O que é IGPM?

  • 27/07/2018
Página inicial - capital - O que é IGPM?

o que é IGPM

O IGPM é um índice composto pelo IPA, IPC e INCC, cada um com a sua ponderação. Sua utilização mais frequente é no reajuste anual de aluguéis, imóveis, energia elétrica, entre outros contratos. O IGP-M especificamente é calculado no período entre o dia 21 de um mês ao dia 20 do outro.

O IGP-M

O IGP-M começou a ser calculado em maio de 1989, por demanda da Confederação Nacional das Instituições Financeiras (CNF).

Ele é amplamente usado como referência no reajuste de alguns contratos, como por exemplo os de aluguéis. Além disso, ele é utilizado ainda como parâmetro para o reajuste do preço de imóveis, da energia elétrica, de escolas e universidades, alguns planos de saúde, entre outros contratos.

É importante notar que o IGP-M, assim como as outras versões do IGP, é um indicador independente. Isso significa que ele não tem ligação alguma com o governo na sua aferição. Ele não é a inflação oficial do país, mas também é importante por ser calculado por uma instituição independente do governo.

Saiba mais: O que é IPCA – Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo

O IGP

O IGP é um índice calculado mensalmente pelo Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) da Fundação Getúlio Vargas, uma das instituições de ensino mais bem-conceituadas do país. O seu intuito é calcular a variação de preços no Brasil englobando as diferentes atividades e etapas distintas do processo produtivo.

Devido às suas características, o IGP funciona também como um indicador mensal do nível de atividade econômica no Brasil. Ele é calculado através da aferição de 3 índices específicos de inflação, aos quais são determinados os seguintes pesos:

  • 60% para o IPA (Índice de Preços ao Produtor Amplo);
  • 30% para o IPC (Índice de Preços ao Consumidor);
  • 10% para o INCC (Índice de Nacional de Custos da Construção).

O IGP é dividido ainda em 3 versões, cuja metodologia de cálculo é idêntica, tendo como diferença apenas o período de aferição do índice. São eles:

  • O IGP-DI, que é calculado do dia 1 ao dia 30 de cada mês;
  • O IGP-10, que é calculado do dia 11 de um mês ao dia 10 do outro;
  • O IGP-M, que é calculado do dia 21 de um mês ao dia 20 do outro.

O IPA

O IPA representa mais da metade do IGP e reflete o valor adicionado na produção de bens agropecuários, industriais e em transações comerciais.

Ele tem abrangência nacional e a sua medição é dividida nos seguintes grupos:

  • Produtos agropecuários: Lavouras Temporárias, Lavouras Permanentes e Pecuária.
  • Produtos industriais da indústria extrativa: Carvão Mineral, Minerais Metálicos e Minerais Não-Metálicos.
  • Produtos industriais da indústria de transformação: Produtos Alimentícios e Bebidas, Metalurgia Básica, Produtos Químicos, entre outros.
  • Bens finais: Alimentação, Combustíveis, Máquinas e Equipamentos, entre outros.
  • Bens intermediários: Embalagens, Suprimentos, Materiais e Componentes para Manufatura, entre outros.
  • Matérias-primas brutas: Agropecuárias e Minerais.

A partir dos hábitos de consumo são determinados os pesos de cada índice, que então são aplicados à variação de preço de cada um deles. Atualmente os Produtos industriais da indústria de transformação são os que tem o maior peso, justamente por conterem um maior número de itens na sua cesta.

Saiba mais: Reserva de emergência: o que é e como montar a sua?

O IPC

Com 30% do IGP, o IPC é o segundo índice de maior peso. Ele representa o valor adicionado pelo setor varejista e de serviços para consumo das famílias. O IPC mede a variação de preços de uma cesta de bens e serviços que compõem as despesas habituais de famílias com renda entre 1 e 33 salários mínimos.

Ele é auferido em 7 capitais do Brasil, mais especificamente Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo. Os bens são divididos nos seguintes grupos:

  • Alimentação
  • Habitação
  • Vestuário
  • Saúde e cuidados pessoais
  • Educação, leitura e recreação
  • Transportes
  • Despesas diversas
  • Comunicação

Cada item da cesta tem um peso de acordo com o gasto habitual das famílias em cada item. Atualmente o grupo de maior peso no IPC é a “habitação”, seguido da “alimentação”.

Saiba mais: Imóvel: comprar ou alugar? Vender para investir?

O INCC

O INCC é o índice de menor peso no IGP, com 10% do índice.

Ele mede a evolução dos custos da construção civil. A inflação desses itens é medida nas mesmas 7 capitais do IPC. A cesta do índice é dividida em “materiais, equipamentos e serviços” e em “mão-de-obra”.

IGP-M nos Investimentos

O Tesouro Nacional emitia títulos atrelados ao IGP-M, chamados de Tesouro IGPM+ com Juros Semestrais ou NTN-C. No entanto, atualmente eles deixaram de ser emitidos e podem ser encontrados somente no mercado secundário.

Alguns títulos de crédito privado com ligação ao mercado imobiliário, como os CRIs, por vezes têm remuneração ligada ao IGP-M, mas eles não são muito comuns. Além disso, o IGP-M serve também de referência para a taxa de performance de certos Fundos Imobiliários.

Conclusão

O IGP é um índice de inflação independente, calculado pelo IBRE-FGV. Além de indicar a variação de preços mensal, ele é usado também como um indicador mensal do nível de atividade econômica do Brasil. O IGP-M especificamente é calculado no período entre o dia 21 de um mês ao dia 20 do outro. Ele é composto pelo IPA, IPC e INCC, cada um com a sua ponderação. Sua utilização mais frequente é no reajuste anual de aluguéis, imóveis, energia elétrica, entre outros contratos. Especificamente para investimentos, ele é menos importante que o IPCA, sendo utilizado apenas como referência para alguns ativos ligados ao setor imobiliário.

Onde você está, aonde quer chegar?
Nossa função é tornar sua jornada mais rápida e mais rentável. Escolhemos com você os investimentos que precisa, alinhados às suas necessidades. Clique aqui.

Deixe seu comentário

Comentário(s): 0

Últimas publicações