Criptomoedas – O que são e quais as principais do mercado

  • 13/08/2021
Página inicial - Investimentos - Criptomoedas – O que são e quais as principais do mercado

Que as criptomoedas viraram febre no mundo digital não é segredo para ninguém, mas você sabe o que torna essas moedas tão especiais?

Elas são ativos digitais descentralizados, ou seja, permitem que transações financeiras sejam realizadas sem intermediários e sem a necessidade de um governo para cumprir o papel de regulador.

Elas podem ser utilizadas na compra de bens e serviços ou transacionadas entre os participantes da rede, sem possibilidade de censura ou intervenção.

Entenda neste artigo o que são criptomoedas, a tecnologia utilizada e conheça as principais do mercado.

O que são criptomoedas?

As criptomoedas são ativos digitais que não apresentam um coordenador central, ou seja, não são emitidas por nenhum Banco Central ou governo. O termo cripto é utilizado para indicar o uso da criptografia, que são os algoritmos responsáveis pelo armazenamento de dados e pela segurança das transações.

Elas podem ser utilizadas para compra de bens, meio de pagamento ou investimento e negociações internacionais, de forma livre entre os participantes, sem possibilidade de censurar ou reverter transações.

A grande diferença para as moedas tradicionais, como o real, é que as criptomoedas são descentralizadas, ou seja, elas funcionam sem um coordenador geral, não existindo uma instituição, órgão, ou banco que controla as moedas digitais.

O sistema financeiro das criptomoedas é considerado muito mais democrático e inclusivo, pois qualquer pessoa pode participar, auditar o que acontece na rede, verificar as transações, etc. Resumidamente, é um sistema transparente.

Outro detalhe importante é que as criptomoedas são incesuráveis, ou seja, nenhum governo autoritário pode derrubar esse sistema.

As criptomoedas são uma categoria especial de ativo criptografado que tem como base, em sua maioria, a tecnologia blockchain.

O que é blockchain

O blockchain é um tipo específico de banco de dados armazenado de forma pública, ou seja, não possui um controle central. Sua principal função é distribuir as informações de maneira transparente e auditável.

Resumidamente, podemos comparar o blockchain com um banco de dados, mas ao invés de ser um banco de dados tradicional – que é centralizado por uma empresa e somente ela escreve e muda as informações – o blockchain é descentralizado.

Isso significa que milhares de pessoas podem escrever no blockchain – desde que respeitem as regras – e milhares de pessoas podem olhar e verificar se as informações estão corretas, de acordo com as regras do protocolo.

Atualmente, cerca de 95% das criptomoedas armazenam suas transações no blockchain, o que oferece segurança e transparência para o sistema.

Como surgiram as criptomoedas

O Bitcoin foi a primeira moeda digital descentralizada. Tudo começou no final de 2008, quando foi publicado de forma independente um artigo científico nomeado como “Bitcoin: A Peer-to-Peer Electronic Cash System”.

O autor é identificado pelo pseudônimo de Satoshi Nakamoto, mas ninguém sabe ao certo a quem este nome se refere, se é a um programador ou a um grupo de programadores.

O bitcoin foi o responsável por inovar e permitir que transações financeiras on-line fossem realizadas diretamente entre pessoas, sem a necessidade de intermediários e nem de um governo para cumprir o papel de regulador.

O que se sabe é que tanto o bitcoin quanto às demais milhares de moedas digitais que existem atualmente são responsáveis pela revolução das transações financeiras que ocorrem no mundo digital.

Vantagens e desvantagens das criptomoedas

Conheça as vantagens e desvantagens das criptomoedas em relação ao dinheiro tradicional:

Vantagens

  • Oferta limitada e previamente determinada;
  • Só existe de forma eletrônica, facilmente transferível;
  • 100% transparente e auditável por todos os participantes;
  • Não pode ser falsificado, nem ter transações revertidas.

Desvantagens:

  • Alto custo de validação das transações;
  • Pouco aceitas em escala mundial;
  • Usuário é responsável pela própria custódia (guarda) das senhas.

Cuidados ao investir em criptomoedas

Atualmente, por conta da popularização, as criptomoedas também estão sendo alvo de esquemas fraudulentos, as conhecidas pirâmides financeiras.

Para se proteger desses golpes – não apenas com criptomoedas, mas em qualquer investimento – preste atenção nos seguintes pontos:

  • Quando alguém oferecer um investimento, ele deve deixar claro os riscos e estar à disposição para tirar suas dúvidas
  • Não acredite em retornos fixos de investimentos – até a renda fixa tem volatilidade
  • Desconfie de ganhos altos e rápidos
  • Quando o investimento não oferece explicação de onde vem seus rendimentos, provavelmente é esquema de pirâmide
  • Pesquise o investimento e a instituição financeira para não ser vítima desse tipo de golpe
  • Não acredite em ofertas boas demais
  • Não existe garantia de rentabilidade
  • Não existe “o algoritmo super eficiente que desenvolvemos”
  • A conta na corretora deve ser aberta no nome e CPF do cliente

Além disso, tome bastante cuidado com suas operações, escolhendo senhas fortes e diferentes em cada site. Se possível, ative a autenticação em dois fatores e tenha um bom antivírus atualizado. Não entre em sites suspeitos e verifique se o site que você está acessando possui conexão criptografada.

