Fiscal Cliff para leigos

  • 14/11/2012
Página inicial - capital - Fiscal Cliff para leigos

fiscal cliff

Fiscal Cliff 

Texto original da revista Forbes

.

Admita. Você não tem ideia do que é o Fiscal Cliff (Abismo Fiscal em tradução literal). Você já ouviu o termo sendo repetido várias vezes nos noticiários econômicos, mas como acredita ser um expert no assunto, você fingiu saber realmente do que estavam falando. Só que com o tempo, você se convence de que Fiscal Cliff é mais uma daquelas coisas que todo mundo simplesmente finge entender, mas ninguém realmente entende como, por exemplo, poesia ou futebol americano.

E talvez você esteja certo. Mas isso não vai me impedir de tentar explicar um pouco do sentido que eu posso dar ao assunto.  E como o assunto é complicado, eu vou explica-lo no formato de perguntas e respostas. Vamos começar.

P: OK meu amigo inteligente… o que é o Fiscal Cliff então?

R: O “Abismo Fiscal” é um termo usado para descrever a convergência de dois eventos que ocorrerão em 31 de dezembro de 2012:

-> o vencimento de quase todos os cortes de impostos promulgados desde 2001;

-> e uma redução prevista nos gastos do governo.

– estes eventos, se os especialistas estiverem certos, quando tomadas em conjunto ameaçam falir os EUA, mudar poder do equilíbrio mundial e praticamente tirar a Terra fora de sua órbita, deixando zunindo sozinha pelo espaço frio e escuro.

P: Eu estou confuso. OS EUA claramente tem um déficit bastante inchado, mas acho que com a geração de uma maior receita fiscal, o corte de gastos do governo seria uma boa coisa. Como pode mais dinheiro entrando e menos dinheiro saindo, não ser uma coisa boa?

R: Não me pergunte, eu dormi em todas as aulas de micro e macro economia na faculdade. Felizmente na prática, você não pode apenas responder usando a lei da “oferta e demanda” para cada pergunta e no final sair com a média sete.

Mas de acordo com as “eggheads econ”, enquanto a América vai realmente desfrutar de uma redução do déficit em curto prazo, o efeito combinado dos aumentos de impostos e redução dos gastos públicos resultará em uma enorme contração fiscal: uma diminuição do PIB, um aumento do desemprego, ou seja, desespero em massa.

P: Você sabe, até agora isso tudo ainda não foi de grande ajuda. Talvez seja mais útil para você se prestar maior atenção aos aspectos fiscais. Então, quais são as disposições fiscais que devem expirar?

R:  O Tax Policy Center (Centro de Política Tributária  – Instituto que fornece análises independentes de questões tributárias) emitiu um relatório no início deste mês dizendo que essas disposições fiscais se dividem em nove categorias, e – na ausência de uma nova legislação futura – estão definidos para expirar a meia-noite de 31 de dezembro de 2012:

Da era Bush – cortes de impostos: isso inclui o retorno das atuais alíquotas de 10/15/25/28/33/35% dos impostos individuais para as taxas de 15/28/31/36/39.6%; o retorno de a taxa de imposto sobre os ganhos de capitais e dividendos qualificados que eram ambos de 15% passarão para 20% e 39,6% respectivamente, e o retorno da limitação das deduções e a eliminação das isenções pessoais.

Da era Obama – cortes de impostos: em 1 ​​de Janeiro de 2013, várias disposições que beneficiam as classes mais baixas – mais notavelmente os impostos para as crianças aumentou, o ganho créditos de renda e os créditos expansão da educação – estão programadas para expirar.

O Imposto sobre a Propriedade: a isenção do imposto de propriedade e a taxa estão atualmente em US$ 5.120 mil dólares e 35%, respectivamente. Em janeiro, eles vão voltar para US$ 1.000.000 e 55%.

Expiração do pacote de AMT: O pacote mais recente levantou a isenção AMT para 2010 e 2011 a partir de US$ 45.000 dólares para US$ 74.450 dólares por MFJ. Em 2013, este irá redefinir a US$ 45.000, puxando dezenas de milhões de contribuintes em AMT.

 

Corte de impostos da folha de pagamento temporária: Para 2011 e 2012, a participação o imposto do funcionário da Previdência Social de Segurança foi reduzida de 6,2% para 4,2%. Este corte da taxa expira no final do ano também.

Obamacare Impostos: (juros, dividendos, ganhos de capital) A partir de 2013, os contribuintes que ganham mais de US$ 250.000 dólares vão pagar um imposto adicional de 0,9% sobre os salários e de 3,8% em seu lucro não realizado.

Extensores: Como discutimos antes, há uma série de disposições para expirar no final do ano. Dentre os “extensores” as disposições são o crédito de R&D e a dedução do imposto de renda pessoal, estaduais e locais.

P: Isso é um monte de aumentos de impostos. Alguém já fixou um montante estimado sobre todas essas medidas?

