• 01/09/2016

Simulador de previdência privada dos bancos: você caiu nessa?

simulador de previdência privada

Pensar em previdência privada, significa pensar no futuro. Cada vez mais as pessoas estão buscando alternativas para realizar sonhos a longo prazo e, principalmente, para uma aposentadoria mais confortável.

O problema é que, muita gente, ao investir em uma previdência privada pode acabar tendo surpresas na hora de resgatar ou transformar em renda o dinheiro que acumulou ao longo da vida. Por isso, fizemos uma pesquisa: utilizamos o  simulador de previdência privada dos cinco maiores bancos do Brasil. Veja o que descobrimos a seguir.

Simulador de previdência privada: as taxas informadas pelos bancos

É fundamental conhecer as taxas praticadas pelo bancos e entender com profundidade como  afeta a rentabilidade de cada plano.

O quadro mostra as principais taxas usadas atualmente pelos bancos em um plano de previdência privada no Brasil:

Banco Taxa de carregamento
entrada
Taxa de Administração Rentabilidade/Ano¹
Caixa Econômica Federal 0%² 3,0 % a.a 8%
Banco do Brasil 3,5% 3,0 % a.a 8%
Itaú Unibanco 5% 2,8% a.a 3,0%³
Santander 0%⁴ 2,5% a.a 8%
Bradesco 4% 2,4% a.a 10,8%
¹ Estimativa de rentabilidade média dos bancos varia entre 4% e 12% ao ano.
² Quando o resgate ou portabilidade do saldo acumulado for após 36 meses.
³ Taxa de juros real anual.
⁴ Quando o resgate ou portabilidade do saldo acumulado for após 60 meses.

Entenda o que significam estes números

Taxa de carregamento na entrada – é um percentual cobrado pelo banco cada vez que você faz um depósito. Geralmente os bancos estipulam o percentual da taxa conforme o valor inicial investido no plano de previdência: quanto maior o valor, menor a taxa de carregamento. Também dá para negociar a redução do valor das taxas de carregamento de entrada ao se atingir montantes mais altos.

Taxa de carregamento de saída – cobrada em caso de resgate do plano. Na maioria dos bancos esta taxa é zero, mas é importante questionar o banco sobre essa informação.

Taxa de administração – costuma ser cobrada para cobrir as despesas de administração e corretagem do fundo.

Rentabilidade – é o percentual que, em média, rende o fundo.

Mãos à obra: simulando uma previdência privada

Percorremos os principais bancos do Brasil para investigar e comparar as simulações de previdência privada realizadas em cada um. É claro, que cada situação e momento de vida é muito pessoal.

Nesta pesquisa, usamos o seguinte caso: uma mulher de 23 anos, que quer investir em previdência privada, com um aporte inicial de R$ 5.000 mais contribuições mensais de R$ 500, até os 65 anos, totalizando 42 anos de investimento.  Considerando as taxas apresentadas no quadro acima, os resultados aproximados foram os seguintes:

Banco Valor total acumulado Renda mensal inicial (vitalícia)
Caixa Econômica Federal R$1.973,222,83 R$ 6.590,00
Banco do Brasil R$ 1.634,918,00 R$ 8.081,18
Itaú Unibanco R$ 510.880,77 R$ 1.210,00
Santander R$ 2.030.331,87 R$ 6.857,08
Bradesco R$ 5.707,320,57 R$ 9.660,47

Se empolgou com os números? Cuidado! Eles escondem o modelo de negócio perverso dos bancos.

A verdade por trás das simulações

Caixa Econômica Federal

O simulador de previdência privada da Caixa mostra 4 opções de rentabilidades estimadas: 6%, 8%, 10% e 12% ao ano.  Não fica claro se são taxas de juros reais ou nominais, além disso como varia muito o percentual de rentabilidade (6% a 12%) e os valores apresentados ficam muito distantes um do outro: de R$ 1,1 milhão a R$ 6,5 milhões.

Das opções apresentadas, a gerente do banco informou que o rendimento do fundo está em 11% nos últimos 12 meses. Só que devemos considerar que, nos últimos 12 meses, a inflação está em 8,74%, ou seja, o rendimento real deste fundo é de apenas 2,08%. Transformando isso em valores reais, o  valor acumulado após 42 anos, os R$ 2 milhões apresentados na simulação estaria em torno de R$ 400 mil atualmente.

Banco do Brasil

O simulador do Banco do Brasil utiliza uma rentabilidade de 8% ao ano, já desconsiderando os efeitos  da inflação, ou seja, seria uma taxa real, o que entendemos como uma estimativa muito otimista para o cenário atual, em que nem investimentos mais agressivos conseguem alcançar em um período tão longo.

Uma conta mais próxima da realidade gira em torno de uma rentabilidade de 4% ao ano, o que em resultados finais acumularia em torno de R$ 600 mil, praticamente um R$ 1 milhão a menos do que a simulação previu.

Itaú Unibanco

O simulador do Itaú foi o banco que trouxe resultados mais condizentes com a realidade, porque faz o cálculo de rentabilidade utilizando uma taxa real de 3% ao ano. Mas mesmo assim, ele simplesmente simula o valor dos aportes sem deixar claro se considera a incidência das taxas de carregamento e administração ou não.

Santander

O simulador do Santander foi o único que deixou claro o tipo de tributação, em que utilizou a tabela regressiva. Porém, previu uma rentabilidade real de 8%, o que é uma taxa superestimada para o contexto brasileiro, assim como no caso do Banco do Brasil. O simulador também não deixou claro a incidência da taxa de carregamento sobre os aportes.

Em comparação com a simulação do Banco do Brasil, mesmo acumulando um montante maior pelo Santander, se a opção de recebimento for renda vitalícia, o plano do Santander geraria uma renda inferior a do Banco do Brasil. Isto ocorre provavelmente porque cada banco segue um cálculo próprio sobre dados como estimativa de vida, nascimentos… Contudo, esses detalhes também não foram apresentados na simulação.

Bradesco

O cálculo do simulador do Bradesco considerou uma taxa de rentabilidade de 10,8% ao ano, o que é uma super estimativa. Além disso, não desconta na simulação os valores das taxas de carregamento e taxa de administração que são bem altas na instituição. Dessa forma, o resultado exorbitante de um total acumulado que gira em torno de R$ 5 milhões é uma grande ilusão.

O banco Bradesco considerou a média da rentabilidade histórica dos últimos 24 meses para o cálculo. Ou seja, utilizou a taxa nominal para a simulação (foi incluída a inflação no período). Por este motivo, o valor acumulado foi muito superior aos demais.

