O que é risco de mercado?

  • 18/05/2017

O que é risco de mercado?

Com a globalização e a democratização da informação, os mercados são cada vez impactados mais rapidamente por eventos que acontecem em qualquer parte do mundo. Do fechamento de um mercado até sua próxima abertura – ou seja, da noite para o dia – muita coisa pode acontecer e mudar completamente o rumo dos investimentos. Acompanhe este artigo e entenda o que é risco de mercado.

Não existe investimento sem risco. Essa é a máxima, verdade incontestável para o mercado financeiro. Em todo o tipo de investimento há, automaticamente, uma dose embutida de risco, que via de regra será proporcional ao retorno esperado do investimento. É a famosa relação “risco x retorno”.

O risco do investimento pode ser fragmentado em diferentes fontes: risco de mercado, de liquidez, de crédito, de gestão, entre outros, cada qual envolvendo fatores específicos. Por exemplo, certos investimentos não têm risco de crédito, mas têm risco de liquidez. Porém, um dos principais riscos é o que vamos tratar neste artigo: o risco de mercado.

O que é risco de mercado?

O risco de mercado é,  dentre todos os diferentes riscos que incidem sobre um investimento, o mais conhecido. Isso porque ele reflete sobre grande parte dos investimentos e, principalmente, é o mais perceptível aos olhos do investidor.

Risco de mercado pode ser definido como as oscilações de preço decorrentes de eventos que atingem sistematicamente todo o mercado. Por isso, também é conhecido como risco sistêmico.

Os eventos que provocam essas oscilações produzem efeitos que atingem, em menor ou maior grau, uma série de ativos diferentes, mesmo que estes ativos não mantenham uma forte correlação. Nesses casos, mesmo as estratégias utilizadas pelos investidores que diversificam suas carteiras não conseguem uma proteção eficiente dos seus recursos. A diversificação protege de riscos não sistêmicos, específicos do ativo, e não do risco de mercado.

Nos últimos anos, quais situações impactaram todo o mercado?

O risco de mercado pode ser originado por diversos eventos diferentes. Mudanças políticas significativas, desastres naturais, o início de uma guerra em um país distante e até ataques terroristas, são situações que podem impactar rapidamente todo o mercado.

Sem dúvida, quem participou, ou de alguma maneira, acompanhou o mercado durante a crise de 2008, vai ter uma boa lembrança do que um evento sistêmico pode causar. Este é um exemplo de o que é risco de mercado. A queda de alguns dos principais bancos norte-americanos pôs em cheque toda e economia mundial. Poucos ativos financeiros não foram impactados por este evento naquele ano.

Outro exemplo de risco de mercado ocorreu em 2001 com os atentados terroristas nos Estados Unidos, muitos ativos sofreram os impactos do ataque e das possíveis consequências que imaginavam que poderiam ocorrer. O impacto foi mundial. Só aqui no Brasil, a bolsa de valores recuou quase 17% durante no mês de novembro de 2001.

Mas nem sempre o risco de mercado aparece em situações rápidas de serem sentidas. Recentemente tivemos aqui no Brasil, o imbróglio político envolvendo o impeachment da ex presidente Dilma Roussef que gerou forte tremor no mercado brasileiro. Isso porque, diferente de um evento isolado, com impacto direto em algumas empresas, todos os agentes econômicos do mercado brasileiro tiveram, de uma forma ou de outra, contágio com a situação. Os investimentos, de forma geral, perderam valor de mercado gradativamente ao longo do ano de 2015.

Conheça nosso estudo que aponta as 10 ações mais poderosas da BM&FBovespa

É possível se proteger do risco de mercado?

A estratégia de diversificação de investimentos, sem dúvidas minimiza o risco de um investimento. Investir em diferentes ativos, de variados setores e até de diferentes países, normalmente mitigará grande parte do risco. Mas de qualquer forma, o que se consegue dessa maneira, se muito bem diversificado, é retirar todo o risco não sistêmico, o risco de mercado sempre permanecerá.

Um exemplo de como a não diversificação dos investimentos poderia aumentar ainda mais o risco do investimento seria manter as suas aplicações em títulos de uma única empresa. Nesse caso, o investidor fica exposto ao risco de mercado e ao risco específico da empresa – como a entrada de um concorrente no mercado, a redução na demanda dos seus produtos, fraude ou outros possíveis danos intrínsecos à atividade de uma empresa. Isso soma-se aos riscos de mercado, como uma recessão econômica.

Conclusão: o que é risco de mercado

Este artigo mostrou o que é risco de mercado. Este risco é decorrente de situações não controláveis pelos investidores e não pode ser eliminado nem mesmo pela diversificação. Há uma série de riscos que podem ser, senão eliminados, ao menos reduzidos, mas o risco de mercado não.

Deixe seu comentário