Educação financeira: seja empoderado e vença o consumo impulsivo

  • 18/08/2017

Educação financeira

No dia a dia, é comum as pessoas não saberem gerenciar suas finanças. Isso acontece porque, desde cedo elas não são ensinadas a lidar com o dinheiro. É aqui que entra a educação financeira. A partir do momento em que começam a entender o valor do dinheiro, elas passam a agir com mais racionalidade e a ter um domínio mais consciente dos seus ganhos e despesas. Em outras palavras, elas se tornam empoderadas financeiramente.

Neste artigo você vai entender como a educação financeira é importante para formar pessoas empoderadas financeiramente e capazes de gerenciar as próprias contas. Também vai receber dicas de como evitar as armadilhas do consumo impulsivo e conhecer a principais dores dos brasileiros em relação ao dinheiro.

Brasil: país do analfabetismo financeiro

Problemas começam na escola, mas é possível revertê-los com algumas atitudes

Historicamente, o Brasil é um país de contrastes econômicos. Ao mesmo tempo em que se busca implantar novas medidas e criar mais oportunidades para fazer a economia decolar, diversos fatores atrapalham essa evolução. Um deles é a deficiência na educação financeira, que escancara a incapacidade das pessoas em se relacionarem com o dinheiro.

Diferente do que acontece em países desenvolvidos, as escolas no Brasil não contam com uma disciplina sobre educação financeira na grade curricular. Por conta disso, os alunos crescem desconhecendo os benefícios do uso consciente do dinheiro e os perigos de ser negligente com ele. Já como adultos, eles passam a ter dificuldades para controlar seus gastos, consomem sem responsabilidade e se afundam em dívidas que não param de crescer.

Esses são os analfabertos financeiros, pessoas que têm um comportamento desleixado com o dinheiro e costumam não cuidar das suas finanças, acumulando uma cascata de problemas. Para ter ideia da dimensão deste problema no Brasil, uma pesquisa recente mostrou que o país está em 74° em um ranking global de países financeiramente alfabetizados, ficando atrás de nações como Togo e Zimbábue.

Embora o problema seja crônico, é possível contornar essa situação começar a colher os frutos de uma educação financeira eficaz, capaz de fazer as pessoas se tornarem empoderadas financeiramente.  Abaixo você confere alguns passos iniciais para colocar em prática no seu dia a dia e ir se disciplinando com o tempo.

  • Gastar menos do que se recebe
  • Fazer um controle do quanto se recebe e se gasta
  • Planejar as compras: não consumir por impulso e nem desperdiçar dinheiro
  • Pagar as contas em dia e, em caso de dívidas, se planejar para eliminá-las
  • Economizar e constituir uma reserva de segurança

A criação das crianças por adultos analfabetos financeiros também colabora com a expansão de uma sociedade que não sabe lidar com o dinheiro. Se os pais já não têm uma educação financeira bem desenvolvida, é improvável que os filhos adquiram, por conta própria, habilidades para uma vida financeira equilibrada e sem dificuldades.

Como os filhos se espelham nas atitudes dos pais, é importante orientar os pequenos desde cedo com algumas regrinhas que os ajudarão a criar e desenvolver hábitos saudáveis de se relacionar com o dinheiro. E nada melhor do que a tradicional mesada para passar a elas as primeiras noções de uso consciente do dinheiro em determinado período de tempo.

A mesada permite um controle dos pais sobre as finanças dos filhos. Já as crianças começam a entender que precisam fazer escolhas em onde gastar seu dinheiro. É preciso frisar que se gastarem com algo, pode não sobrar dinheiro para uma próxima compra. Abaixo estão algumas situações em que as crianças se veem inseridas, e que os pais podem orientar de que se deve usar o dinheiro de forma mais estratégica.

  • Lanches (doces, salgadinhos e guloseimas fora da dieta diária)
  • Brinquedos (manuais e eletrônicos)
  • Encontros com amigos (cinema, festinhas, passeios e parques de diversão)
  • Jogos (celular, computador e vídeo-game)
  • Presentes (para si, familiares e amigos)

Você pode empoderar financeiramente seus filhos a partir de agora. Faça o download da planilha “Mesadinha” e comece a guiá-los com escolhas de como lidar com o dinheiro de forma mais inteligente.

Use a razão e a não a emoção com o dinheiro

Empoderamento financeiro é sinônimo de consumo consciente

Saber gastar o que se recebe de forma consciente é um dos benefícios imediatos da educação financeira. Uma pessoa empoderada financeiramente passa a tomar atitudes racionais ao usar o dinheiro, não se deixando levar pela emoção de consumir qualquer produto que pareça ser obrigatório ter na sua vida.

Descrevendo desse jeito pode parecer ser fácil se tornar uma pessoa financeiramente empoderada. Mas o caminho é árduo e exige muita vontade para mudar de comportamento. Mas nós vamos simplificar o desafio. Abaixo você confere 4 dicas rápidas para analisar alguns pontos que podem estar impedindo você de se tornar um consumidor consciente e financeiramente empoderado.

  • Pague à vista

Dê preferência para pagar à vista todas as suas contas. Assim você evita não só muitos parcelamentos, às vezes até com juros altíssimos, mas também dribla as chances de endividamento por não ter como quitar todas as despesas. Além disso, às vezes o pagamento à vista garante descontos, então é mais uma forma de economizar e sem ter a obrigação com uma conta extra nos meses seguintes.