O problema é que esse valor alto acaba impressionando o cliente e facilitando a venda. No entanto, os R$ 5 milhões acumulados ao longo dos 42 anos não comprarão a mesma coisa que R$ 5 milhões compram hoje. Por isso, o ideal na simulação seria ter utilizado uma taxa real, a qual desconsidera os efeitos da inflação e resulta em um montante com valores praticados atualmente.

 

Concluindo

Conhecer as particularidades dos planos de previdência e, principalmente, as taxas é a melhor forma de não perder dinheiro. Elencamos aqui, mais alguns itens para você ficar atento e evitar surpresas futuramente:

Tipo de taxa: real x nominal

A grande pegadinha da maioria dos bancos nestas simulações é a de não deixar claro qual o tipo de taxa usada na simulação. Ou seja, não dizem se a taxa é real ou nominal. Ao considerar taxas nominais ou até mesmo taxas reais superestimadas os bancos apresentam resultados irreais. Apenas o cálculo do Itaú deixou claro que simula com base em uma taxa real de 3% ao ano.

Neste artigo sobre taxa real e taxa nominal, além de entender o que significa cada uma, você poderá fazer uma simulação que exemplifica a diferença entre o valor que os bancos, em geral, mostram em suas simulações para vender os planos de previdência e o valor que você realmente teria, em termos reais, supondo um resgate de todo o valor acumulado.

Além disso, simulações que consideram a taxa nominal apresentam valores ilusórios, até porque daqui a 40 anos, você não saberá se o investimento em questão será capaz de manter o poder de compra dos seus recursos ou não.

Imposto de Renda

Outra informação que fica nebulosa, na maioria dos planos de previdência, é a tributação do Imposto de Renda que incide sobre o valor acumulado e varia de plano para plano. Caso você não esteja atento a esse número na hora de contratar o plano, pode significar surpresa no futuro também.

  • Declaração de IR no modo completo ou simplificado: quem faz a declaração de IR no modo completo pode deduzir em até 12% da renda tributável os aportes realizados em PGBL – benefício fiscal. Qual o tipo de declaração feita pelo cliente não foi questionada em todas as simulações, apenas no simulador de previdência privada do Itaú e do Banco do Brasil.
  • Tabela regressiva e progressiva: a escolha da tributação pela tabela regressiva ou progressiva faz toda a diferença na alíquota de IR. Para perspectivas de longo prazo a tabela regressiva é melhor. A tabela progressiva dificilmente valerá a pena. Porém, a simulação do Santander foi a única que deixou esse ponto claro.

Confira nosso guia completo e veja como declarar seus investimentos no imposto de renda!

Além disso as taxas de carregamento e a taxa de administração, são informadas pelos bancos, mas muitas vezes não entram na conta da simulação, o que já é uma pegadinha para o cliente do banco.

Caso você esteja planejando investir em um plano de previdência privada, não tenha medo de questionar o gerente do seu banco nos mínimos detalhes. Como você viu neste artigo, informações nebulosas superestimadas podem passar a falsa sensação de segurança no futuro. E caso você não esteja atento a todas as variáveis, quando chegar a hora de resgatar ou transformar em renda o dinheiro que você acumulou a vida toda, a decepção pode ser grande.

Nas simulações feitas, todos os bancos se protegem afirmando que os números apresentados e suas rentabilidades são meras estimativas e que não representam garantia ou obrigação da instituição financeira com você. Ou seja, caso a rentabilidade seja muito abaixo da apresentada na simulação, o banco está livre de qualquer obrigação com o cliente.simulador de previdência privada

VAMOS ANALISAR O SEU PLANO DE PREVIDÊNCIA
E VER O QUE É MELHOR PARA VOCÊ

Exclusivo para planos de previdência do Banco do Brasil – Bradesco – Caixa – Itaú – Santander

Resumo
Simulador de previdência privada dos bancos: você caiu nessa?
Nome do artigo
Simulador de previdência privada dos bancos: você caiu nessa?
Descrição
Testamos o simulador de previdência privada dos principais bancos. O resultado das simulações e as verdades que eles não mostram, você encontra aqui.
Autor
Nome do editor
Par Mais

CATEGORIAS BLOG

CATEGORIAS BLOG

Deixe seu comentário

    • Ivan
    • 05/09/2016
    Responder

    O comparativo de previdência entre bancos está errado. Dentro de uma mesma instituição existem vários tipos de fundos. Não existe milagre na gestão de fundos. Se duas instituições compõe o fundo com mesma carteira, só haverá diferenças nas taxas de administração e os juros são os mesmos! Simulações não são promessas! O futuro é incerto! O mais importante é compreender o seu perfil (conservador, moderado ou arrojado); escolhe a instituição que confia para cuidar do seu dinheiro e poupar!

      • Par Mais
      • 13/09/2016
      Responder

      Obrigada por sua colaboração! Nosso intuito é alertar aos futuros investidores em previdência que devem tomar muito cuidado com as simulações.

    • Eduardo
    • 10/09/2016
    Responder

    MEUS Deus….Trabaho a mais de dez anos em uma grande banco e ja comercializei muitos planos de previdencia…E posso afirmar que esta materia é o maior servico de desinformacao que ja vi…por favor retirem do ar….voces nao sabem do que estao falando…

      • luciano
      • 22/09/2017
      Responder

      kakaka… Quando criticou a matéria já deixou claro o porquê: trabalha num banco! Acredito que vc não tenha nenhum centavo aplicado nesses planos. Claro, pois vc atua no mercado financeiro e conhece bem as estratégias das instituições.
      Boas vendas!
      ParMais, obrigado pelo texto. Focado no tema proposto (simuladores de previdência privada).

      • Par Mais
      • 13/09/2016
      Responder

      Boa tarde, Eduardo! Claro que sabemos o que estamos falando! Inclusive, nossa redatora foi pessoalmente nos bancos e também realizou simulações disponíveis nos respectivos sites! Desinformação é que os bancos fazem realizando simulações como as que descrevemos. Mas, mesmo assim, agradecemos a sua participação.

    • Hey
    • 11/09/2016
    Responder

    Hummm… será que as mensalidades são reajustadas de acordo com a inflação?

      • Par Mais
      • 13/09/2016
      Responder

      São sim! Uma vez por ano, geralmente no mês de “aniversário” da primeira contribuição.

    • vinicius cezar dias
    • 18/09/2016
    Responder

    Esqueceram de uma coisa, Imposto de Renda….

