O que são fundos de investimentos?

  • 23/02/2016
Página inicial - social - O que são fundos de investimentos?

o que são fundos de investimentos

 

Leitor, com esse artigo estamos dando início a uma série de conteúdos gerados pela Par Mais com o propósito de empoderá-lo financeiramente.

O empoderamento financeiro trata de um processo no qual nós queremos transmitir conteúdos, informações e ferramentas para que você tenha o controle sobre as suas finanças, conhecendo as vantagens, riscos e consequências de cada possibilidade de investimento. A partir de agora, às terças feiras vamos publicar textos didáticos, com conteúdos conceituais e às quintas feiras traremos um conteúdo opinativo, acerca do mesmo tema tratado na terça. Nosso primeiro artigo desta série tem como tema: o que são fundos de investimentos.

 

O que são fundos de investimentos?

Existem diversas opções de aplicações financeiras no mercado. Uma das mais populares são os fundos de investimento. Nos fundos, o dinheiro de diversas pessoas é gerido de forma comum, fazendo com que eles sejam comparados a condomínios.

O patrimônio de um fundo de investimento é dividido em cotas. Sendo assim, quando alguém deseja investe seu capital é transformado em cotas, as quais sofrerão alterações de preço conforme a valorização ou desvalorização do patrimônio total do fundo.

Em um fundo, os investidores são donos das suas cotas, mas a propriedade dos bens pertence ao fundo de investimento. Os cotistas podem solicitar o resgate de seus valores aplicados a qualquer tempo.

A seguir vamos explorar dois tipos de classificações dos fundos de investimentos: i) quanto ao período em que os investidores podem realizar aplicações e resgates; e ii) quanto ao tipo de produtos financeiros que o fundo pode investir.

 

Período para aplicações e resgates nos fundos de investimentos

Em relação ao período em que é permitido aplicar ou resgatar valores, um fundo poderá ser aberto ou fechado.

Se o fundo for aberto, significa que a entrada e saída de investidores é permitida a qualquer tempo, bem como o aumento de participação dos antigos cotistas. Num fundo aberto o resgate de cotas é permitido, sendo que o fundo pode vender parte de seus ativos para entregar o valor correspondente ao cotista.

Um fundo fechado, por sua vez, possui um período de captação de recursos e depois disso ele é fechado para novos investidores. Após esse período alguns fundos permitem que suas cotas sejam negociadas no mercado secundário, como é o caso das bolsas de valores.

Os fundos fechados também trazem algumas vantagens, especialmente tributárias, por isso acabem sendo escolhidos quando se tem apenas um investidor (fundo exclusivo) ou grupo de investidores (fundo restrito).

 

Tipos de fundos de investimentos quanto à composição da carteira de ativos

Em relação a forma de remuneração de um fundo de investimento, existem diversos tipos. No entanto, trataremos de alguns principais: renda fixa, ações, cambial, multimercado, imobiliário e previdenciário. Essa classificação é dada pela Instrução CVM 555, responsável por ditar as regras dos fundos de investimentos registrados na CVM – Comissão de Valores Mobiliários.

Cabe lembrar que a taxa de rentabilidade anunciada pelo fundo de investimento costuma ser a taxa nominal, ou seja, o percentual bruto de rendimento. Portanto, para encontrarmos o valor do rendimento líquido de um fundo precisamos descontar o valor dos tributos cobrados.

 

Fundos de investimentos de renda fixa

Fundos de renda fixa devem aplicar pelo menos 80% dos seus recursos em ativos relacionados à variação da taxa de juros ou índice de preços (inflação). Essas informações sobre remuneração podem ser encontradas na lâmina de informações essenciais ou na própria plataforma online do banco ou corretora.

Os fundos de renda fixa poderão remunerar conforme o andamento de indexadores, os quais geralmente são índices que servem de referência para o mercado financeiro, como é o caso da taxa SELIC ou do CDI.

Outro exemplo são os fundos de investimentos de inflação, que costumam ser indexados ao IMA – Índice de Mercado Anbima – série B, ou simplesmente IMA-B. Este indexador contempla a remuneração das Notas do Tesouro Nacional, uma série de títulos do Tesouro que paga uma taxa fixa, pré-definida, mais a variação do IPCA, índice de inflação.

