Proteção para filhos: como dimensionar um seguro de vida?

  • 08/10/2021
Página inicial - Vida financeira - Proteção para filhos: como dimensionar um seguro de vida?

A contratação de um seguro de vida – pensando na proteção para filhos – é um interesse muito comum a ser despertado após o nascimento do primeiro filho.

O instinto de proteção para assegurar o bem-estar e segurança certamente fala mais alto desde o primeiro dia de vida deste ser, que durante muitos anos terão os pais como pilares para crescerem saudáveis, felizes e com uma vida tranquila.

Mas, muitos pais têm dificuldade de dimensionar o tamanho desta proteção e até quando ela será necessária.

Com isso, nosso objetivo ao escrever este artigo é descrever a importância da proteção para filhos e de que forma esta necessidade poderá ser dimensionada.

Como dimensionar um seguro de vida pensando na proteção para filhos

Primeiramente, vamos falar sobre o dimensionamento da proteção para filhos, sendo que para isso, será preciso responder uma pergunta: caso o principal provedor da família falte, quanto será necessário para que o filho esteja amparado financeiramente até idade adulta e em condições de se sustentar?

Para maior entendimento, vamos citar um exemplo de uma situação fictícia:

João tem 40 anos, é casado e é o principal provedor da família. Tem um filho, o Pedro, de 12 anos de idade e um patrimônio total de R$5.800.000,00. Aqui vamos considerar a necessidade do filho Pedro em relação à educação e ao inventário, na falta do João.

Cálculos:

  • Custo com educação: média de R$3 mil por mês até completar 24 anos: R$349.936
  • Custo com inventário: custos advocatícios que podem chegar até 20% do patrimônio total. Neste exemplo, vamos utilizar uma média de 10% e 8% de ITCMD (Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação): R$232.000,00 e R$290.000,00 de custos advocatícios.

Consideramos 50% do patrimônio, levando em conta que os pais são casados pelo regime de comunhão parcial de bens e que todos os bens foram adquiridos após o casamento.

Para entender melhor sobre os regimes de casamento e o impacto de cada um em caso de inventário, veja este artigo.

Somando os custos com educação e com inventário, a cobertura necessária no caso da falta de João seria de aproximadamente R$871.936,00.

Importante

É relevante frisar que, caso a pessoa tenha uma previdência privada, o saldo deverá ser descontado deste total, no caso dos Estados em que a previdência não entra em inventário.

Lembrando que para cálculos futuros, como educação, deverá ser considerado um rendimento real líquido, ou seja, acima da inflação e líquido de imposto de renda. Na simulação acima, consideramos um rendimento real líquido anual de 3,40%.

Garantia para casos imprevistos

Diferente do que muitos pensam, seguro de vida não é para a vida toda, e sim, para alguns momentos da vida. Ele é a garantia que, em caso de imprevisto, a família estará amparada financeiramente. Desta forma, com o passar do tempo, as coberturas devem ser reavaliadas e alteradas se necessário. Como no caso da cobertura para custear a educação, passado esse período, a cobertura destinada para este fim poderá ser cancelada.

Necessidade para casa fase

Durante o nosso ciclo de vida, a cada fase teremos necessidades distintas e, quando temos alguém que depende
financeiramente de nós, é muito importante que a cada fase a necessidade de cobertura seja redimensionada, seja, por estarmos com uma cobertura menor do que precisamos ou pagando um prêmio maior sem necessidade.

Ao entrarmos na fase da consolidação do patrimônio, dependendo do que se construiu e a forma que está estruturado, talvez seja o momento de não precisar de nenhuma cobertura deste tipo. Por isso, quanto antes você se planejar, mais tranquilo viverá.

Quando contratar um seguro para proteção para filhos?

Outro ponto que sempre destacamos e que faz sentido reforçar é que devemos contratar um seguro enquanto podemos, e não quando precisamos. Isso porque para que a seguradora aceite o risco, precisamos estar bem.

Uma analogia que podemos fazer é em relação ao automóvel: qual seguradora aceitaria fazer o seguro de um carro batido? Resumidamente: o que é fácil hoje, pode ser difícil amanhã.

Conclusão

A contratação de um seguro pensando na proteção para os filhos pode ser uma boa estratégia, desde que dimensionada da forma correta e revisada de acordo com cada fase da vida.

Caso tenha ficado dúvidas em relação ao dimensionamento do seguro, do quanto seria ideal para você e sua família, conte com a ajuda de especialistas e não deixe os imprevistos serem motivos para mudanças no seu planejamento de vida.

Gostou do conteúdo? Você pode gostar desses também:

Deixe seu comentário

Comentário(s): 0

Últimas publicações