    • habdubai
    • 20/09/2016
    Responder

    O consumidor tem que ficar muito atento.
    Eu tenho uma previdência de Caixa. Certo dia resolvi entender o funcionamento dela e verifiquei que ela estava me prejudicando, pois havia vários tipos de taxas e pecúlio (que não foi falado no texto).
    Nesta época (abril/2016), após cinco anos contribuindo na previdência da Caixa, eu tinha um saldo aproximado de cinco mil reais.
    Calculei que se eu tivesse colocado a mesma quantia na poupança, isto é, com os mesmos aportes mensais teria pouco mais de seis mil reais.
    Noutras palavras, para mim, a previdência da Caixa foi um investimento pior do que a poupança nestes últimos seis anos.
    Atenção consumidor!

      • Marcia
      • 22/01/2018
      Responder

      Habdubai, Qual a previdencia que vc fez? Para saber e nao fazer.

    • Ivone
    • 21/09/2016
    Responder

    Simulação. O nome mesmo já diz, não tem nada de exatidão nos cálculos dos bancos. Não se deve comparar simplesmente as simulações. Muito mais importante, e antes de mais nada, é conhecer o perfil do investidor. Se mais conservador, moderado ou agressivo. Afinal, todos os bancos possuem diversos tipos de fundos em que o investidor pode aplicar os recursos. O seguinte do passo é saber se a expectativa do investidor é realizar depósitos mensais com eventuais aportes com resgate no longo prazo, ou se irá investir por 5, 10 ou 15 anos, para definir se a taxa regressiva ou progressiva de retenção do imposto de renda sobre a rentabilidade será mais ou menos vantajosa. Em terceiro lugar saber se o plano será um PGBL, VGBL, ou se o investidor fará um plano de cada para se beneficiar da dedução de renda para cálculo do Imposto de Renda declarado anualmente. Não vou ficar detalhando, fica como sugestão para próximas pesquisas que vocês publicarao (espero). Definindo estes 3 parâmetros, podemos começar a comparar os planos de previdência, como vocês se esforçaram bastante para fazer, e ficou muito bom para uma análise inicial, que é perceber as diferença, que são, basicamente as taxas de carregamento (entrada e saída) e as taxas de administração dos fundos. Detalhando as taxas de administração, cabe ressaltar que varia muito entre bancos, de acordo com o saldo total existente. Vale até negociar com seu banco atual, antes de simplesmente migrar entre um e outro. E agora o mais importante: o valor fica aplicado num fundo de investimento. Cada banco tem o gestor desses fundos, cada banco e cada fundo tem um tipo de gestão diferente, alguns são muito conservadores, ou seja, não arriscam tanto o seu dinheiro, que você entregou e confiou a eles quando decidiu fazer o plano. Outros, tem uma gestão mais arrojada (agressiva) e seu investimento pode nem render, mas sim perder valor durante algum tempo. Pode ser muita informação, mas o banco nao deve ser simplesmente chamado de enganador. Qualquer um pode gerir seus investimentos, não precisa de um banco cuidando de um plano de previdência pra isso. Mas quando o investidor contrata o banco para gerir seus investimentos e entrega o valor a ele, há a vantagem de conseguir rentabilidade melhor que aplicando sozinho, mas isso também tem seu custo, e banco nao trabalha de graça. Espero ter contribuído mais na tentativa de esclarecer, que criar dúvidas.

      • Par Mais
      • 27/09/2016
      Responder

      Muito obrigado pelo seu comentário! Exatamente, é uma simulação. Porém, a simulação é, por conceito, uma aproximação da realidade. O grande ponto, que nos faz bater incansavelmente na mesma tecla, é que as simulações de planos de previdência dos bancos pouco se aproximam da realidade. Isso ocorre porque essas instituições costumam utilizar taxas nominais superestimadas e brutas de IR em suas simulações, fazendo com que o investidor acredite que com pequenos aportes mensais terá “milhões” no futuro. Por exemplo, uma taxa real (acima da inflação) de 8%, 10% ou 12% ao ano é praticamente impossível de ser alcançada na prática ao longo de décadas. Vemos o uso dessas taxas em simulações muito mais como um argumento de venda que tem por intuito iludir o cliente, do que como uma aproximação da realidade, como deveria ser em uma simulação.

      Esses pontos que você mencionou – perfil do investidor, período da aplicação e se o plano será um PGBL ou VGBL – são realmente fundamentais na escolha de um plano de previdência complementar. Inclusive, esses são alguns dos aspectos que comumente são desprezados pelos bancos em suas simulações. Na simulação em questão, que fizemos junto aos bancos, tínhamos justamente o intuito de compreender a percepção dos bancos para se atentarem a detalhes como esses. Isso justifica o fato de aparentemente termos “negligenciado” alguns aspectos.

      Por fim, nós da Par Mais frisamos muito que o investidor saiba exatamente quais são seus objetivos, pois isso afetará na necessidade do investidor em correr riscos e consequentemente nos produtos que comporão a carteira de investimentos.

    • Elber
    • 02/10/2016
    Responder

    Afinal, qual banco é o melhor nisso? Faltou dizer.
    E quanto a previdência que tem investimentos em ações misturado? Vale a pena?

      • Par Mais
      • 04/10/2016
      Responder

      Não existe o melhor banco. Às vezes, o mesmo banco tem produtos bons e ruins. O mais importante é levar em conta as características de cada produto especificamente. Quanto a ter ações, vai depender muito do perfil de risco do investidor (se ele é capaz de aceitar entrar em um mercado volátil, como o de ações) e também do tempo em que a aplicação permanecerá no plano de previdência. Se o investidor for arrojado ou agressivo e o prazo para uso dos recursos que estão na previdência for longo, então pode ser interessante que as aplicações estejam em um fundo com parte do capital em ações. Mas novamente, cada caso é um caso e deve ser analisado com cautela!

    • Julio Cesar
    • 14/10/2016
    Responder

    Não conheço nenhum analista financeiro ou consultor de previdência que leve em consideração o “plus” obtido na restituição ao se aplicar o teto de 12% de seu rendimento tributável em um PGBL. Ai vc pergunta: qual o capital seria necessário e por quanto tempo deveria ser investido para se chegar a esse plus. …..