R: O TPC estima um aumento no total das receitas fiscais adicionais para 2013 em relação a 2012 de US$ 536 bilhões, ou seja, 21%.

P: Então, quem é que vai arcar com os ônus de todos estes impostos adicionais? Este é um dos benefícios para os homens ricos, enquanto os “apertados” se ferram?

R: Não, a “beleza” do ”Fiscal Cliff” é que todo mundo se ferra. Ao todo, 90% das famílias vão experimentar este aumento de impostos, com o TPC estimando que o americano médio vá assistir a sua fatura fiscal aumentar em US$ 3.500 anuais em 2013.

Esse aumento, no entanto, varia entre os níveis de renda:

Para os 20% dos assalariados, a remoção do suporte de 10% e alterações ao child tax e o ganho de crédito dos rendimentos vai aumentar a fatura fiscal média por US$ 412 anuais.

Para os 60% do meio, o aumento para a taxa de impostos sobre os salários e a expiração dos cortes de impostos da era Bush vão aumentar os impostos por mais ou menos US$ 2.125 dólares anuais. E, para 20%, bem, graças ao aumento das taxas marginais de topo, o retorno da taxa de dividendos de 15% para 39,6% e os efeitos do Obamacare, terão um aumento de imposto médio de US$ 14.173 dólares anuais.

É mais doloroso, porém, para o 1% do topo, como o caso de Mark Cuban, Bill Gates e Jared Fogle, que estão à frente de um aumento de impostos médio de US$ 120.537 dólares anuais.

P: Fascinante. Qual será a mudança na lei que está para gerar o maior aumento de impostos?

R: O aumento de 2% em impostos sobre os salários vão gerar um adicional de US$ 115 bilhões em receita fiscal, mas a recomposição dos cortes de impostos da era Bush vai levar o prêmio, acrescentando US$ 223.000 milhões dólares para os cofres do governo. O que será “prontamente explodido por um míssil-escudo de defesa que é feito de magia e cuidada em algum lugar por duendes”.

P: OK, agora sobre a questão mais importante. Qual é a probabilidade de cada uma dessas categorias específicas de medidas vir realmente a serem renovadas?

R: O TPC comparou e concluiu que a probabilidade de vencimento das medidas é a seguinte (ordem decrescente):

1. Imposto sobre os salários: ele nunca teve a intenção de ir além de 2012 – e ele não vai.

2. Obamacare: veio para ficar, a menos que Romney tivesse ganhado a eleição.

3. Cortes de impostos para os ricos da era Bush: provavelmente irá expirar, a menos que o presidente Obama bloqueie qualquer tentativa dos ricos da nação de estenderem os cortes.

4. Cortes fiscais da era Obama: este poderia ir embora de qualquer maneira.

5. Extensores: Sempre houve a intenção de ser prorrogado, e provavelmente será.

6.  Imposto sobre a Propriedade: nenhuma das partes quer ver o imposto de propriedade reverter para níveis pré 2001.

7. Era Bush-cortes de impostos que afetam as famílias de baixa e média renda: não houve acordo bipartidário que as taxas não devem aumentar para aqueles que ganham menos de US$ 250.000.

8.  AMT Patch: eles não seriam loucos de não estendê-lo.

 

P: O que eu faço com uma boa quantia em dinheiro que tenho aplicado? Devo vender agora?

R: Olha, eu entendo a sua preocupação. A taxa de imposto sobre os ganhos de capital de longo prazo está para aumentar de 15% para 23,8%. Investidores poderiam ser tentados a vender e isso seria sem precedentes. Antes da data de início da Lei de Reforma Tributária de 1986, os investidores fizeram uma coisa semelhante para desfrutar os últimos dias de uma taxa de 20% antes que aumentasse para 28%.

Mas vender agora significa que você é capaz de adivinhar quem vencerá as eleições, o que acontecerá nas seções subsequentes ao Congresso, e se qualquer legislação de 2013 poderia ser feita retroativamente a primeiro de janeiro por um novo ou atual presidente. Eu certamente não posso prever essas coisas, e qualquer imposto ou consultor de investimento que lhe diga que pode está mentindo. Meu conselho? Não deixe motivações fiscais conduzir suas decisões de investimento.

Q: Muito perspicaz como de costume. Você merece um aumento exorbitante e bônus.

A: Oh, obrigado, no entanto, isso não é realmente uma pergunta. Porem eu vou fazer de tudo para passá-la para meus chefes.

.

Fiscal Cliff para leigos, traduzido e adaptado por Equipe Par Mais – 14.11.2012

A Par Mais Planejamento Financeiro tem um propósito claro: trabalhamos para auxiliar cada um de nossos clientes a construir sua tranquilidade financeira. Atuamos na área de planejamento financeiro pessoal, family office, gestão patrimonial, consultoria financeira para empresas e consultoria de investimentos.

Deixe seu comentário

Comentário(s): 0

Últimas publicações