Pix: entenda como funciona o novo sistema de Pagamentos Instantâneo do Banco Central

  • 28/08/2020
Página inicial - Vida financeira - Pix: entenda como funciona o novo sistema de Pagamentos Instantâneo do Banco Central

A partir do dia 16 de novembro, o PIX – Sistema de Pagamentos Instantâneo – criado e gerido pelo Banco Central do Brasil (BCB), permitirá a realização de transferências e pagamentos de forma quase imediata – estima-se até 10 segundos para realizar as transações – inclusive em relação à disponibilização dos recursos para o recebedor.

A disponibilidade do sistema será 24/7/365, ou seja, disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana e todos os 365 dias do ano. Em resumo, o sistema promete atender a todas as situações em que as pessoas precisem realizar algum tipo de pagamento, em qualquer dia e horário.

Quem poderá utilizar o Pix do Banco Central?

​Qualquer pessoa física ou jurídica que possua uma conta transacional – que pode ser uma conta corrente, poupança ou conta de pagamento pré-paga – em um prestador de serviço de pagamento – instituições financeiras, instituições de pagamento, fintechs, entre outras – participante do Pix.

Quais instituições ofertam o Pix?

Instituições financeiras (IFs) e instituições de pagamento (IPs), incluindo fintechs, podem ofertar o Pix do Banco Central aos seus clientes.

IFs ou IPs autorizadas pelo BC com mais de 500 mil contas de clientes ativas (considerando contas de depósito à vista, conta de depósito de poupança e conta de pagamento pré-paga) ofertarão o Pix de forma obrigatória.

As demais IFs e IPs, inclusive as IPs não sujeitas à autorização pelo BC, podem ofertar esse serviço de forma facultativa, desde que façam adesão ao Pix.

Para saber quais as instituições autorizadas a oferecer o serviço, basta acessar a lista no site do BC.

Como usar o PIX?

O sistema estará disponível para correntistas de bancos e clientes de fintechs e financeiras credenciadas pelo BC. Ele será disponibilizado pelos prestadores de serviço de pagamento (instituições financeiras e instituições de pagamento) em seus diversos canais de acesso, principalmente pelo celular.

Para utilizar o Pix do Banco Central, a pessoa deverá acessar o aplicativo da instituição onde tem conta e escolher a opção de pagamento instantâneo. Após, basta definir se será feito um pagamento ou recebimento e selecionar o tipo de chave para identificar o recebedor.

Chave Pix

A chave Pix é um “apelido” utilizado para identificar sua conta. Ela representa o endereço da sua conta no Pix. Serão quatro tipos de chave que poderão ser utilizadas:

  • CPF/CNPJ;
  • E-mail;
  • Número de telefone celular; ou
  • Chave aleatória.

A chave vincula uma dessas informações básicas às informações completas que identificam a conta transacional do cliente (identificação da instituição financeira ou de pagamento, número da agência, número da conta e tipo de conta).

A chave aleatória é uma forma de você receber um Pix sem precisar informar quaisquer dados pessoais ao pagador. Ele será um conjunto de números, letras e símbolos gerados aleatoriamente que identificará sua conta e que poderá ser utilizado para o recebimento de recursos.

O registro das chaves será por meio de um dos canais de acesso da instituição em que você possui conta. Para realizar o registro, você precisará confirmar a posse da chave e vinculá-la a uma conta para recebimento dos recursos.

Você poderá usar chaves distintas para vincular as diferentes contas transacionais. Por exemplo, usar o número de telefone celular vinculado à conta corrente da instituição X, usar o CPF vinculado à conta poupança da instituição Y, usar o e-mail vinculado à conta de pagamento da instituição Z, etc.

Também é possível vincular todas as suas chaves (CPF, número de celular e e-mail) a uma mesma conta. Contudo, não é possível vincular uma mesma chave a mais de uma conta.

Importante ressaltar que existe um limite de cinco chaves por conta para pessoas físicas e de 20 (vinte) chaves por conta para pessoas jurídicas.

Como realizar um Pix?

Para realizar um pagamento via Pix, você pode:

  • ler um QR Code com a câmera do seu smartphone
  • informar a chave Pix do recebedor

A opção de digitar manualmente os dados da conta transacional do usuário recebedor continuará disponível, embora não seja o padrão esperado.

Independentemente de suas características, como valor, característica do recebedor, característica do bem ou serviço comprado, horário, etc., qualquer transação de pagamento poderá ser feita por Pix.

Em resumo, poderão ser realizadas transferências entre pessoas, pagamento de taxas e impostos, compra de bens ou serviços, inclusive no comércio eletrônico, pagamento de fornecedores e qualquer outra transação. Não há limite mínimo para pagamentos ou transferências via Pix e a única condição para que a operação se concretize é que o recebedor aceite o Pix.

Para receber um Pix, você pode:

  • gerar um QR Code e apresentá-lo ao pagador
  • informar ao pagador sua chave Pix

Alternativa para TED e DOC

O Pix do Banco Central surge como uma nova opção no mercado, pois passa a ser uma alternativa mais rápida e barata para fazer transferências e pagamentos.

Atualmente, o pagamentos são realizados por transações físicas, cartões, boletos ou papel moeda e as transferências entre contas bancárias são realizadas por TED ou DOC, porém, essas operações possuem taxas – algumas bem altas – e podem demorar dias para serem efetuadas.

Com o Pix, as transações para pessoas físicas serão efetivadas instantaneamente e sem custos ou com o valor mais barato do que o cobrado atualmente – ficará a critério de cada instituição definir as taxas.

Vale ressaltar que assim como a TED e o DOC, o Pix é um meio de pagamento à disposição da população. Trata-se de uma forma adicional de realizar pagamentos e transferências. Não há intenção do BC em extinguir outros meios de pagamento.