      • Par Mais
      • 18/10/2016
      Responder

      Realmente deve-se levar em conta esse benefício tributário, que na verdade é um diferimento, ou seja, você apenas está adiando o pagamento do imposto, que será pago de qualquer forma quando o valor investido for resgatado. Cada caso é um caso, por isso é difícil responder diretamente a sua pergunta. Tudo depende de fatores como a taxa de retorno da previdência, seu regime tributário (progressivo ou regressivo), as despesas dedutíveis, o período de investimentos e a própria renda tributável. Em algumas situações é mais interessante fazer a declaração simples de IR, onde se garante um desconto de 20% sobre a base de cálculo do imposto, limitado a R$ 16.754,34 (valor referente 2016), sem precisar recorrer ao PGBL, podendo alocar o dinheiro em produtos mais rentáveis.

    • Estou pronto
    • 20/10/2016
    Responder

    Bem fraco o artigo quando se limitou a fazer a análise financeira de plano de previdência privada e não citou as vantagens e necessidade de se complementar a renda do INSS.

      • Par Mais
      • 24/04/2017
      Responder

      Bom dia. Com certeza complementar a renda do INSS é fundamental. Porém, por se tratar de um artigo do blog, precisamos delimitar o assunto tratado, que nesse caso foram as simulações de previdência privada. No entanto, temos diversos outros materiais no nosso site que reforçam a necessidade de seguir um planejamento financeiro para conquistar a independência financeira no futuro.

    • Carlos
    • 30/11/2016
    Responder

    as taxas de Administração não são fixas em 3% podem chegar em até 0,50% então a simulação é tendenciosa para denegrir o produto, cuidado com informações que as vezes parecem ser o maximo mas escondem tendencias negativas.

      • Bruna
      • 12/12/2016
      Responder

      Olá Carlos. Nosso intuito não é denegrir o produto. Inclusive, em diversos artigos que falamos de planos de previdência privada cuidamos para mencionar que podem sim existir algumas boas estratégias. Porém, essas simulações que fizemos foram todas reais, com informações dos próprios bancos, seja por simulações online ou com idas presenciais aos bancos. A questão principal que batemos aqui não é de existir ou não bons planos, com taxas justas, mas sim “por que esses planos não são comumente oferecidos, principalmente quando se trata do cliente leigo em investimentos”?

    • Ester L Santos
    • 08/12/2016
    Responder

    E o caso de abrir apenas uma conta poupança? Existe alguma informação boa ou alguma garantia?

      • Bruna
      • 12/12/2016
      Responder

      Olá Ester, infelizmente quando o assunto é poupança as notícias não são muito boas. Em termos de investimento a poupança perde muito para outros investimentos, como títulos públicos, por exemplo. O que poderia ter de bom na poupança é a isenção de imposto de renda (IR) e também a garantia do FGC. Mas isso também é possível de conseguir em outros investimentos, como LCI e LCA. CDB’s de bancos médios, apesar de não terem isenção de IR, podem também ser uma boa opção, pois também possuem garantia do FGC. Leia nosso artigo para entender um pouco mais sobre os impactos da baixa rentabilidade da poupança: http://www.parmais.com.br/blog/baixa-rentabilidade-da-poupanca/

    • Thiago
    • 09/12/2016
    Responder

    Da próxima vez podiam comparar as previdências privadas das Cooperativas. Eu tenho previdência na Unicred Florianópolis através do Plano Precaver da Quanta, já fiz milhares de contas e sempre chego à mesma conclusão: é o melhor investimento a longo prazo.

      • Bruna
      • 12/12/2016
      Responder

      Olá! Obrigado por acompanhar nosso blog e também pela sua sugestão! Nas simulações de previdências de Cooperativas é comum serem utilizadas taxas nominais elevadas. No site da Precaver existem alguns simuladores à disposição. De forma geral, eles apresentam o mesmo problema dos simuladores dos bancos que mostramos no artigo, no sentido de que não deixam claro se estão utilizando taxa nominal ou real. Veja nosso artigo onde explicamos a diferença entre taxa nominal e taxa real. Se desejares, por favor nos envie os dados do seu plano (nome e tipo do plano – PGBL ou VGBL -, taxa de administração, taxa de carregamento, tabela de IR – progressiva ou regressiva…), valor dos aportes periódicos e total já acumulado, que iremos analisar o seu caso específico e lhe retornamos com uma opinião. Pode enviar para “[email protected]”. Ficamos no aguardo! Obrigado!

    • Stelleo Sathler
    • 10/01/2017
    Responder

    Meu sogro tem 78 anos e é aposentado pelo INSS com 1 salário mínimo. Ele complementa a sua renda fazendo pequenos serviços de consertos. Tem uma casa pequena que vale em torno de 350,00. Ele pensa em vender a casa e “aplicar” o dinheiro numa previdência privada, pois acredita que o valor a receber será suficiente para pagar um aluguel de uma casa semelhante à sua (mais ou menos 800,00 em um local melhor) e ainda parar de fazer os seus concertos. O que você acha?

      • Par Mais
      • 19/01/2017
      Responder

      Olá Stelleo, para esse fim e considerando o contexto que mencionou com certeza um plano de previdência não é adequado, devido às características desses planos. Para gerar renda uma carteira de investimentos financeiros pode ser interessante sim, mas desde que construída com base em uma estratégia com foco na segurança do patrimônio e em gerar renda. Porém, considerando a idade do seu sogro, é preciso tomar muito cuidado para que não haja consumo em excesso do patrimônio, prejudicando a renda em anos posteriores.

      Fizemos uma simulação em que esses R$ 350.000 são aplicados a uma taxa real de 4% ao ano (acima da inflação). Essa taxa pode ser obtida em um título público do tipo Tesouro IPCA + com juros semestrais, por exemplo. Em nossos cálculos normalmente consideramos uma vida de até 100 anos. E aí, fizemos duas breves simulações:

      i) renda perpétua e preservando o patrimônio: para preservar os R$ 350 mil em termos de poder de compra podem ser realizados saques mensais de R$ 1.145.

      ii) consumindo todo o patrimônio até os 100 anos: consumindo todo o patrimônio podem ser realizados saques mensais de R$ 1.982.

      Então, a princípio pode ser uma boa estratégia sim e pode dar mais liberdade e tranquilidade ao seu sogro, mas é preciso ter disciplina para não consumir a mais, o que não ocorre quando o dinheiro está imobilizado. Em uma consulta conseguimos coletar informações mais detalhadas e ajudar a construir uma estratégia mais precisa. Conte conosco!

    • Marcos Antonio Neuendorf
    • 31/01/2017
    Responder

    Qual seria um melhor investimento a longo prazo em substituição a previdência. Obrigado!

