Sua conta

SUA PREVIDÊNCIA

Trabalhamos para que o seu plano de previdência seja o melhor para você

Depois de analisarmos milhares de planos que nossos clientes tinham nos grandes bancos, ficou claro que a grande maioria foi comercializada de forma equivocada, especialmente porque:

Foram apresentadas projeções de renda futura muito maiores do que realmente acontecerão de fato

Exemplo prático: foi apresentada uma simulação em que, ao contribuir com R$500 por mês para o plano de previdência, nosso cliente teria uma renda de R$3 mil por mês a partir dos 65 anos de idade, mas ao fazer o cálculo, essa renda será inferior a R$1,5 mil por mês

A maioria das recomendações não considerava o perfil e necessidades de cada pessoa

Exemplo prático: foi vendido um plano do tipo PGBL conservador para um profissional liberal, com renda bruta tributável baixa e que fazia declaração de IR simplificada. Além disso, ele tinha 35 anos e só queria se aposentar com 65, ou seja, poderia buscar maiores retornos em um investimento mais arrojado

Muitos planos cobram taxas elevadas e oferecem rentabilidade inferior à poupança

Exemplo prático: analisamos muitos planos que renderam 70% do que a poupança rendeu nos últimos 5 anos!

VAMOS ANALISAR O SEU PLANO DE PREVIDÊNCIA

E VER O QUE É MELHOR PARA VOCÊ

Exclusivo para planos de previdência "abertos" do Banco do Brasil – Bradesco – Caixa – Itaú – Santander

Como escolher entre PGBL ou VGBL?

São muitos os critérios que devem ser levados em conta para escolha do plano de previdência mais adequado para você. Na maioria das vezes os próprios gerentes que estão oferecendo o plano não conseguem explicar com clareza.

Para definir a melhor opção totalmente personalizada para o seu caso, é importante conversar com um especialista e receber uma análise completa. Porém, para você descobrir se o seu plano atual está adequado às necessidades, vamos abordar aqui alguns conceitos

Tipo de plano: PGBL x VGBL

VGBL
O VGBL - vida gerador de benefício livre - é destinado para as pessoas que querem formar poupança a longo prazo, fazem a declaração de imposto de renda simplificada.

Quando resgatado, sua tributação incide somente pelo rendimento no período, por exemplo: se o saldo bruto para resgate é de R$100 mil, sendo que desse valor R$70 mil foram aportes (depósitos) e R$30 mil foram os rendimentos acumulados ao logo dos anos, o imposto incidirá somente sobe os R$30 mil

PGBL
O PGBL - plano gerador de benefício livre - é recomendado para profissionais que possuem renda bruta tributável alta e que fazem declaração de imposto de renda completa.

O valor investido nesse tipo de plano pode ser abatido da base de cálculo do IR, no limite de 12% da renda bruta tributável. Ou seja, isso pode representar uma vantagem no longo prazo.

Importante ressaltar que, por conta dessa vantagem tributária no presente, no momento do resgate (futuro), o imposto incidirá sobre todo o montante aplicado (e não apenas sobre a rentabilidade, como no VGBL). Usando exemplo anterior, no PGBL a tributação incidirá sobre a totalidade dos R$100 mil

Migração de PGBL para VGBL
Não é permitido migrar um plano PGBL para um VGBL e vice-versa.

Principais diferenças entre PGBL x VGBL

 PGBLVGBL
Imposto de renda (IR)Incide sobre o valor total a ser resgatado ou recebido sob a forma de rendaIncide apenas sobre os rendimentos
Dedução - Declaração de IRSim, limite de 12% da renda bruta tributávelNão
Mais indicado para:Declaração IR - modelo completoDeclaração IR - modelo simplificado
Como escolher a tabela de tributação? É melhor a regressiva ou a progressiva?

Regressivo
Este regime se chama regressivo pois a alíquota do IR diminui com o passar do tempo, até chegar a 10%.

Quanto mais tempo seu dinheiro ficar investido, menos imposto você pagará sobre ele no momento de resgatá-lo ou recebê-lo em forma de aposentadoria.

Tempo de investimentoAlíquota de IR
Até 2 anos35%
De 2 a 4 anos30%
De 4 a 6 anos25%
De 6 a 8 anos20%
De 8 a 10 anos15%

IMPORTANTE

  • A faixa da alíquota é aplicada conforme o tempo de cada contribuição e não pelo tempo total de vigência do plano
  • A opção pelo regime regressivo não pode ser alterada.

Progressivo
Na maioria dos casos, o regime progressivo é indicado para quem planeja receber sua aposentadoria mensalmente.

A tributação total seguirá a tabela progressiva de IR vigente na época do resgate, sendo que o valor do resgate da previdência privada se somará às demais rendas brutas tributáveis pra o cálculo do IR.

A tabela progressiva vigente em 2018 é

Base de cálculo mensalAlíquota de IR
Até R$1.903,98-
De R$1.903,99 até R$2.826,657,5%
De R$2.826,66 até R$3.751,0515%
De R$3.751,06 até R$4.664,6822,5%
Acima de R$4.664,6827,5%
Mais de 10 anos10%

Como acontece a tributação na prática?
No momento do resgate da previdência privada, ocorre a tributação de 15% na fonte, independentemente do valor resgatado. Depois, no momento da declaração de IR, será cobrado o IR excedente, e houver, ou então restituído o IR pago a maior, da mesma forma que funciona com o IR sobre a renda recebida de salário.

