Série Estratégias de Investimento – Fundos de participações

  • 05/06/2018

fundos de participaçoes

Continuando a série ESTRATÉGIAS DE INVESTIMENTO, falaremos neste artigo sobre Fundos de participações. Private Equity e Venture Capital são alguns dos conceitos e estratégias utilizadas nessa classe de ativo. Esses são fundos com potencial de valorização muito grande, mas ao mesmo tempo são alguns dos fundos com maior risco do mercado, por isso é bom entender um pouco sobre eles: suas características, principais vantagens, desvantagens e estratégias.

O que são Fundos de investimento em participações?

O FIP, assim como outros fundos, é a congregação de investidores com um objetivo em comum. Assim como os fundos de ações, os FIPs são fundos de renda variável que investem em empresas. Enquanto os fundos de ações investem em empresas de capital aberto, a maioria dos FIPs investem em empresas de capital fechado, ou seja, que não são negociadas na Bolsa de Valores. Além de empresas de capital fechado, os FIPs podem investir ainda em Sociedades de Propósito Específico (SPEs) ou até em empresas de capital aberto que tenham pouca liquidez no mercado.

Uma característica dos Fundos de participações é que eles funcionam como um condomínio fechado. O administrador do fundo capta recursos com investidores, que por sua vez se comprometem a manter o dinheiro investido por longos períodos de tempo. As cotas desse tipo de fundo geralmente são resgatadas no término previsto do fundo.

O investimento de um FIP tem papel importante no que diz respeito às empresas de Private Equity, ou seja, de capital fechado. O FIP traz exigências e uma profissionalização na gestão da empresa semelhante às exigências das empresas de capital aberto. A experiência de gestão da equipe do FIP também tende a trazer bons resultados para a empresa investida. Fora isso, a entrada de um novo investidor e do seu aporte de capital pode servir para projetos de expansão, aquisição, entre outras questões relevantes no âmbito da empresa.

No Private Equity especificamente o papel do gestor é encontrar companhias com bom potencial e que necessitem de capitalização. A melhora na eficiência operacional, gestão e na estrutura de capital da empresa tende a aumentar o valor da empresa e, consequentemente, do investimento. Por fim, a saída do investimento pode se dar de diversas formas. Seja através da venda da participação para outro fundo, abertura de capital da empresa ou fusão e aquisição da empresa, o objetivo é gerar o maior valor possível para os investidores cotistas do fundo.

Vantagens e desvantagens dos Fundos de participações

Vantagens

A principal vantagem do investimento em um fundo de participações é o investimento em empresas com grande potencial já desde as fases iniciais. O investimento no começo do ciclo da empresa traz um potencial de valorização muito maior do que o investimento nas fases subsequentes, apesar de envolver também muitos outros riscos.

Outra vantagem diz respeito à governança da empresa. Um investidor poderia decidir investir sozinho em uma empresa na qual visse potencial. O investimento através de um FIP, no entanto, introduz a figura do gestor, administrador, custodiante, auditor independente, entre outras. Eles servem para trazer mais segurança ao investidor, especialmente na apuração do valor real do investimento do fundo.

Desvantagens

Os FIPs têm um altíssimo potencial de valorização, mas os seus riscos são igualmente altos. Justamente por investir em empresas em fases iniciais, a chance do negócio não dar certo é maior do que em empresas já estabelecidas, sendo esse o maior risco de um fundo de participações.

Por serem empresas de capital fechado, essas empresas não tem a exigência de divulgar publicamente os seus números, logo não são analisadas profundamente como as empresas de capital aberto. Isso faz com que haja uma menor transparência quando ao valor real da empresa, seja no momento da compra, seja para verificar se a nova gestão está trazendo valor à empresa.

Outra questão importante desses fundos diz respeito à sua liquidez. Geralmente os fundos são fechados por longos períodos, de 5 a 10 anos sendo os prazos mais frequentes. Essa falta de liquidez é uma característica desse tipo de fundo, mas agrega risco ao investimento. Pode ser que nesse período você precise acessar o valor investido ou tenha uma outra oportunidade de investimento que lhe interesse mais, no entanto não será possível resgatar antecipadamente o valor investido a menos que haja previsão no regulamento.

Finalmente, outra desvantagem são as limitações para investir nesse tipo de fundo. Apenas investidores qualificados podem acessar esses fundos, dificultando o investimento por parte do pequeno investidor. Fora isso, a maioria dos FIPs tem investimentos mínimos bastante altos, o que também dificulta o acesso a esse tipo de fundo.

Estratégias em Fundos de participações

Participações Capital Semente (Venture Capital)

São fundos que investem em empresas com receita bruta anual de até 16 milhões de reais. O investimento acontece em empresas em fase embrionária, com grande potencial de crescimento, porém sem mercado consolidado. Nessa estratégia há um maior risco por incertezas no negócio, mas o potencial de retorno também é significativamente maior.

Participações Empresas Emergentes (Private Equity)

Essa estratégia é voltada à aquisição de participação em empresas com receita bruta anual de até 300 milhões de reais. O foco são empresas já estabelecidas no mercado ou em fase de expansão. As principais vantagens são a maior experiência de mercado e maior histórico de operações. Essa estratégia exige um maior volume de investimento e tem, em geral, um prazo mais longo de maturação.

Participações Infraestrutura

Tem como objetivo o investimento em projetos de infraestrutura e desenvolvimento. Dentre os investimentos possíveis estão projetos na área de energia, transporte, água, saneamento básico, florestas, entre outros.

Participações Imobiliário

Foca especificamente no desenvolvimento de empreendimentos no setor imobiliário. A finalidade pode ser o desenvolvimento seguido ou não da exploração da renda do empreendimento.

Participações Multiestratégia

Agrega as que não se enquadram nas categorias anteriores. Nela pode haver um conjunto das estratégias acima, podendo-se ainda investir em empresas de capital fechado no exterior, desde que haja previsão no regulamento do fundo. A congregação de diferentes estratégias ajuda a diminuir a dependência de um empreendimento específico para que o investimento obtenha retorno.

Conclusão

Os FIPs são fundos que funcionam como condomínios fechados, tendo geralmente um prazo de abertura e de fechamento do fundo. Eles investem principalmente em Private Equity. Esse tipo de investimento tem baixa correlação com outras estratégias de investimento e também um grande potencial de valorização. Apesar disso, os riscos desse tipo de investimento também são enormes, portanto uma extensa análise prévia é essencial.

Nesse tipo de estratégia é especialmente importante encontrar um gestor com larga experiência nesse tipo de investimento. O processo de captação do fundo, seleção das empresas investidas e desinvestimento do fundo são todos muito importantes para a valorização do investimento no longo prazo. Confira a série ESTRATÉGIAS DE INVESTIMENTO para saber mais sobre outros tipos de estratégia.

Resumo
Série Estratégias de Investimento - Fundos de participações
Nome do artigo
Série Estratégias de Investimento - Fundos de participações
Descrição
Os FIPs são fundos que investem em empresas. Conhecidos como Private Equity e Venture Capital. Com potencial de valorização muito grande, mas ao mesmo tempo são alguns dos fundos com maior risco do mercado.
Autor
Nome do editor
Par Mais

Deixe seu comentário