    • Prezado Marcos, existe muita coisa melhor que a previdência para acumular patrimônio e buscar um futuro financeiro tranquilo.
      Mas seria irresponsabilidade sugerir qualquer coisa sem conhecer seu objetivo, perfil, padrão de vida e conhecimento do mercado. Já que estamos falando de longo prazo, talvez o melhor investimento que podemos sugerir seja consultar um planejador financeiro certificado. Qualquer decisão (certa ou errada) faz muita diferença considerando que você ainda tem muitos anos pela frente!
      Conte conosco!

    • Fabio
    • 02/02/2017
    Responder

    Olá, tenho 40 anos e possuo uma Lca de 75.000,00…Tenho uma casa a qual alugo por 600,00, avaliada em 250.000,00…pensei em vendê-la para juntar este valor ao da Lca e extrair um bom juro de tudo junto…minha dúvida é, para ao chegar aos 55 anos com uma boa renda, o certo seria juntar este patrimônio em uma previdência privada ou continuar investindo em produtos como Lca? Sou bem conservador…

    • Prezado Fabio,

      O aluguel (renda) que você recebe pela sua casa é baixo de considerarmos o valor do imóvel (investimento). Possivelmente você conseguirá receber uma renda melhor com investimentos ou até mesmo com um outro imóvel. Porém há muitas coisas a serem consideradas tais como, por exemplo, impostos e corretagem que incidem sobre a venda.

      Em relação a chegar aos 55 anos com uma boa renda, você tem que fazer o seu patrimônio render acima da inflação, com investimentos que respeitem o seu perfil. Provavelmente a previdência não é o melhor caminho. Talvez uma ótima opção sejam os títulos públicos do tipo IPCA +, porém você tem que ter certeza que não vai precisar do valor antes do prazo.

      Mas sua tranquilidade no futuro é um assunto sério e por isso, talvez o melhor conselho seja você fazer uma consulta com um planejador financeiro certificado. O assunto merece muito cuidado pois qualquer decisão (certa ou errada) faz muita diferença considerando que você ainda tem 15 anos pela frente! Apenas como exemplo (não é nenhuma garantia ou promessa), se você investir por 15 anos em algo que lhe renda 2% acima da inflação você terá no futuro R$ 336.000. Se você conseguir aumentar essa taxa para 4%, seu patrimônio será de R$ 450.000.

      Conte conosco!

    • Roberto Lago
    • 09/02/2017
    Responder

    Excelente texto, bem objetivo e que vai direto ao ponto. Infelizmente o conceito de taxa de juros reais não é tão comum aos brasileiros que buscam na previdência privada uma solução para sua complementação de aposentadoria.
    Há sites gratuitos “quase independentes” que fazem boas comparações entre os planos disponíveis no mercado de previdência individual, mas o auxílio de um especialista é sempre bem vindo e muitas vezes gratuito pois quem vai remunerá-lo pela venda será a Seguradora ou Banco que comercializa o plano de previdência.
    Abraços!!

    • Leandro de Carvalho
    • 14/03/2017
    Responder

    Bom dia,

    fiquei em dúvida quanto ao poder de compra dos valores mensais que receberia caso fizesse um plano de previdência.

    Fiz uma simulação no site do Santander. Coloquei o valor mínimo (100,00), imposto de renda simples e 35 anos de contribuição. Aos 65 iniciariam os pagamentos e seria vitalício

    A tabela gerada apresentou 214.256,76 reais acumulados e os pagamentos seriam de 853,68 reais.

    Estou pressupondo que eles consideram que eu teria mais 20 anos de vida.

    Minha dúvida é:
    ao final do plano o valor nominal seria 853,68? Ou essa é uma simulação que apresenta o poder de compra de 853,68, sabendo que o nominal na epoca de retirada será um número muito maior (considerando o tempo)?

    Muito obrigado

      • Par Mais
      • 15/03/2017
      Responder

      Olá Leandro, muito obrigado pelo seu comentário e pelo seu interesse nos materiais da Par Mais.

      O simulador do Santander não deixa claro se a rentabilidade simulada é real ou nominal. A rentabilidade simulada permite a opção de 7,8 ou 9%. Se essa rentabilidade for real é alta demais e é irreal para o mercado brasileiro; se for nominal é baixa demais! Entendemos que, assim como é feito nas simulações dos outros bancos, essa taxa é considerada “real” – acima da inflação. Porém, apesar dos cálculos estarem matematicamente corretos, infelizmente esses planos de previdência privada não costumam apresentar boa rentabilidade na prática. Isso ocorre pelas altas taxas cobradas: taxa de administração e de carregamento na entrada, nos aportes e na saída.

      Previdência privada pode ser interessante para fins de planejamento sucessório ou tributário (em casos bem específicos de pessoas com alto rendimento, em que pode valer a pena um PGBL). Para fins de complementar a aposentadoria, na maioria dos casos, é mais interessante construir uma carteira de investimentos diversificada, aplicando diretamente nos produtos financeiros. Assim é possível escapar dos altos custos e baixa rentabilidade dos planos de previdência privada.

  1. Responder

    Complementando meus comentários anteriores, importante informar sobre o procedimentos adotado por alguns Bancos com relação a RESGATE MENSAIS da Previdência, ou seja:
    tenho amigos que estão “usufruindo ” no recebimento das mensalidades após completado os anos de investimento e surpreendentemente o Banco retém por 5 dias o resgate mensal. para cobrir a aposentadoria “confortável”.

      • Par Mais
      • 24/04/2017
      Responder

      Leomar, bom dia. Um dos principais problemas das simulações e também dos planos de previdência privada é justamente a falta de transparência! Obrigado pelo seu comentário.

    • jose
    • 06/05/2017
    Responder

    Bom, é possível viajar pra trás no tempo e verificar o que esses bancos, ou a maior parte deles, oferecia a 30 anos e ver se cumpriram o prometido???

      • Par Mais
      • 08/05/2017
      Responder

      Jose, boa tarde. Diferente de outras áreas da vida, no mundo das finanças é possível sim “voltar no tempo”! Analisamos diversos planos de previdência de clientes diariamente, e infelizmente a maioria não rendeu o tanto que foi prometido na hora da venda. Infelizmente muitos destes planos são utilizados apenas como ferramenta para “bater metas” das instituições financeiras, sem ter o foco principal nas necessidades do cliente. Inclusive, essa é uma das principais razões de argumentarmos sobre este assunto no artigo.

