Sua conta pessoal e a conta da sua empresa: pra você é uma só?

  • 26/01/2016
Página inicial - Empresas - Sua conta pessoal e a conta da sua empresa: pra você é uma só?

sua conta

Controlar as despesas da casa nem sempre é uma tarefa fácil para o casal e essa questão fica ainda mais complexa quando uma das pessoas, ou ambas, é proprietária de uma micro ou pequena empresa.

É muito comum misturar sua conta da pessoa física (PF) com a conta da pessoa jurídica (PJ).

A mistura entre elas é tão grande que, muitas vezes, a pessoa nem sabe mais diferenciar o que é gasto da empresa ou da casa e, normalmente, toda essa confusão acaba sobrando para o contador arrumar.

Esse é um ponto especial: A organização é simples e compensa o “esforço” necessário.

Cartão de crédito PJ e cartão de crédito PF

Se eu perguntar: quanto você recebeu da sua micro ou pequena empresa em novembro de 2015? Você consegue me responder? Você retirou o seu pró labore na data correta? Fez a transferência da conta PJ para a conta PF até o 5 dia útil? Quanto foi a distribuição de lucros?

Essas perguntas são básicas e, até certo ponto, simples de serem respondidas. Mas, normalmente, raros são os casos de empreendedores que tem isso claro.

Por que? Primeiro, o empreendedor mistura a sua conta PJ com a conta PF. Precisa pagar uma conta de cartão de crédito da PF, mas não tem dinheiro na conta? Então paga na conta da PJ, afinal, “é tudo a mesma coisa”, não é mesmo? Precisa comprar um equipamento para a PJ, mas está sem crédito? Fácil, então compra no cartão PF e, quando a conta chegar, a PJ paga tudo! Problema resolvido… como é simples.

O exemplo pode parecer confuso, e realmente é, pois é isso que acontece! Esse é um caso simples, existem os piores… os casos que a microempresa tem muitos recebimentos em dinheiro! Aqui, o problema é bem maior, pois a empresa não tem controle de quanto recebeu em dinheiro e, muito menos, quanto foi retirado do caixa para PF.

Portanto, neste primeiro ponto, é importante sua PJ ter uma conta corrente e um cartão de crédito exclusivos para despesas da empresa, e você ter sua própria conta PF e cartão de crédito.

Minha empresa está sem dinheiro

Sua empresa está passando por dificuldades, mas você não entende, certo? Todo mês você antecipa o cartão de crédito, troca cheques, entra no limite do capital de giro para pagar as contas da empresa. Mas, não faz muito sentido, pois sua empresa é rentável? Talvez, o problema não seja a saúde financeira da empresa, talvez o problema seja seu carro novo, sua casa nova, aquela viagem que você fez no ano passado e etc…

Lembre-se sempre que a empresa tem a folha de pagamento até o 5º dia útil, os impostos municipais, estaduais e federais entre o dia 10 e 20 de cada mês! Junto, muitas vezes, tem o financiamento do carro, da casa, a fatura do cartão de crédito e você não tem dúvidas: deixa atrasar o imposto, mas paga as contas da casa. Lembre-se sempre de que a operação precisa ser rentável e suas retiradas só devem ser feitas depois de apurados os lucros.

Quanto eu devo retirar por mês?

Ponto básico: você deve retirar da empresa o que ela faz de lucro e não o que você precisa para manter o seu padrão de vida. A sua empresa é seu ganha pão e retirar mais do que o possível é comprometer o seu negócio no longo prazo e, consequentemente, comprometer a sua única fonte de renda!

Ao planejar seu negócio, você deve ter elaborado uma previsão mensal de lucros, certo? Customize seu padrão de vida para o que sua empresa pode te proporcionar e só faça retiradas de acordo com o seu planejado e realizado. Lembre-se sempre de deixar uma reserva para investimentos necessários ao crescimento da sua empresa.

Realizamos o diagnóstico da empresa identificando os pontos fortes e fracos para prestar um serviço que vai fazer diferença e se pagar em pouco tempo.

Cuidado com o imposto de renda

Sempre que você fizer empréstimos (PF ou PJ), repasses ou captações de recursos, operações de troca de cheques, antecipações de cartões, retiradas mensais da empresa e etc. você deve declarar essas operações na contabilidade da PJ ou PF, ou seja, deve constar na declaração do imposto de renda.

Agora, você já pensou em fazer empréstimos para a PJ e, com esses recursos, pagar contas da PF, sem a devida comprovação fiscal? Sua empresa é deficitária, mas mesmo assim você distribui lucros (dinheiro de empréstimo)?

Ou, você paga contas da empresa com recursos próprios e não o devido registro? Como você espera comprovar para a receita o retorno desse capital para a PF?

Em ambos os casos, a receita pode entender como renda de outra atividade e tributar você de acordo com a tributação da PF (até 27,5%). Esse, no melhor dos casos, pois se você cair na malha você ainda pode ter que pagar uma multa de até 75% até 250%.

Se organize e tenha mais dinheiro

Organize-se. Se você não consegue ou não tem tempo para se organizar, é recomendável você procurar uma ajuda especializada, pois os custos da desorganização são altos, tanto em termos de qualidade de vida, pois você nunca sabe ao certo o que te espera no próximo mês, ou o custo financeiro também pode ser alto, pelos juros pagos nas antecipações de cartão de crédito, troca de cheques, juros do cheque especial, rotativo do cartão e, quando você menos esperar, de uma multa da receita federal.