Onde comprar criptomoedas?

É possível comprar criptomoedas em empresas do tipo “exchanges”, que são bastante parecidas com as corretoras tradicionais.

As exchanges são responsáveis por organizar o mercado para a negociação de moedas digitais. Assim, vendedores e compradores de criptomoedas devem inserir no sistema uma ordem com a quantidade total e o preço unitário que pretendem negociar.

Dessa forma, as quantidades e os preços que serão transacionados não tem interferência da corretora, sendo determinados pela oferta e demanda dos clientes.

Comparando com as corretoras tradicionais, a principal diferença é que as exchanges funcionam como bolsas de valores independentes, possibilitando ter cotações variadas da mesma moeda entre plataformas concorrentes.

O Mercado Bitcoin – empresa do Grupo 2TM, assim como a ParMais – está entre as 25 exchanges mais confiáveis do mundo, segundo estudo conduzido pelo Blockchain Transparency Institute (BTI). Clique aqui para conhecer.

Principais criptomoedas do mercado

Separamos as cinco criptomoedas mais famosas do mercado atualmente:

Bitcoin

É a primeira criptomoeda do mercado e também a mais valiosa. O propósito da Bitcoin é ser uma moeda “Peer-to-Peer”, ou seja, de pagamentos entre pessoas sem a necessidade de um intermediário. As principais características são:

  • Descentralizado – não tem uma pessoa ou órgão controlando a emissão ou preços
  • P2P – de pessoa para pessoa
  • Sem fronteiras – é possível transferir bitcoin ao redor do mundo para qualquer pessoa
  • Imutável – depois que um registro é feito, não pode ser mudado

Ethereum

É uma blockchain que permite que contratos inteligentes e DApps (aplicativos descentralizados) operem na sua rede.

XRP Ripple

É uma criptomoeda super centralizada e projetada para ajudar os bancos e instituições financeiras a movimentar dinheiro de forma mais rápida, mais barata e de forma global.

Bitcoin Cash

Criada para pagamentos no dia a dia – como o cafézinho, roupas, supermercado, entre outros – com taxas baratas e transações rápidas. Ela é uma versão do Bitcoin, mas com algumas diferenças, sendo a principal delas o tamanho dos blocos da rede, pois enquanto no bitcoin cada bloco tem 1MB, no Bitcoin Cash cada bloco possui 32MB, o que acaba tornando as transações da Bitcoin Cash mais rápidas.

Litecoin

A litecoin é projetada para ter transações mais rápidas e baratas que o bitcoin e assim, também ser usada para pagamentos de coisas do dia a dia.

Conclusão

O mercado das criptomoedas está crescendo cada vez mais e é muito importante conhecermos os conceitos, como funciona e saber quais são as principais moedas digitais do mercado atualmente.

As criptomoedas oferecem diversas facilidades, como o fato de não precisar de intermediários para as transações e de não estar vinculada às regulações e fiscalizações de nenhum país. Isso tende a revolucionar a forma como as transações financeiras são feitas em todo o mundo.

Mas, assim como em qualquer outro investimento, alguns cuidados devem ser tomados antes de optar pelas criptomoedas, evitando surpresas desagradáveis e prejuízos financeiros.

Gostou do conteúdo? Você pode gostar desses também:

Deixe seu comentário

Comentário(s): 3

       
  1. O Bitcoin é o futuro quem investir agora mas a frente vai estar feliz da vida bem esclarecedor seu artigo.

  2. Interessantíssimo o artigo. Completo e direto ao ponto. Como sugestão, diria para abrir um parêntese no texto para comentar que, por sua discrição e difícil rastreamento, estas moedas, principalmente a Bitcoin, estão sendo apropriadas por esquemas ponzi (piramidal) a fim de atrair pessoas em busca de investimentos altamente lucrativos, no que, na verdade, é um golpe/crime financeiro. Vi isto acontecendo na prática: um amigo me apresentou uma “fórmula para ganhar dinheiro fácil”, sem produzir nada, só investindo em Bitcoins, quando na verdade ele não percebe estar dentro de algo que se utiliza desta moeda para fins escusos. No mais, um tríplice e fraterno abraço a vocês.

    1. Isaque Correa, que bom que gostou do artigo e obrigado pela contribuição. Realmente precisamos estar atentos às promessas de ganhos fáceis.

Últimas publicações