O que vale mais a pena, investir em um PGBL ou no Tesouro IPCA+?

  • 17/07/2018
Página inicial - capital - O que vale mais a pena, investir em um PGBL ou no Tesouro IPCA+?

IPCA X PGBL

Quem pensa em investir para o seu futuro muitas vezes se depara com uma escolha difícil. Existem diversas possibilidades de investimento, cada uma com seus prós e contras, e compará-las pode ser uma tarefa difícil. A pedido de um leitor, nesse artigo vamos analisar se vale mais a pena investir em um PGBL ou no Tesouro IPCA+, pontuando os principais pontos de atenção.

PGBL x Tesouro IPCA+

Tanto o PGBL quanto o Tesouro IPCA+ são opções de renda fixa adequadas para um investimento de longo prazo, como por exemplo o investimento para uma aposentadoria futura. Apesar disso, os dois tem algumas características bastante diferentes entre si, que faz com que o produto ideal seja diferente para cada pessoa.

A tributação, liquidez, taxas cobradas e a rentabilidade são os pontos mais importantes para fazer a análise do investimento ideal, então vamos falar um pouco sobre cada ponto para ajudá-los na decisão.

Tributação

A tributação do Tesouro IPCA+ e de qualquer título do Tesouro Direto é feita pela tabela regressiva do Imposto de Renda. Isso significa que, caso você decida investir nesse título para o longo prazo, pode alcançar a alíquota mínima de 15% para os seus rendimentos caso eles fiquem aplicados por mais de 720 dias.

Essa é a alíquota padrão da maioria dos investimentos e não existe grande vantagem tributária relativa ao investir no Tesouro IPCA+.

Já o PGBL tem grandes vantagens tributárias. Caso você faça a declaração completa do imposto de renda, o investimento no PGBL diminui a sua renda tributável, resultando em um ganho tributário de até 12% da sua renda. Além disso você tem um diferimento de pagamento do IR durante todo o prazo que o dinheiro estiver investido. O pagamento de IR só é devido no resgate do dinheiro, mas nesse caso incide sobre todo o valor que for resgatado, não apenas os rendimentos.

Como no PGBL, você não precisa pagar IR enquanto deixar o dinheiro investido e ainda por cima tem um ganho tributário imediato ao investir. Nesse sentido o PGBL é bem superior ao Tesouro Direto.

Quero ter certeza que a minha atual estratégia é a melhor pra mim

Liquidez

Quem está pensando em investir para a sua aposentadoria provavelmente não está preocupado com a liquidez dos seus investimentos. Apesar disso, imprevistos acontecem, portanto é bom saber como funciona a liquidez desses títulos.

No Tesouro Direto, o próprio Tesouro Nacional garante a recompra dos seus títulos com prazo de resgate de um dia. Isso significa que caso você precise do dinheiro não há nenhum tipo de penalização e você terá acesso ao mesmo em um prazo curtíssimo.

No PGBL o caso já é diferente. Esses planos têm prazos de carência que prejudicam a liquidez do seu investimento. As carências costumam ser de longo prazo, no qual você não pode resgatar o seu dinheiro mesmo que queira. Caso haja a previsão de resgate antecipado, ele geralmente é penalizado pela cobrança de uma taxa de resgate que incide sobre o total investido. Sendo assim, em termos de liquidez, o Tesouro Direto é melhor que o PGBL.

Taxas cobradas

Algo que pode deteriorar significativamente a rentabilidade do seu investimento são as taxas cobradas. Um dos grandes benefícios do Tesouro Direto é que praticamente não são cobradas taxas. A única taxa obrigatória é a taxa de custódia, no valor de aproximadamente 0,3% ao ano e que é cobrada pela BM&FBovespa. Caso a sua corretora cobre alguma outra taxa ela também vai incidir sobre os rendimentos, no entanto no próprio site do Tesouro Direto é possível ter acesso a uma grande lista de corretoras confiáveis que não cobram taxas.

Já os PGBLs têm taxas e elas costumam ser bastante altas. Além da taxa de administração, que é comum em fundos de investimento em geral, os PGBLs ainda cobram taxa de carregamento, que incide direto sobre a contribuição realizada. Segundo estudo sobre a taxa dos PGBLs e VGBLs, ela é na média 2,2% ao ano, bastante alta e muito acima do que costuma ser cobrado no mercado como um todo.

Nesse aspecto o Tesouro Direto também é muito mais atrativo.

Rentabilidade

Por mais que as outras questões sejam importantes, a principal delas é a rentabilidade. Afinal qual deles rende mais no tempo?

Comprando um título do Tesouro IPCA+ você já sabe na hora da compra o valor que ele pagará ao ano até o vencimento. Um título com vencimento em 2045, por exemplo, paga atualmente toda a variação do IPCA+ 5,81% ao ano. A taxa desse título varia com o tempo e antes do seu vencimento o título pode até ter rentabilidade negativa em alguns meses, no entanto se ele for mantido até o vencimento existe a garantia que você receberá o valor acordado na compra.

O caso dos PGBLs pode variar bastante. Como esses fundos de previdência podem aplicar em vários ativos, eles podem ter retornos bem diversos. Apesar do potencial de ter retornos expressivos, a maioria das pessoas que aplica em PGBLs escolhe os perfis menos agressivos. Segundo um estudo sobre a rentabilidade dos PGBLs e VGBLs, apenas 49,7% dos fundos conseguiram superar o CDI em 2017 e 2016, mesmo o CDI estando em queda nesse período.

Para perceber melhor essa relação, mostramos ainda os gráficos de rentabilidade abaixo. Nele temos o IMA-B, que é um índice da rentabilidade média dos Tesouro IPCA+ de diversos vencimentos, e um PGBL de uma grande instituição financeira.

Gráfico - IMA-B x PGBL

Perceba que de 2015 até hoje a rentabilidade do IMA-B foi maior que a do PGBL. Na média os títulos do Tesouro Direto costumam ter um rendimento maior que os PGBLs, no entanto é possível encontrar PGBLs com rendimento superior ao Tesouro.

Conclusão

Tesouro IPCA+ PGBL
Tributação
Liquidez
Taxas
Rentabilidade
Geral

Em termos de tributação é claramente superior aos títulos do Tesouro Direto. Já em liquidez e taxas o Tesouro IPCA+ é melhor.

Em rentabilidade, nenhum dos dois tem vantagem clara sobre o outro, mas na média o Tesouro IPCA+ tende a ser melhor. Fora isso o Tesouro IPCA+ apresenta também risco de crédito menor que os PGBLs.

O caso de cada pessoa deve ser avaliado individualmente e algum dos pontos discutidos acima podem fazer mais sentido para uma pessoa e menos para outra. Ainda assim na nossa análise acreditamos que vale mais a pena investir no Tesouro IPCA+ do que os PGBLs.

Deixe seu comentário

Comentário(s): 0

Últimas publicações