Confira as principais diferenças entre o Pix do Banco Central e os demais meios de pagamento:

Pix e TED/DOC

Do ponto de vista do pagador:

TED/DOC Pix do Banco Central
Forma de pagamento Pagador precisa conhecer e digitar os dados do recebedor, como seu banco, o número da agência, o número da conta, o tipo da conta e seu CPF ou CNPJ Pagador precisa apenas:
  • dar um clique na informação da chave que já está armazenada no celular; ou
  • ler o QR Code do recebedor.
Notificação Pagador nem sempre é notificado. Pagador sempre será notificado a respeito da conclusão da transação (inclusive em caso de insucesso).
Disponibilidade Somente está disponível em dias úteis, entre 6 horas da manhã e cinco e meia da tarde, em geral. Pode ser iniciado em qualquer dia e horário.
Escopo Uso mais limitado. Atende qualquer caso de uso.

Do ponto de vista do recebedor:

TED/DOC Pix do Banco Central
Recebimento do recurso Apesar de os recursos estarem disponíveis no mesmo dia, o momento dessa disponibilização é incerto. Recursos disponíveis na conta em poucos segundos.
Notificação Recebedor nem sempre é notificado. Recebedor é notificado da disponibilização dos recursos na conta, a cada transação.
Disponibilidade Somente está disponível em dias úteis, entre 6 horas da manhã e cinco e meia da tarde, em geral. Pode ser aceito em qualquer dia e horário./td>
Escopo Uso mais limitado. Atende qualquer caso de uso.

As mesmas diferenças existentes entre o Pix do Banco Central e a TED se aplicam para o DOC.
A única especificidade é que a disponibilização do DOC para o recebedor é ainda mais demorada do que no caso da TED: o DOC só é disponibilizado no dia útil seguinte ao momento da sua iniciação.

Pagar boletos com Pix

Será possível o pagamento de contas e de faturas com o Pix do Banco Central. O boleto é um meio de pagamento distinto do Pix, com regras próprias. Por exemplo, a forma e o tempo de liquidação dos boletos, ou seja, de repasse dos recursos entre os usuários e as instituições envolvidas, não é em tempo real, como ocorre no Pix.

Porém, o recebedor terá a opção substituir o boleto ou complementar a cobrança com uma das formas de iniciação do Pix do Banco Central, como o QR Code. Dessa forma, contas e faturas poderão conter dois instrumentos de pagamento: o código de barras do boleto e o QR Code do Pix. Nesse caso, tratam-se de formas de pagamento distintas, ainda que possam estar previstas na mesma conta ou fatura, por opção do credor.

Importante ressaltar que o documento que contenha apenas o código de barras, e não contenha o QR Code, não pode ser pago utilizando Pix do Banco Central.

Diferença entre Pix e Boleto

Do ponto de vista do pagador:

Boleto Pix do Banco Central
Forma de pagamento Pagamento é via leitura ou digitação do código de barras. Pagador precisa apenas:
  • ler o QR Code do recebedor.
Notificação Pagador não é notificado. Pagador sempre será notificado a respeito da conclusão da transação (inclusive em caso de insucesso).
Disponibilidade Geralmente o pagamento somente está disponível em dias úteis. Pagamento pode ser iniciado em qualquer dia e horário./td>
Escopo Tem uso mais limitado. Atende qualquer caso de uso.

Do ponto de vista do recebedor:

Boleto Pix do Banco Central
Recebimento do recurso Recursos só estão disponíveis no dia útil seguinte ao dia em o boleto é pago. Recursos disponíveis na conta em poucos segundos
Notificação Recebedor nem sempre é notificado. Recebedor é notificado da disponibilização dos recursos na conta, a cada transação
Disponibilidade Geralmente o pagamento somente está disponível em dias úteis. Pode ser aceito em qualquer dia e horário./td>
Escopo Tem uso mais limitado. Atende qualquer caso de uso.
Facilidade Emissão do boleto tem regras próprias, que podem ser complexas. A geração de QR Code para aceitação de Pix é muito simples.

Quando o Pix do Banco Central será lançado?

O lançamento do Pix será de acordo com o seguinte calendário:

  • 05 de outubro: Início do processo de registro das chaves Pix;
  • 03 de novembro: Início da operação restrita do Pix;
  • 16 de novembro: Lançamento do Pix para toda a população.

Conclusão

Pix é o novo meio de pagamentos disponibilizado pelo Banco Central para fazer pagamentos e transferências de forma prática e rápida. Estima-se que as transações sejam efetuadas em até dez segundos.

Diversas são as possibilidades com o Pix do Banco Central, como por exemplo, transações entre pessoas, negócios, e-commerce, pagamento de contas/faturas, pagamento de serviços públicos, entre outros.

Em resumo, o pagamento por Pix pode ser feito de todos para todos, basta que tanto o pagador como o recebedor aceitem o Pix.

Deixe seu comentário

Comentário(s): 4

       
  1. O Pix do BC será uma forma mais fácil, rápida e barata para realizar transferências bancárias agilizando a disponibilização do repasse de recursos.

    1. João, boa tarde!
      Isso mesmo! O Pix será um novo meio de pagamento à disposição da população.
      Desejamos um ótimo final de semana!

  2. Eu acho que a pessoa tem que escolher como movimentar a conta imagina pra uma pessoa idosa que não tem familiaridade com celular como vai fazer.

    1. José, bom dia!
      As formas já existentes de movimentações de conta irão continuar. O Pix surge como um novo meio de pagamento à disposição da população. Trata-se de uma forma adicional de realizar pagamentos e transferências. Não há intenção do Banco Central em extinguir outros meios de pagamento.
      Até mais!

Últimas publicações