 

Fundos de Investimentos de ações

Devem ter como principal fator de risco a variação de preço de ações. Nos fundos de ações, no mínimo 67% do patrimônio líquido deve ser composto por ações.

Na verdade, a instrução CVM 555 permite que estes 67% sejam distribuídos em ações, mas também em ativos financeiros, como bônus de subscrição, cotas de outros fundos de ações e BDR’s – Brazilian Depositary Receipts, por exemplo. Os recursos que excederem 67% poderão ser aplicados em quaisquer outras modalidades de ativos financeiros.

 

Fundos de investimentos cambiais

Esses fundos normalmente são utilizados caso o investidor queira se proteger diante de possíveis desvalorizações do real, mantendo seu poder de compra em moeda estrangeira.

No entanto, ao contrário do que muitos imaginam, fundos cambiais não investem diretamente em moeda estrangeira.

Os fundos de investimentos classificados como cambiais devem investir principalmente em ativos relacionados diretamente com a variação de preços de moeda estrangeira ou a variação de cupom cambial. No mínimo 80% da carteira deve ser composta por este tipo de ativos ou derivativos relacionados.

Na prática, os fundos cambiais realizam operações nas quais eles constroem uma estrutura de carteira que troca a remuneração de títulos públicos – indexados à SELIC ou pré-fixados – pela variação cambial (normalmente do dólar) acrescida de uma taxa de juros.

 

Fundos de investimentos multimercado

Devem possuir políticas de investimento que envolvam diferentes tipos de ativos financeiros. Não há o compromisso de concentração em nenhum tipo específico, diferente dos demais fundos explicados anteriormente.

Os fundos multimercado são os que possuem maior liberdade para definir estratégias variadas de investimentos. Podem combinar os ativos de suas carteiras de diversas maneiras, comprando ações, títulos públicos, cotas de fundos cambiais, realizar operações com derivativos, entre outros.

 

Fundo de investimento imobiliário (FII)

Esses fundos são destinados para investimentos em empreendimentos imobiliários e remuneram seus cotistas com uma taxa pré-definida referente aos aluguéis e ganhos de capital obtidos com operações no mercado imobiliário.

São constituídos sob a forma de condomínio fechado. Suas cotas não podem ser resgatadas, mas podem ser negociadas em bolsa de valores ou no mercado de balcão – normalmente são negociadas na BM&FBovespa.

 

Fundos de investimento de previdência (PGBL, VGBL, FAPI, etc)

Possuem características de longo prazo e foco em complementar a aposentadoria do investidor. São fundos constituídos para aplicação de recursos de entidades abertas ou fechadas de previdência.

Cada tipo de fundo previdenciário possui peculiaridades. No momento da aposentadoria o investidor poderá optar entre realizar o resgate ou receber valores mensais para complementar sua renda de aposentadoria do Regime Geral de Previdência Social.

Entre os fundos de investimentos de previdência mais conhecidos estão: plano gerador de benefício livre – PGBL; vida gerador de benefício livre – VGBL; e fundo de aposentadoria programada individual – FAPI.

 

Agora, você já sabe o que são fundos de investimentos?

Esperamos ter esclarecido o que são e quais as principais modalidades de fundos de investimentos. É muito importante que você se empodere financeiramente e conheça os produtos mais comuns do mercado financeiro, para que possa se posicionar diante das diversas ofertas que surgem no dia a dia. Caso tenha dúvidas ou deseje se aprofundar em determinado assunto, entre em contato conosco. Empodere-se financeiramente e seja mais feliz!

 


 

Amigo leitor, leia mais sobre o que são fundos de investimentos em nosso blog. Separamos alguns artigos para você se empoderar financeiramente.

Par Mais – 23.02.2016

A Par Mais Empoderamento Financeiro tem um propósito claro: fazer com que as pessoas mudem sua relação com o dinheiro para alcançar a liberdade e serem mais felizes. Os especialistas da Par Mais desenvolveram um método que visa tornar qualquer pessoa capacitada a ter o controle das suas finanças. Conheça os nossos serviços. Clique aqui.

Deixe seu comentário

Comentário(s): 0

Últimas publicações