    • Abiner
    • 12/05/2017
    Responder

    Bom dia,
    Excelente texto. Gostaria muito de ajuda com uma dúvida. Estou muito incomodado com uma decisão que tomei cerca de 18 meses atrás e ficaria muito feliz se pudessem me ajudar. Fiz uma PGBL na Caixa para minha filha, que hoje tem 3,5 anos. O objetivo do investimento era a faculdade dela, ou seja, a retirada seria feita dali a 14 ou 15 anos. O valor inicial era R$100,00 e hoje descontam R$128,00 de minha conta. Não bastasse meu arrependimento quanto à Previdência Privada após começar a estudar um pouco sobre finanças pessoais e investimentos esse aumento de 28% vem me preocupando. Pergunto: devo cancelar isso e encarar uma perda agora visto que o valor investido ainda é pequeno e direcionar o dinheiro para esse objetivo para outros investimentos de longo prazo?
    Muito obrigado.

      • Par Mais
      • 16/05/2017
      Responder

      Abiner, boa tarde. Obrigado pelo seu retorno sobre nosso texto e por acompanhar nossos materiais. Infelizmente estes planos possuem algumas surpresas desagradáveis que nem sempre ficam claras na hora da venda. Separamos mais dois artigos que podem lhe ajudar:
      Plano de previdência privada não é a solução;
      Imposto de Renda: vale a pena usar o PGBL como benefício fiscal?.

      O PGBL normalmente é vendido como uma possibilidade de ter um “benefício fiscal”. Só que esse benefício só vale a pena em poucos casos. O segundo artigo do link explica em detalhes. Caso tenha contratado pela tabela regressiva de IR e o plano tenha taxa de carregamento de saída, se você resgatar agora ficará com quase nada do valor já pago. Caso não queria perder seu capital pode ser uma opção parar de aportar, deixando o dinheiro para resgatar apenas após daqui alguns anos, e começar a aplicar diretamente em investimentos financeiros. Caso tenha interesse entre em contato conosco pelo e-mail [email protected] com mais detalhes sobre seu plano (nome e CNPJ do plano, tributação pela tabela regressiva ou progressiva), que faremos uma análise para você.

    • OSNILDO VIEIRA FILHO
    • 31/05/2017
    Responder

    Parabéns pelo artigo.
    Se vivêssemos em um país sério, estas instituições deveriam ser processadas pelos órgãos de defesa do consumidor, por propaganda enganosa.

      • Par Mais
      • 31/05/2017
      Responder

      Osnildo Vieira Filho, obrigado pelo elogio e por acompanhar nossos materiais. Realmente existe muita falta de transparência em relação aos produtos financeiros que são oferecidos no mercado.

    • OSNILDO VIEIRA FILHO
    • 31/05/2017
    Responder

    Gostaria de ajuda para a seguinte questão:
    Em 06/2014 fiz o Plano de Previdencia Caixa FIC PREV 300 RF (Regressiva – VGBL ) com taxa de adm. de 3% para um neto, com um depósito inicial de R$ 1.200,00 e contribuições mensais de 300,00 (+ 15,00 de um pecúlio que me obrigaram a contratar) com previsão de término em 06/2035 e em 10/2014 migrei para o Caixa FIC PREV 250 RF (por ter taxa de adm. menor – 2,5%). Hj tem acumulado R$ 13.841,31. Este valor teve rendimento significativo ou fui mais um enganado pelo banco?
    Como pretendo contratar um novo plano para outra neta gostaria de saber se é melhor contratar o mesmo plano ou o RT FIX X FICFI RENDA FIXA do Banco do Brasil?
    Este último, segundo a gerente terá uma taxa de administração de 1,8% ou 1,5% se eu fizer um depósito inicial de 5.000,00 mas apesar da minha insistência com ela, até agora não me respondeu sobre a tal taxa de carregamento?
    PS. sei que tem no mercado outras formas de investimentos conservadoras e mais rentáveis como o Tesouro Direto, por exemplo, mas como no meu caso há uma particularidade, por ser portador de uma doença grave cujo prognóstico é de uma baixa sobrevida, tenho optado pela previdência privada pois os valores acumulados não irão para o inventário.

    • Augusto Cezar
    • 20/06/2017
    Responder

    Os planos atuais de previdencia privada seguem os mesmos critérios daqueles que eram praticados nas décadas de 80 e 90?
    Deixar de pagar as prestações mensais, o que acontece com o saldo acumulado existente?

      • Par Mais
      • 27/06/2017
      Responder

      Augusto Cezar, bom dia. Hoje os planos de previdência privada não seguem os mesmos critérios das décadas de 80 e 90. Isso ocorre principalmente pelas mudanças nas tábuas atuariais, que levam em conta um aumento na expectativa de vida, o que acaba afetando diretamente os cálculos de renda a ser gerada pelo plano.

      Sobre sua segunda pergunta, nada ocorre quando se para de realizar aportes. O saldo acumulado é que passará a aumentar apenas pelas correções por juros, e não mais devido aos aportes. Mesmo nesta situação, caso aconteça algo com o titular e se não houver beneficiários mencionados, a sucessão segue conforme código civil.

    • Donizete de souza
    • 31/10/2017
    Responder

    boa tarde, estou quase me aposentando, tem uma previdencia privada a 33 anos, TCSPREV, na simulação hoje eu receberia R$ 3.500,00.

    o meu valor se viser portabilidade é de R$ 643.000,00,. Pretendo uma renda vitalícia e se morrer a minha esposa ficará recebendo.
    Pergunto, consigo uma renda melhor que o TCSPREV?
    obrigado

      • Par Mais
      • 06/11/2017
      Responder

      Donizete, boa tarde!

      É possível, por meio da Lei complementar 109/2001, que seja realizada a portabilidade de um fundo de previdência para outro. Portanto, se um cliente possui valores aplicados em algum fundo de previdência deve-se considerar a hipótese de migrar os valores acumulados para um fundo mais vantajoso.

      A portabilidade só é válida para produtos da mesma modalidade, por exemplo: não é possível migrar de um PGBL para um VGBL.

      Para que exista vantagens na portabilidade é necessário que o novo plano de previdência possua uma maior rentabilidade que o primeiro.
      No entanto, como já foi comentado, na análise de rentabilidade é preciso considerar não só a carteira de ativos do fundo de previdência, mas também as condições contratadas no plano atual, isto é, a taxa contratada e a tábua atuarial.

      Se a carteira de um fundo está bem gerida e acumula bons retornos, então o patrimônio acumulado será maior. Se um fundo consegue rentabilizar bem o montante investido, mesmo que a taxa contratada não seja muito alta a remuneração no futuro pode ser boa.

      Para uma avaliação mais profunda e detalhada de rentabilidade, sugiro que agende uma consultoria para que assim você tenha mais segurança dessa possível portabilidade pois existem muitas variáveis que precisam ser analisadas para essa tomada de decisão.