Par Mais – 26.01.2016

Nossa função é tornar sua jornada mais rápida e mais rentável. Escolhemos com você os investimentos que precisa, alinhados às suas necessidades. Clique aqui.

Deixe seu comentário

Comentário(s): 87

       
  1. Esse é um de um monte de artigos, mas aqui no Brasil eu não consigo descobrir onde está a diferença entre o obrigatório e o recomendável.
    Sim, eu sou MEI, puramente digital, tudo vinculado a internet.
    Eu tenho uma conta PJ e cartão de débito nessa conta.
    Sim, eu pago por tudo dessa conta, através do cartão e pelo app. Não abro a conta PF, pq é caro.
    Qual problema isso pode gerar? Vou ser multado? Por qual tipo de crime?
    E caso dividir as contas seja meramente recomendável, então vale a pena marcar isso explicitamente. Nunca confundir a coisa que leva a multa (ou pior) com comportamento “correto”, “certo”, recomendável, razoável, etc.
    E quanto ao MEI, a situação fica ainda mais equivocada. O MEI não é obrigado a usar conta PJ nas suas atividades, então, como ele faz nesse caso para não confundir as contas? Não dá para não confundir. É a vida real.

    1. Jeru, boa tarde.

      Se sua preocupação é única e exclusivamente a punição por não separar contas PJ e PF, saiba que enquanto seu enquadramento for MEI você não corre risco fiscal grave. Mas cabe ressaltar que esse benefício é exclusivo para o MEI, assim como o mesmo não precisa ter contabilidade.
      Mas há notória diferença, e é essa a mensagem que nosso artigo quer trazer, entre a obrigação e uma boa prática, ou seja, aquilo que por experiência acreditamos ser o mais correto a se fazer independente do que está descrito na legislação. Nesse sentido, nossa recomendação e orientação é sim para separar a vida empresarial da vida pessoal. Há inúmeras instituições financeiras que hoje isentam tanto o MEI quanto a Pessoa Física de tarifas bancárias, a exemplo dos bancos digitais. Sendo assim, gerencialmente é melhor você separar as coisas para conseguir ter clareza do que é despesa da sua atividade profissional do que é despesa pessoal. Adicionalmente, acreditamos que essa é a melhor forma de se começar, pois o MEI é justamente um incentivo aos empreendedores que estão iniciando o seu negócio, pois tão logo você mude de tributação, indo para uma Microempresa (ME), você será obrigado a separar as conta correntes. Novamente, você está usufruindo atualmente de um benefício único e exclusivamente para MEI, mas se mudar de tributação você será obrigado a separar PJ e PF com risco de, se não o fizer, ser considerado todo e qualquer gasto na PJ como despesa pessoal e ser tributado com alíquota de 27,5% de imposto que é referente ao imposto PF, além da multa por estar irregular.
      Portanto, concluindo: sim, separe as contas PJ e PF desde já para começar a sua vida empresarial de forma mais correta, independente se o correto é unicamente legal ou gerencial.

      Sucesso!

  2. O dinheiro que a minha empresa ganha de lucro, já descontados todos os impostos pra pessoa jurídica (imposto de renda, etc.) Caso eu queira transferir esse dinheiro para a minha conta poupança pessoal, eu terei que pagar novamente o imposto de renda (pra pessoa física)?

    1. Julye, boa tarde.

      Se o lucro da sua empresa for transferido para pessoa física através da distribuição de lucros, não terá incidência do imposto de renda na pessoa física. Porém, o ideal é que seu contador faça este cálculo e identifique o valor correto que sua empresa poderá fazer de distribuição de lucros, para que não fique sem caixa/reserva.

      Sucesso!

  3. Tenho um MEI mas ainda não tenho máquina de cartão de crédito dele, tenho apenas da PF e durante o ano de 2020 movimentei 50.000 nessa máquina. E agora para declarar meu imposto de renda, posso informar que o faturamento é do MEI ou devo fazer o carnê leão retroativo?

    1. Tamires, boa tarde!

      Inicialmente é de extrema importância que você regularize o contrato da sua máquina de cartão para o seu MEI a fim de evitar quaisquer complicações futuras.
      Quanto aos valores recebidos, sugerimos você consultar seu contador, caso opte por ter um visto que não há obrigatoriedade para MEI, para lhe auxiliar na declaração deste ano. Há possibilidades de você, mesmo tendo recebido diretamente na PF, conseguir evidenciar que tratava-se de renda proveniente da sua PJ/MEI.
      Porém, novamente, o mais recomendável é você regularizar a máquina esse ano para não correr risco de multas para os próximos anos.

      Sucesso!

  4. Olá tenho uma conta MEI prestação de serviço, eu posso fazer a transferência do valor que cai todo mês pra minha conta PF de poupança?

    1. Elionai, bom dia.

      Você pode sim transferir dinheiro da sua empresa para você (Pessoa Física) e no limite que desejar. Entretanto, é preciso registrar contabilmente tal ato, que pode ser distribuição de lucros, pró-labore ou empréstimos a pessoas próxima. O pró-labore corresponde à remuneração que um sócio recebe pela atividade desempenhada na empresa. Já a distribuição de lucros refere-se à remuneração do sócio, que trabalha ou não na empresa. Os encargos são diferentes em ambos, por isso, sugerimos entrar em contato com seu contador para lhe auxiliar nesse processo.

      Sucesso!

Mais comentários

Últimas publicações