O que é e como funciona o mercado de ações

  • 04/09/2020
Página inicial - Investimentos - O que é e como funciona o mercado de ações

Muitos consideram o mercado de ações como um “cassino”, um local de especulação ou um ambiente que constrói e destrói fortunas. Porém, ele tem uma função bem diferente.

Neste artigo, vamos explicar o que é o mercado de ações, seu objetivo, como ele funciona e como são realizadas as negociações na Bolsa de Valores.

O que é o mercado de ações?

Ações são definidas como as menores frações do capital social de uma empresa. Ao adquirirmos uma ação, nos tornamos sócios da companhia, obtendo direito a participar em distribuições de lucros e possivelmente poder de voto em assembleias.

O mercado de ações é um ambiente onde é possível negociar essas frações do patrimônio de empresas de capital aberto. A lógica é a mesma de compras comuns, onde a empresa tem o produto disponível e alguém compra este produto, no caso, as frações do patrimônio da empresa.

Como funcionam as operações?

Geralmente, as operações de compra e venda ocorrem em uma bolsa de valores ou em mercados de balcão. Para realizar essas operações na bolsa, é necessário ter uma conta em uma instituição financeira autorizada a operar no mercado e escolher a forma que prefere negociar.

Na bolsa de valores, uma opção é o home broker, que é um sistema oferecido pela instituição financeira que permite comprar e vender diretamente, em tempo real, qualquer tipo de ativo negociável na bolsa.
Outra opção é a mesa de operações, onde o investidor informa suas escolhas para algum operador da corretora e este é responsável por enviar as ordens de compra e venda de ações. Geralmente, a mesa de operações é restrita para clientes com rendas altas.

No mercado de balcão, as instituições unem as pessoas que pretendem comprar ativos com as pessoas que desejam vender ativos, operando e formalizando as negociações em câmaras de registro.

O objetivo do mercado de ações

O mercado de ações é responsável por aproximar as empresas que estão precisando de recursos daqueles que possuem dinheiro disponível e querem fazer aplicações.

O principal objetivo de grandes empresas ao abrirem seu capital a novos acionistas, diluindo a participação em lucros e decisões, é captar recursos que financiem algum ponto da sua estratégia de negócios.

Entre os inúmeros motivos pelos quais uma companhia realiza a emissão de novas ações, estão: reforçar as disponibilidades em tempos de crise, pagar dívidas que limitam o fluxo de caixa, realizar novos investimentos, comprar um concorrente e expandir sua capacidade produtiva.

IPOs, Ofertas primárias e secundárias

O mercado possui divisões com características distintas, como o IPO, a oferta primária e a oferta secundária.

Um IPO – Oferta Pública Inicial – ocorre quando uma empresa emite pela primeira vez ações para negociação em uma bolsa de valores. Nesse caso, a empresa conta com o auxílio de um ou mais bancos de investimento para prospectar interessados em seus papéis. Tanto investidores institucionais quanto pessoas físicas manifestam a quantidade e preço pelos quais gostariam de participar na oferta, em um processo chamado de bookbuilding, contrastando oferta e demanda para definir o preço ótimo antes da negociação no mercado secundário.

Na oferta primária ocorre a criação de um novo ativo financeiro. Neste caso, a empresa emite novas ações em troca de recursos de investidores em geral.

A oferta secundária é onde os ativos são negociados entre investidores e consiste na negociação de ações existentes, geralmente a venda de participações por parte de fundadores, sem captação para a empresa.

Em resumo, nas ofertas primárias os ativos financeiros são criados e nas secundárias eles são negociados. Ofertas primárias e secundárias podem ocorrer de forma conjunta ou separada.

Negociações em Bolsa

Após a realização do IPO, as trocas de ações são realizadas no mercado secundário em bolsa de valores, ambiente popularmente conhecido como o mercado de ações. Vendedores e compradores negociam suas posições em tempo real da abertura ao fechamento do mercado. É justamente por conta desse “conflito” entre forças de compra e forças de venda que vemos oscilações de preço e volatilidade.

Existem inúmeras abordagens e estratégias sobre a definição do preço de uma ação e qual a tomada de decisão mais acertada. Investidores fundamentalistas projetam fluxos de caixa e lucros futuros, trazendo-os a valor presente e calculando um “preço justo”. Se o preço justo é menor que o preço de mercado, temos uma oportunidade de compra. Já um preço justo maior do que o preço de mercado sinaliza uma oportunidade de venda, também conhecida como short, ou a possibilidade de ganhar com a queda da ação.

No outro extremo, temos analistas que buscam padrões no histórico de preços, partindo da ideia de que as informações relevantes para determinar as movimentações do mercado estão refletidas nos próprios gráficos.

A negociação pública de ações é uma batalha de percepções e expectativas. O preço de mercado é o resultado deste embate. Portanto, levar em consideração os diferentes métodos e tipos de análise é fundamental para investidores comuns e até mesmo para gestores de grandes fundos de ações.

Mercado de ações no Brasil

A B3, antiga Bovespa, é a bolsa de valores que abriga os papéis de empresas brasileiras. Localizada em São Paulo, ela é palco da negociação de índices, ações, opções, contratos futuros, commodities, títulos privados e custódia de títulos públicos. Em outros países, é comum a existência de diversas bolsas de valores, como nos EUA, por exemplo, com a NYSE – mais tradicional – a NASDAQ – voltada para empresas de tecnologia – e a CBOE, focada em opções. Até o ano 2000, em paralelo à bolsa de SP, operava a Bolsa de Valores do Rio de Janeiro (BVRJ), sendo posteriormente incorporada à BM&F (Bolsa de Mercadorias e Futuros), a qual é hoje parte da B3.

Mercado de Balcão

Além do modelo de negociação mais conhecido, existe a categoria chamada OTC – Over the Counter – ou Mercado de Balcão, onde a compra e venda de ações ocorre fora do ambiente de uma bolsa de valores, na modalidade organizada ou não-organizada. O mercado OTC é menos regulamentado e oferece oportunidades de captação de recursos para empresas menores do que aquelas listadas em uma bolsa de valores.

Conclusão

O mercado de ações é um ambiente onde é possível negociar frações do patrimônio de empresas de capital aberto. Geralmente, as negociações ocorrem em uma bolsa de valores ou em mercados de balcão.
Vários são os motivos pelos quais uma companhia realiza a emissão de novas ações e o mercado de ações é responsável por aproximar as empresas que estão precisando de recursos daqueles que possuem dinheiro disponível e querem fazer aplicações

Deixe seu comentário

Comentário(s): 0

Últimas publicações