Sua conta
  • 07/10/2015

O custo da desinformação

Início / Investimentos / O custo da desinformação

Par Mais Blog - O custo da desinformação

Você sabe o custo que a desinformação pode causar no seu bolso?

 

Estamos na Era da Informação. Temos acesso a notícias, aulas, vídeos, cursos, praticamente em qualquer lugar e a qualquer tempo. Estamos sempre aprendendo sobre os mais variados assuntos, mas quando se trata de investimentos, ainda deixamos a desejar. Um estudo da consultoria britânica Oliver Wyman mostra que 95% dos investidores brasileiros investem de acordo com as sugestões do seu gerente de banco. Mas a pergunta é: será que esse é o melhor caminho?

 

O Brasil tem um histórico de altas taxas de juros. Isso deixou os investidores mal acostumados pois qualquer tipo de investimento de baixo risco acabava oferecendo bons retornos. Não era necessário muito esforço para fazer o dinheiro render.

 

Mas não foram só os investidores que ficaram mal acostumados, mas também as instituições financeiras. Como os investidores não correm atrás de muita informação na hora de investir e acata as recomendações do banco, não existe competição para oferecer bons produtos aos investidores. O resultado é que se cobram taxas altíssimas, se oferecem produtos ruins e não há preocupação em adequar os investimentos aos objetivos dos clientes. Parece absurdo, mas nos existem bancos comerciais que chagam a cobrar mais de 5% ao ano como taxa de administração em fundos de renda fixa, enquanto, em bancos de investimento é possível encontrar taxas de até 0,15% ao ano.

 

Não podemos nem culpar o nosso gerente, pois ele precisa defender os interesses da instituição em que trabalha. O problema é que bancos deveriam ser apenas prestadores de serviços financeiros, ou seja, um lugar para recebermos dinheiro, fazermos cobranças, pagar contas, etc. Na maioria das economias desenvolvidas os investimentos são feitos através de instituições independentes e bancos de investimento. Nestas instituições, o investidor pode escolher entre diversos ativos, estratégias e até gestores, permitindo acesso a investimentos que se enquadrem ao seu perfil e seus objetivos.

 

Também não temos a cultura de utilizar os serviços de planejadores financeiros e consultores de investimento. Contratamos e confiamos em profissionais de diversas áreas (médicos, engenheiros, arquitetos, etc) mas na hora de cuidarmos do nosso dinheiro não buscamos o apoio profissional.

 

A crise econômica fez com que as taxas de juros voltassem a subir e investimentos conservadores voltaram a render bem. Por outro lado temos também uma inflação bem maior do que a dos últimos anos, fazendo com que aplicações como poupança e fundos com altas taxas acabem rendendo abaixo da inflação, fazendo com que você diminua seu poder de compra.

 

Sabemos o quanto é difícil ganhar dinheiro e acumular patrimônio. Porque não fazer ele render e trabalhar por nós depois disso? Fique atento às suas aplicações, acompanhe os rendimentos, compare e busque informações. Converse com um profissional da área, que seja isento (não trabalhe para instituições financeiras) e devidamente certificado e trace um plano para atingir seus objetivos. Cuide da sua saúde financeira!

 

O custo da desinformação por Lucas Mussi – 07.10.2015

A Par Mais Planejamento Financeiro tem um propósito claro: trabalhamos para auxiliar cada um de nossos clientes a construir sua tranquilidade financeira. Atuamos na área de planejamento financeiro pessoal, family office, gestão patrimonial, consultoria financeira para empresas e consultoria de investimentos.

Deixe seu comentário

Comentário(s): 2

       
    1. Johatan, bom dia!

      Ficamos felizes por você demonstrar preocupação com a rentabilidade do seu dinheiro. Alguns poucos bancos ainda possuem LCI/LCA com liquidez diária e prazo de carência, como é o caso do Banco do Brasil, que oferece esse produto com uma remuneração de 83% do CDI. Como não há tributação, acaba sendo uma boa opção, mas deve ser levado em conta que nos primeiros 90 dias não será possível resgatar.

      Outra opção interessante seria aplicar em títulos públicos, Tesouro SELIC+ caso tenha um perfil mais conservador, e não saiba ao certo quando será o resgate dos títulos, ou Tesouro IPCA+ caso esteja pensando mais no longo prazo.

      Infelizmente para esse valor, fundos de investimento de grandes bancos não são interessantes, pois geralmente a taxa de administração fica exageradamente alta, comprometendo a rentabilidade.

      Estamos aqui para outros esclarecimentos!

      Desejamos um ótimo final de semana para você e sua família.

      Equipe Par Mais

×