  • Compre pela internet

Comprar pela internet garante vários benefícios. Como você não fica perambulando nos corredores de lojas infestadas de propagandas supostamente atraentes, tem mais chance de comprar apenas o que realmente precisa. Não fica tentado a levar mais do que deveria nem a participar de promoções do momento, que nem sempre realmente oferecem os melhores preços. Com isso, acaba economizando e não extrapola nas contas do mês.

  • Evite desperdícios

Economizar não se refere apenas ao controle do dinheiro na carteira. Na vida cotidiana é possível economizar com serviços de água, luz e telefone. Procure se atentar aos desperdícios no uso deles e aos preços das tarifas cobradas. O mesmo vale para assinaturas de TV a cabo: será que você realmente assiste a todos os canais oferecidos no pacote? Renegocie com as operadoras e contrate planos com conteúdos que você realmente usa. Assim, você vai conseguir poupar dinheiro, podendo usá-lo em outras situações.

  • Cartões de crédito

Os cartões de crédito são de uma facilidade sem igual para pagar as contas. Antes de adquirir um, conheça as condições uso, o valor da anuidade, o limite de valor de compra e a data de vencimentos da fatura. Uma vez com o cartão de crédito em mãos, não saia passando eles por impulso nas maquininhas de cobrança. Não saber controlar as contas com pagamento usando cartão de crédito pode ser extremamente nocivo para o seu bolso.

Se tiver vários cartões de crédito, reduza o seu uso para apenas um deles. Se puder, cancele os demais. Assim, você evita acumular contas de vários lados, não fica sujeito a condições abusivas dos fornecedores e diminui as chances de se endividar por não conseguir pagar todas as faturas. Falando nelas, nunca pague o valor mínimo de uma fatura. Se esforce para pagar o valor total para não se embolar com juros estratosféricos.

Você se protege quando está empoderado financeiramente

Ponha os aprendizados em prática e evite as dores mais comuns dos brasileiros

Saber lidar com o dinheiro e não cair nas armadilhas do consumo impulsivo é uma forma de evitar algumas dores que o mau uso dele provoca. E nada melhor do que ser empoderado financeiramente para estar protegido contra os perigos de uma saúde financeira doente.

Abaixo está um diagnóstico com as 4 principais dores que os brasileiros sentem quando não estão com a saúde financeira em dia. Serve de orientação de hábitos que você não deve ter e, caso se identifique com algum, deve repensar suas atitudes para ser uma pessoa que sabe controlar seu dinheiro.

  • Trabalhar muito e não saber o destino do dinheiro

De nada adianta se dedicar várias horas do seu dia para o trabalho e não ter um tempo para cuidar seu dinheiro. A vida moderna força as pessoas a passarem muito tempo trabalhando para ganhar dinheiro e conseguir pagar as contas, o que faz com que elas também se esqueçam de cuidar de si mesmas. O ciclo é vicioso, difícil de contornar e representa uma grande dor nas pessoas.

  • Infidelidade financeira

Um dos desafios da vida a dois é o compartilhamento de informações e experiências no dia a dia. Mas uma das principais reclamações dos brasileiros é a falta de comunicação sobre as condições financeiras do casal. A infidelidade financeira, inclusive, é a segunda maior causa de separações no Brasil. Não é à toa ela que representa uma grande dor nas pessoas.

  • Guardar dinheiro na poupança

A caderneta de poupança é a queridinha dos brasileiros. Ela costuma estar no topo da preferência de quem quer começar a guardar dinheiro. Mas, além de não ser um investimento recomendado em função da sua baixíssima rentabilidade, ela também serve de muleta para algumas pessoas acomodadas, que não procuram saber se existem investimentos mais alinhados com os seus objetivos. O dinheiro simplesmente fica lá parado, gerando resultados praticamente nulos e dor nas pessoas.

  • Não saber se investe corretamente

A maior dor dos brasileiros é não saber se seu dinheiro está sendo investido da melhor forma possível. E isso é causado por uma série de fatores: insegurança ao escolher os tipos de investimento, falta de conhecimento de como eles funcionam e o medo de perder dinheiro diante da imprevisibilidade dos resultados.

Conclusão

A educação financeira é o melhor caminho para formar pessoas capazes de lidar com o dinheiro. E é através do empoderamento financeiro que as elas passam a se tornar confiantes e a agir de forma mais racional com suas finanças, fugindo das armadilhas do consumo impulsivo e evitando as dores do mau gerenciamento do dinheiro.

Mais importante do que conhecer as dicas expostas ao longo do texto, é começar a colocá-las em prática para criar hábitos saudáveis na sua vida financeira. O caminho será desafiante, mas é possível vencê-lo com dedicação e disciplina. Lembre-se: você é o único dono do seu dinheiro e só você pode fazê-lo trabalhar para você.

Agora que você já está por dentro do empoderamento financeiro, está mais próximo de conquistar de vez uma vida financeira equilibrada. Como incentivo, oferecemos o curso “Como Ter Uma Boa Saúde Financeira”. O valor original é de R$ 35, mas queremos que você se torne um especialista em cuidar do seu próprio dinheiro. Por isso, o valor cai para acessíveis R$ 1. Basta preencher o campo abaixo com seu e-mail e completar os passos seguintes para receber o benefício. Sucesso!

SAIBA MAIS


Resumo
Educação financeira: seja empoderado e vença o consumo impulsivo
Nome do artigo
Educação financeira: seja empoderado e vença o consumo impulsivo
Descrição
A educação financeira é o melhor caminho para se tornar um empoderado financeiro e vencer as armadilhas do consumo impulsivo. Confira dicas!
Autor
Nome do editor
Par Mais

Deixe um comentário

  1. Responder

    Verdade, este artigo vem de encontro com o que tenho estudado sobre finanças. Muito bom