento anual permite um planejamento das suas finanças e expõe a sua situação financeira atual, mostrando suas rendas e despesas ao longo dos meses.

Fazendo esse controle, é possível manter as finanças organizadas e ter uma boa noção da sua realidade de consumo.

Nesta edição #3 da newsletter Papel e Caneta, nosso sócio Jailon Giacomelli, CFP®, escreve sobre um caso prático da realização de um orçamento com objetivos.

Primeiros passos para iniciar o orçamento anual

Antes de iniciar, sugerimos escolher a forma de acompanhamento. Algumas pessoas preferem uma planilha, outras um aplicativo e têm aquelas que preferem o bom e velho caderno.

A resposta de qual opção é a melhor vai depender de qual você terá maior consistência no uso e que será mais prática para seu dia a dia.

E como fazer para calcular?

Depois que escolher a ferramenta que irá utilizar para conduzir o seu orçamento, separe os dois últimos extratos das contas correntes e dos cartões de crédito, pois serão muito úteis.

Estes extratos darão o ponto de partida e, ao saber onde você está, ficará mais fácil definir a melhor rota a seguir.

Aqui na ParMais, utilizamos uma planilha onde sugerimos colocar uma média mensal. A planilha possui diversas despesas divididas por categorias, para que nada fique fora do seu orçamento.

Rendas

A primeira parte trata-se das rendas: salário, distribuição de lucro, aluguéis, rendimentos de aplicações financeiras, restituição do IR, etc.

Para quem é autônomo, a média dos últimos meses ajudará a projetar as receitas do próximo ano.

Despesas

Na segunda parte, temos as despesas, que são divididas em “despesas rotineiras” e “despesas eventuais”.

As despesas rotineiras são aquelas despesas do seu dia a dia. Veja como mensurar estes custos:

Despesas com a casa

IPTU, condomínio, luz, água… Algumas despesas são mais fáceis de calcular e é possível usar uma média do ano anterior. Caso não tenha, pode usar uma média das duas últimas faturas.

Porém, outras despesas – como reparos e serviços – são mais difíceis, pois estamos suscetíveis a imprevistos. Para não ficar sem uma direção, tente lembrar quanto você gastou na última vez que teve este tipo de despesa. Outra opção neste caso é ter o seguro residencial, pois muitas seguradoras cobrem este tipo de imprevisto.

Despesa com alimentação

Supermercado, padaria, restaurante do dia a dia… Aqui temos um grande vilão, pois principalmente no delivery, as pessoas tendem a pedir comida e debitar direto do cartão de crédito. Muitas vezes, a conta só é percebida na hora que chega a fatura.

Neste caso, sugerimos definir um valor específico e conforme for consumindo, debitar deste valor.

Uma das formas de calcular é fazendo o seguinte exercício: calcule a média do valor gasto x quantidade de vezes por semana x 4 (semanas do mês).

Despesas com saúde

Plano de saúde/seguro saúde, farmácia, terapia, academia… Não diferente de outros custos, aqui você também poderá usar a média de outros meses. Para quem não possui plano de saúde ou seguro, o ideal é fazer uma reserva de emergência. Mas como saber o valor que devo reservar mensalmente?

Uma opção é pensar na última vez que precisou utilizar esse tipo de serviço. Algumas pessoas acham caro o plano de saúde e sempre pensam em consultas ou exames, mas quando se trata de saúde, devemos pensar em custos maiores, como cirurgias e internações. Para quem não possui, vale fazer uma cotação.

Você conhece todos os tipos de seguros? Existem vários no mercado e criamos este Guia para você escolher o que faz mais sentido para o seu caso

Despesas com transporte

Combustível, manutenção, multas, Uber, estacionamento, lavação… Alguns destes itens podem ser calculados pela quantidade de vezes que você utiliza no mês, como é o caso da lavação e estacionamento. Já outras despesas, como combustível, é possível fazer uma média entre o trajeto que utiliza no dia a dia.

Saiba mais: Carro próprio ou Apps de Transporte – O que é melhor para o seu bolso?

Despesas com roupa e estética

Roupas, acessórios, salão de beleza, estética… Neste item acreditamos que a parte mais difícil para algumas pessoas seja o custo com roupas. Aqui, vale uma olhada no guarda-roupas antes de definir o valor. Já para salão de beleza e estética, você pode multiplicar o valor gasto pela quantidade de vezes que vai no mês.

Despesas com educação e formação

Escola, faculdade, cursos, livros… Geralmente no início do ano é quando as pessoas resolvem tirar os projetos do papel. Caso seu desejo seja fazer um novo curso, o ideal é fazer uma boa pesquisa. No caso de crianças em idade escolar, negociar com as escolas pode ser uma boa estratégia para diminuir o custo. Algumas chegam a dar 10% de desconto para pagamento à vista.

Despesas com lazer

Baladas, bares, netflix, pequenas viagens… Não diferente de outros custos, pode ser mensurado pela quantidade de vezes utilizados no mês ou no caso de pequenas viagens, ao ano. Neste ponto, algo que é preciso ter atenção é em relação às despesas com os aplicativos, pois muitas vezes as pessoas assinam e não utilizam, gerando gastos desnecessários.

Despesas financeiras

Tarifas, juros e encargos… Aqui é possível utilizar as últimas duas faturas da conta corrente e do cartão de crédito para projetar uma média destes custos anuais.

Despesas diversas

Animais de estimação, presentes, doações… Um exercício interessante de fazer é em relação às despesas com presentes. Sempre que tentamos chutar um valor para esta despesa, acabamos errando bastante, pois deixamos de considerar algumas datas e até mesmo aquele presente que damos para nós mesmos.

Para ter um valor bem próximo da realidade, pense primeiramente quais são as pessoas que você costuma presentear (pai, mãe, cônjuge, sogro, sogra, filho, afilhado…) e multiplique a quantidade de pessoas pela quantidade de datas comemorativas, como aniversário, dia das crianças, natal.

Despesas eventuais

Além das despesas rotineiras, é importante mensurar as despesas eventuais, como grandes festas, troca de veículo, reformas, grandes viagens…
Aqui, o ideal é pensar no custo anual e depois calcular a média mensal.

Um exemplo deste tipo de despesa é a troca de veículo. Se você costuma trocar de carro a cada cinco anos e o valor desembolsado é de R$50.000,00, o ideal é reservar R$10.000,00 a cada ano, ou seja, uma média mensal de R$833,33.

Reserva de emergência

Outro fator importante para considerar ao pensar no orçamento anual é a reserva de emergência. Por mais que você planeje e siga seu orçamento, imprevistos acontecem e, se você estiver com o orçamento muito justo, poderá ter que recorrer ao cheque especial ou uma linha de crédito.

Conclusão

O orçamento anual é o planejamento das suas rendas e despesas e ele expõe sua situação financeira atual, possibilitando ajustes no seu orçamento de acordo com seus objetivos e momento de vida.

É importante salientar que o orçamento anual não é “escrito em pedra”, então tudo bem se você precisar alterar caso surja algo que não estava programado, Para isso, basta rever algumas despesas e fazer o ajuste.

Tanto o orçamento quanto o acompanhamento trarão clareza da sua atual situação, facilidade no momento de decisão ou até mesmo, como mencionado anteriormente, tranquilidade em caso de imprevistos. Não deixe de fazer o seu!

Deixe seu comentário

Comentário(s): 0

Últimas publicações