Quanto custa um carro

  • 28/06/2016
Página inicial - uso consciente - Quanto custa um carro
quanto custa um carro

Há quem acredite que comprar um carro é um investimento. Ao menos pensam “não estou jogando dinheiro fora pois, por mais que o use, sempre terá um valor de venda”. Mas carro não é, salvo raras exceções, um investimento. É na verdade um bem de consumo bastante caro, mas que poucas pessoas realmente enxergam quanto custa um carro, os diversos gastos e que ele gera de despesas ao longo do tempo.

Veja quanto custa um carro, uma das maiores paixões nacionais

O Brasil é um dos maiores países consumidores de carro, é claro por consequência de sua grande população, mas o número de carros per capita também é alto para os padrões de país de terceiro mundo como é. Mesmo com os altos impostos e os subsídios dados as montadoras, que acarretam em um preço final elevado, o brasileiro é apaixonado por carros e os números corroboram isso.

Porém, pela falta de planejamento financeiro na hora da compra do carro muitos brasileiros acabam se perdendo no financiamento do automóvel. Só no primeiro semestre de 2015, o número de veículos recolhidos por falta de pagamento aos bancos subiu 19%, isso significa dezenas de milhares de automóveis sendo devolvidos, judicialmente ou voluntariamente. Portanto, planejar os custos que terá o veículo para os próximos anos é imprescindível antes da compra.

Custos indiretos, mas necessários

Fora as prestações do financiamento, um automóvel tem diversos custos extras: combustível, impostos, seguro, pequenas manutenções e eventuais multas são algumas delas. Mas fora esses custos diretos, tem alguns que são invisíveis ao consumidor mais desatento. O carro muito provavelmente será mantido em uma garagem. Para quem mora em apartamento, como a maior parte dos brasileiros, o custo do aluguel de uma garagem pode ser um valor bem substancial. Mesmo os que já possuem uma garagem e assim, não precisariam alugar de um vizinho, esse custo deve ser levado em conta, afinal poderia se alugar a garagem inutilizada para outro morador.

Outro custo, difícil de ser levado em conta, é a depreciação do carro ao longo dos anos. Sabe-se que o carro, a partir do momento que sai da concessionaria, já perde valor de mercado. Gradativamente, ao longo dos anos, esse valor continua declinando. Para ajudar a entender esses custos, diretos e indiretos, supomos que você tenha um carro de aproximadamente R$40.000 e rode com ele, em média, cerca de 40km por dia.

Despesa Valor (ano) Valor (mês)
Gasolina R$ 5.250,00 R$ 437,50
Depreciação R$ 4.000,00 R$ 333,33
Garagem R$ 250,00 R$ 20,83
Seguro R$ 1.500,00 R$ 125,00
IPVA R$ 1.000,00 R$ 83,33
Manutenção R$ 1.000,00 R$ 83,33
(=) Total final R$ 13.000,00 R$ 1083,33

Esses seriam os custos gerais de manter um carro, isso é claro supondo que o veículo já seja seu, sem contar as prestações que possam haver de um financiamento. Outro fator importante, que não foi levado em conta, é o que se deixa de ganhar com o valor utilizado para a compra do veículo, no nosso caso, R$40.000.

Nos dias de hoje, com juros elevados, uma aplicação segura renderia em um ano facilmente R$5.000 reais e que de certo modo, deveriam ser incluídos no orçamento na hora de decidir ou não pela compra. Nesse caso, os “custos” totais, passariam dos R$1.500 reais ao mês.
quanto custa um carro

A geração Y e sua relação com os carros

Um carro tem diversos benefícios. A vantagem de se locomover pela cidade, ou até viajar para outras, no momento que quiser sem depender de terceiros conta bastante, principalmente para quem tem esposa e filhos. Mas é cada vez mais comum os jovens postergarem essa aquisição.

A chamada geração Millenium (ou geração Y), vem dado bastante dor de cabeça as montadoras de veículos, já que a queda no número de compradores dessa faixa etária caiu significativamente, e um dos motivos são os alto custos de manter um carro na garagem.

Embora seja uma decisão pessoal de cada um, a compra ou não de um automóvel, deve sempre levar em conta todos os custos que ele terá e se esses custos estão enquadrados no orçamento. A devolução do carro para um banco, por falta de pagamento, ou a necessidade de vender rapidamente o veículo em uma situação adversa pode tornar o prejuízo ainda maior.

Leia também:

Quitar o financiamento do carro, vale a pena?

.

Deixe seu comentário

Comentário(s): 0

Últimas publicações