    • maria do rosario araujo lima
    • 08/11/2017
    Responder

    Fiz uma alicacao de 100 mil reais agora em setembro novgbl no bb.qto sera q posso saber o juro.ou seramelhor outra aplicacao?

      • Par Mais
      • 08/11/2017
      Responder

      Maria, boa noite!
      Para podermos analisar precisamos que você nos envie o extrato e apólice do seu VGBL. Só assim saberemos as taxas praticadas, a carência…
      Mande pelo contato em nosso site.
      Até mais!

    • Thaynara souza da Silva
    • 10/11/2017
    Responder

    Qual a diferença entre Cálculo do PMT, (o normal que fazemos nos cálculos financeiros) dos simuladores dos bancos ?

      • Par Mais
      • 13/11/2017
      Responder

      Thaynara, bom dia!

      Os simuladores de previdência dos bancos, não levam em conta (não aplicam no cálculo) taxas, como de carregamento e administração.
      Como descrito no artigo, os bancos possuem suas próprias taxas de previsão de rentabilidade, outros, deixam que a projeção de rentabilidade seja realizada pelo usuário, no momento da simulação.

      Resumindo:

      O cálculo do PMT, pode ser expresso em valor monetário ($) ou como uma taxa de juro (%).
      O seu saldo é a soma do Principal com o Juro em um determinado momento.

      Quando falamos exclusivamente de simuladores de previdências, existem outras premissas que devem ser avaliadas.

      Como por exemplo: idade, sexo, salários já recebidos (com registro em carteira), idade com que pretende se
      aposentar e a renda extra mensal que deseja receber.

      Ou seja, à forma de se calcular uma parcela simples ou pagamento não pode ser usada como parâmetro para calcular ou simular à previdência, pois existem itens importantes a serem inclusos nos mesmos que não são tão tangíveis e simples assim.

      Desejamos ter ajudado. Sucesso!

    • silvio
    • 24/01/2018
    Responder

    muito bom

    • Queila
    • 16/05/2018
    Responder

    Boa noite, pra quem já investiu e não tem como voltar atrás (eu acho) gostaria saber se é possível pegar no final um valor menor do que foi investido?

      • Par Mais
      • 17/05/2018
      Responder

      Queila, boa tarde!

      Por gentileza, precisamos de mais detalhes, pois não ficou claro a sua dúvida.
      Se for em previdência privada vinculada a um seguro de vida e você deixar de pagar e não cancelar, é possível sim! Pois o custo do seguro será deduzido do seu saldo acumulado da previdência. Mas explica pra gente com mais detalhes que tentaremos esclarecer para você.
      Até mais,

    • Diego Freccia
    • 30/06/2018
    Responder

    Olá, bom dia.
    Tenho 30 anos e recebo em média 3 mil reais por mês, não tenho costume de guardar dinheiro nem investir, penso em fazer algo para ter um bom dinheiro no futuro, pretendo aplicar 2 mil e depositar mensalmente 180 reais, prazo de 20 anos, não pretendo realizar saques antes do tempo. Qual seria a melhor forma de investimento, previdência privada? Muito obrigado.

      • Par Mais
      • 02/07/2018
      Responder

      Diego, boa tarde!
      Que felicidade ler o seu comentário, pois sempre ficamos contentes quando um leitor desperta para os investimentos e começa a fazer o dinheiro dele, trabalhar para ele.

      O primeiro passo é montar uma reserva financeira para emergências, assim a qualquer momento, se você precisar não vai cair no cheque especial ou pagar juros desnecessários.
      Clique aqui que a nossa ferramenta indica certinho o valor da sua reserva

      http://apps.parmais.com.br/inteligencia-par-mais

      INVESTIMENTOS – RESERVA E FUTURO
      Coloque o valor referente a um ou dois meses da sua reserva na poupança do seu banco, assim você não paga IR e mantém o poder de compra.
      Não esqueça, se precisar usar, tente ser após o aniversário de um mês do último depósito realizado na poupança, para não perder o rendimento do último mês.

      Os demais valores da sua reserva e dos investimentos em seu futuro, sugerimos que invista, neste momento atual, no TESOURO SELIC. Depois das eleições, poderemos revisar essa sugestão para você.

      Segue este artigo sobre como investir na plataforma do Tesouro Direto

      https://www.parmais.com.br/blog/como-investir-no-tesouro-direto/

      Estamos à sua disposição.
      Sucesso!

    • JOSE MATOS
    • 03/07/2018
    Responder

    UMA DUVIDA, NUNCA DEPOSITEI VALOR ALGUM NA PREVIDENCIA PRIVADA, TENHO 50 ANOS, SE EU DEPOSITAR LA 300.000 E DEIXAR POR 15 ANOS QUANTO ISSO ME DA DE APOSENTADORIA?

      • Par Mais
      • 04/07/2018
      Responder

      Jose Matos, bom dia!
      No seu atual momento de vida não aconselhamos investir em previdência privada, devido as taxas e baixa liquidez. O melhor a fazer seria montar um plano mais adequado ao seu objetivo, neste caso aposentadoria.

      Temos uma ferramenta que calcula isso, projetando os rendimentos médios das carteiras da Par Mais, com os R$ 300 mil, aplicados por 15 naos (sem nenhum outro aporte) você receberia, por exemplo, R$ 5 mil durante 11 ano(s) e 10 meses.

      Faça a sua simulação aqui:
      http://apps.parmais.com.br/faca-seu-dinheiro-trabalhar#!/

      Se tiveres dúvidas, pode conservar, sem custos, com os consultores da Par Mais. Envie um e-mail para [email protected]

      Desejamos ter ajudado!

    • Danusa
    • 25/07/2018
    Responder

    Tenho 37 anos , dona de casa. Gostaria de saber qual plano de previdência privada mais adequado? E valores para começar é o melhor banco pra fazer esse investimento. Seria um contribuição até 65 anos mais ou menos.

      • Par Mais
      • 25/07/2018
      Responder

      Danusa, boa tarde!

      Ficamos felizes por você ter a intenção de investir no seu futuro, parabéns!

      Mas antes de sugerir o melhor plano, como qualquer outro investimento é fundamental conhecermos você. Temos uma ferramenta online que indica a sua BIO Financeira, ou seja, indica qual o seu momento de vida, sua capacidade financeira e o seu perfil de risco.
      Você é jovem e, com certeza, vai conseguir uma renda no futuro.