IMPORTANTE

  • Na sua declaração de IR, você precisará informar o total dos seus rendimentos mensais (INSS, alugueis, pensão, sua previdência etc). Caso a soma dos seus rendimentos mensais ultrapasse em valores de hoje R$1.903,98 será tributado conforme tabela acima.
  • Você poderá mudar o regime de tributação do seu plano de progressivo para regressivo, mas essa mudança só pode ser realizada ANTES de você solicitar seu benefício. É importante salientar que, ao alterar a tributação para a tabela regressiva, o tempo de acumulação para efeito de tributação inicia no primeiro dia de vigência da alteração, consequentemente, a contagem do prazo começa do zero, com IR de 35% (ver tabela regressiva).
Previdência para pessoas até 30 anos

0 aos 19 anos
Há exceções e peculiaridades, mas você terá um direcionamento inicial para escolha do seu plano

Iniciar uma aplicação em previdência privada é um grande presente que os pais podem dar aos seus filhos.

O investimento mensal pode ser bem menor para se conquistar o montante necessário para a aposentadoria, ou para a conquista de algum bem como um carro ou o pagamento da faculdade.

Nesta faixa de idade, normalmente o mais indicado é:

  • Plano: VGBL, pois normalmente o titular não faz declaração de IR, ou faz a “simplificada”
  • Tributação: regressiva, pois é um investimento de prazo maior que 10 anos
  • Fundo: mais arrojado, com boa parte da carteira aplicada em ações

20 aos 30 anos
Nesta idade, muitas vezes, o jovem ainda mora com os pais e não possui muitas contas para pagar. Por isso, esse é o momento para economizar o máximo possível e começar a pensar na aposentadoria, para evitar grandes esforços financeiros ao longo da vida. O investimento mensal pode ser menor para se conquistar o montante necessário para a aposentadoria.

Nesta faixa de idade, normalmente o mais indicado é:

  • Plano: VGBL, pois normalmente o titular faz declaração de IR simplificada
  • Tributação: regressiva, pois é um investimento de prazo maior que 10 anos
Previdência para pessoas acima dos 30 anos

Há exceções e peculiaridades, mas você terá um direcionamento inicial para escolha do seu plano

30 aos 49 anos
Nesta fase da vida, as pessoas já estão inseridas no mercado de trabalho e a renda já está mais consolidada. Ao mesmo tempo, as responsabilidades financeiras costumam ser bem maiores. Gastos com escola, saúde dos filhos e financiamentos são bastante comuns nesta etapa da vida.

Nesta faixa de idade, normalmente o mais indicado é:

  • Plano: PGBL, pois normalmente o titular faz declaração de IR completa. Caso você faça a declaração simplificada, o indicado seria o VGBL
  • Tributação: regressiva, pois é um investimento de prazo maior que 10 anos
Previdência para pessoas acima dos 50 anos

Há exceções e peculiaridades, mas você terá um direcionamento inicial para escolha do seu plano

Não há uma idade limite para começar um plano de previdência complementar. Apesar de não existir uma restrição, é necessário fazer um cálculo da rentabilidade. Se a pessoa começa a contribuir aos 50 anos e deseja se aposentar aos 65, serão 15 anos para poupar. É diferente de quem vai aplicar recursos por 20 ou 30 anos e isso precisa ser levado em consideração na hora de calcular o valor do aporte mensal.

Nesta situação não é recomendado a aplicação em previdência privada

Nesta faixa de idade, normalmente o mais indicado é:

  • Montar uma carteira de investimentos financeiros diversificada e não aplicar em previdência privada

Porém, no caso de optar-se por contratar uma previdência, o melhor seria:

  • Plano: PGBL, pois normalmente o titular faz declaração de IR completa. Caso você faça a declaração simplificada, o indicado seria o VGBL
  • Tributação: regressiva, se o prazo do investimento for maior que 10 anos e progressiva, se o prazo for menor que 10 anos
Taxas cobradas em previdência

Taxa de carregamento na entrada
É uma taxa cobrada pelo banco para “cobrir os custos administrativos do plano” e que incide sobre o valor de cada aporte (depósito). Ou seja, você vai deixar parte do seu dinheiro para o banco, antes de ter rendido um único centavo sequer!

Exemplo prático: se a sua previdência tiver uma taxa de carregamento de 5%, para pra cada R$1mil que você depositar, R$50 vão automaticamente para o banco.
Vale destacar que há mais de 20 anos existem diversos planos de previdência com taxa ZERO de carregamento de entrada.

Taxa de carregamento na saída
É uma taxa cobrada para você resgatar e/ou fazer portabilidade da sua previdência. Em alguns casos essa taxa vira “zero” depois de certo tempo de aplicação.

Exemplo prático: se você tem um saldo líquido (aplicação + rendimentos - impostos e taxas) de R$ 10 mil em uma previdência que cobra 3% de carregamento de saída, você deixará no banco R$ 300,00 e receberá líquidos R$9,7 mil

Taxa de administração
É a taxa cobrada pelo gestor para administrar o fundo de investimento vinculado ao seu plano de previdência. É uma taxa que você não tem como fugir, mas é possível encontrar alternativas com taxas mais baixas e que, consequentemente, farão seu dinheiro render mais no longo prazo.

Exemplo prático: comparando 2 fundos que investem com a mesma estratégia, mas um deles cobra 3% ao ano de taxa de administração e outro cobra 1% ao ano.
Nesse caso, você teria 2% ao ano a mais de rendimento em seus investimentos.
Supondo uma aplicação de R$ 50 mil e aportes adicionais de R$500 mensais, você acumularia R$ 130 mil a mais no plano com taxa de administração menor! É um ganho imenso por ter escolhido um fundo melhor.

×