      Por gentileza, acesse no link abaixo.
      No final da ferramenta (após indicar a sua BIO) term um botão que você pode agendar uma reunião gratuita para que possamos conversar e indicar para você o melhor investimento, no caso, um plano de previdência.

      http://apps.parmais.com.br/inteligencia-par-mais

      Até mais!

    • Aiexa
    • 25/07/2018
    Responder

    Bom dia,tenho 20 anos e pensando no meu futuro quero um investimento que me de lucros após mais idade,qual aposentadoria você me indicaria para pagar?

      • Par Mais
      • 25/07/2018
      Responder

      Aiexa, boa tarde!

      Ficamos felizes por você ter a intenção de investir no seu futuro, parabéns!
      Acabamos de responder uma dúvida semelhante e cabe, repetir aqui para você!

      Veja:

      Mas antes de sugerir o melhor plano, como qualquer outro investimento é fundamental conhecermos você. Temos uma ferramenta online que indica a sua BIO Financeira, ou seja, indica qual o seu momento de vida, sua capacidade financeira e o seu perfil de risco.
      Você é muito jovem e, com certeza, vai conseguir uma renda no futuro.

      Por gentileza, acesse no link abaixo.
      No final da ferramenta (após indicar a sua BIO) term um botão que você pode agendar uma reunião gratuita para que possamos conversar e indicar para você o melhor investimento.

      http://apps.parmais.com.br/inteligencia-par-mais

      Até mais!

    • Edvaldo
    • 09/08/2018
    Responder

    Boa tarde! Eu tenho 24 anos, nunca investi em nada e não consigo juntar dinheiro. Estou pensando em fazer uma previdência privada mensal de 150,00. Ou investir em algo, mas não sei qual seria melhor, não sei onde investir, não sei por onde começar. Fui no Bradesco para saber mais sobre a previdência privada, o gerente nem se quer me explicou direito, como é, como funciona, nem se quer simulou.

      • Par Mais
      • 09/08/2018
      Responder

      Edvaldo, boa tarde.

      O primeiro passo é definir quais são os seus objetivos com os investimentos.
      Convidamos você a entrar na nossa ferramenta que analisa o seu momento de vida, sua capacidade financeira e o seu perfil de investidor. Essa ferramenta também vai informar o valor que você debe ter na sua reserva de emergência. O nome da ferramenta é BIO Financeira.
      Acesse por aqui: http://apps.parmais.com.br/inteligencia-par-mais

      Sucesso nos seus investimentos!

    • JUSCELINO CARDOSO DA SILVA
    • 11/08/2018
    Responder

    muito interessante. caso necessite resgatar o valor por necessidade. na tabela progressiva de imposto de renda sera
    descontado aliquota de imposto de renda calculado sobre o valor resgatado.

    • Responder

      Juscelino, bom dia.

      Isso mesmo! Mas vale lembrar as diferenças, enquanto no VGBL o imposto de renda incide apenas sobre os rendimentos, no PGBL o IR incide sobre o valor total a ser resgatado.

      Sucesso.

    • Daieli Dias Batista
    • 14/09/2018
    Responder

    Olá .
    Investi 18mil reais no plano Vgbl na caixa, porém fiquei com muitas dúvidas em relação ao plano, se valeu a pena ou não o investimento, visto que eu queria algo para médio ou curto prazo e não pensando em aposentadoria, como não sabia nada de investimento procurei meu gerente e foi ele quem me indicou esse plano Vgbl com regime progressista. Pode fim gostaria de saber se fiz um bom investimento? Ou se comprensa resgatar e investir em outro? Se sim qual plano vcs me indicariam e quantos eu perderia? ( Qual seria o valor do meu resgate)Tenho faz apenas 1 mês que fiz o plano?

      • Par Mais
      • 14/09/2018
      Responder

      Daieli, boa tarde!

      Estamos montando um grupo de trabalho que só vai analisar planos de previdência. Vai ser lançado na próxima quinzena.
      Podemos analisar para você, sem custos, mas precisamos dos seguintes dados:
      – Banco – VC informou que é da CAIXA
      – Modalidade – VGBL
      – Nº Processo SUSEP (vc consegue no extrato)
      – CNPJ do Fundo (idem)
      – Tributação – no seu caso, é progressiva
      – Início da vigência – no seu caso, somente 1 mês
      – Saldo atual
      – Valor do aporte mensal

      No aguardo….

    • Cléber
    • 02/10/2018
    Responder

    Ótimas informações só assim pessoas e clientes não são enganados

      • Par Mais
      • 02/10/2018
      Responder

      Cléber, bom dia!
      Ficamos felizes do texto ser útil para você. Nessa semana estaremos publicando a VERSÃO 2018.
      Passados dois anos a situação não melhorou! Podemos até afirmar que piorou.
      Gostaria que enviássemos o link da nova publicação?
      Desejamos uma ótima terça-feira para você e sua família!

    • Rita Lima
    • 05/10/2018
    Responder

    Olá estou querendo fazer um investimento para minha filha de 1 ano e 10 meses, quero investir 100 reais mensais até ela fazer 21 anos, pensei na previdencia privada, qual o melhor banco e como funciona? Pois estou pesquisando e tentando entender melhor já que nunca fiz investimento.

      • Par Mais
      • 06/10/2018
      Responder

      Rita, boa tarde!
      Parabéns pela iniciativa de investir no futuro da sua filha!
      Nossa sugestão é que inicie guardando na poupança, pois não incide IR (imposto) e, mantendo a atual taxa de juros (SELIC), vai manter o padrão de compra (pois vai ajustar, no mínimo pela inflação). Depois de acumular uns R$5 mil, você poderá pesquisar um plano de previdência ou outros investimentos mais rentáveis. No momento, iniciar com os R$100 você será penalizada pelas taxas.
      Fique à vontade de nos perguntar suas dúvidas.
      Sucesso!

  2. Responder

    exemplo:tenho 20 mil reais na poupança na caixa economica, como o rendimento é minusculo gostaria de saber como aplicar em previdencia privada e obter real liquides ? Sem depositos mensal ao longo dos meses.

      • Par Mais
      • 16/10/2018
      Responder

      Paola, boa tarde!
      Existem diversos tipos de investimentos. A previdência privada é um deles. Mas o primeiro passo é você determinar qual o objetivo financeiro da sua aplicação. Por quantos anos e qual o resultado que você desejaria.

      Podemos ajudá-la, sem custos.
      Envie um e-mail para ” [email protected] ” que marcaremos uma conversa com um dos nossos especialistas.
      Até mais!