Infomoney – Ibovespa fecha em queda de 1% puxado por Vale em meio a dados da China; dólar cai a R$ 5,23

  • 15/09/2021
Página inicial - Na Mídia - Infomoney – Ibovespa fecha em queda de 1% puxado por Vale em meio a dados da China; dólar cai a R$ 5,23

O Ibovespa fechou em queda nesta quarta-feira (15) pressionado por Vale (VALE3) em meio à queda de 3% do minério de ferro depois de dados negativos da economia chinesa. O movimento acabou turbinado pelo vencimento de opções, que trouxe mais volatilidade para as blue chips da Bolsa.

Segundo Alexandre Amorim, gestor da ParMais, no pregão de hoje houve muita disparidade de desempenho: algumas ações caíram muito enquanto outras subiram forte. “Destaque na queda para o setor financeiro e para Vale, que caiu 2,3% repercutindo a redução nos preços do minério de ferro depois de indicadores da China”, avalia.

As vendas no varejo da China indicaram ritmo muito mais lento do que o esperado, de 2,5%, frente a 7% antecipados por analistas ouvidos pela agência internacional de notícias Reuters. Já a produção industrial cresceu abaixo da expectativa, em 5,3% em agosto, frente a previsões de alta de 5,8%.

Apesar disso, os índices Dow Jones e S&P 500 subiram nos Estados Unidos, em uma recuperação depois da queda de ontem, que afetou principalmente ações de empresas mais expostas ao ciclo econômico e acabou arrastando a B3 para terreno negativo no pregão passado. No final da sessão, o Nasdaq, índice de ações de alta tecnologia, acompanhou os outros dois e terminou com ganhos.

Outro fator macro que os investidores monitoraram hoje foi o indicador considerado uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB), o IBC-Br, que teve uma expansão de 0,6% em julho, acima dos 0,4% esperados pelos economistas segundo projeções compiladas pela Refinitiv.

Amorim qualificou o dado como uma “surpresa positiva”, vindo significativamente mais do que se esperava, embora isso não tenha sido o suficiente para trazer o benchmark da B3 para o lado positivo.

O Ibovespa teve queda de 0,96%, a 115.062 pontos com volume financeiro negociado de R$ 46,19 bilhões.

Enquanto isso, o dólar comercial caiu 0,38% a R$ 5,237 na compra e a R$ 5,238 na venda. Já o dólar futuro com vencimento em outubro recua 0,2% a R$ 5,253 no after-market.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 ficou estável a 7,00%, o DI para janeiro de 2023 teve alta de quatro pontos-base a 8,89%, DI para janeiro de 2025 avançou oito pontos-base a 10,06% e DI para janeiro de 2027 teve alta de oito pontos-base a 10,48%.

Os DIs recuperam parte da oscilação negativa que se deu ontem depois de declarações do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, quando o chairman disse que a autoridade monetária irá levar a Selic onde for preciso para conter a inflação, mas não reagiria a “dados de alta frequência”.

Voltando ao exterior, os investidores se mantêm atentos para as eleições de 26 de setembro na Alemanha, que definirá a sucessão da chanceler Angela Merkel. As pesquisas indicam que a disputa está acirrada e o resultado é incerto.

No Reino Unido, a inflação subiu 3,2% em agosto em relação ao mesmo mês do ano anterior, após uma alta de 2% em julho na mesma comparação, de acordo com dados do Escritório para Estatísticas Nacionais. Foi o maior patamar em nove anos. Além disso, o avanço de 1,2 ponto percentual em um mês foi o mais forte desde o início do registro dos dados, em 1997.

Já a produção industrial da zona do euro cresceu 1,5% em julho ante junho, acima do esperado.

Além disso, na terça-feira o Instituto para Finanças Internacionais (IFF na sigla em inglês) afirmou que a dívida global cresceu ao patamar recorde de US$ 300 trilhões no segundo trimestre. Mas a relação entre dívida e PIB recuou pela primeira vez desde o início da pandemia de Covid.

Covid, vacinação e CPI

Na terça (14), a média móvel de mortes por Covid em 7 dias no Brasil ficou em 520, patamar 19% abaixo daquele de 14 dias antes. Em apenas um dia, foram registradas 709 mortes. As informações são do consórcio de veículos de imprensa que sistematiza dados sobre Covid coletados por secretarias de Saúde no Brasil, que divulgou, às 20h, o avanço da pandemia em 24 h.

A média móvel de novos casos em 7 dias foi de 15.165, queda de 33% em relação ao patamar de 14 dias antes. Em apenas um dia foram registrados 12.617 novos casos.

Chegou a 139.273.434 o número de pessoas que receberam a primeira dose da vacina contra a Covid no Brasil, o equivalente a 65,29% da população. A segunda dose ou a vacina de dose única foi aplicada em 75.579.345 pessoas, ou 35,43% da população.

A dose de reforço foi aplicada em 152.679 pessoas, ou 0,07% da população.

Com o voto de seis ministros até agora, o Supremo Tribunal Federal decidiu confirmar a decisão do ministro Ricardo Lewandowski que obriga o Ministério da Saúde a garantir o envio de vacinas suficientes ao Estado de São Paulo para completar a aplicação da segunda dose na população.

A liminar concedida ao Estado em agosto por Lewandowski foi confirmada até agora, no plenário virtual da corte, pelos ministros Carmem Lúcia, Alexandre de Moraes, Dias Toffoli, Rosa Weber e Edson Fachin, fechando maioria de seis entre os 10 ministros atualmente na corte –a vaga deixada pela aposentadoria de Marco Aurélio Mello ainda não foi preenchida.

Na ação, São Paulo alega que mudanças nos critérios de distribuição de doses por parte do Ministério da Saúde retirou, “de forma imediata e descabida”, 228 mil doses de vacinas da Pfizer do Estado.

De acordo com a explicação do Ministério da Saúde, a mudança nos critérios aconteceu porque o país deixou de vacinar apenas por grupos prioritários e passou a atender a população em geral.

No critério anterior, São Paulo recebia mais vacinas do que sua participação proporcional na população brasileira por ter mais profissionais de saúde e de outras áreas, mais pessoas com comorbidades, e assim por diante.

Em seu voto, Lewandowski reconhece que os critérios podem ser alterados, mas afirma que “qualquer alteração da política nacional de distribuição de vacinas precisa ser prévia e tempestivamente informada aos entes federados, sendo de rigor conceder-lhes um prazo razoável para adaptarem-se às novas diretrizes”.

A disputa por doses de vacinas abriu uma nova guerra entre o Ministério da Saúde e o Estado de São Paulo, comandado por João Doria (PSDB), ex-aliado, mas atualmente inimigo político do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Nesta semana, o Estado ficou sem vacinas para aplicar a segunda dose em pessoas que tomaram o imunizante da AstraZeneca, e liberou a aplicação de Pfizer como segunda dose para quem tomou o imunizante da AstraZeneca.

Além disso, na terça a CPI da Covid no Senado aprovou um requerimento para que a Procuradoria-Geral da República (PGR) determine ao governo federal a suspensão de todos os contratos que usem o FIB Bank como instituição garantidora, e também que o Tribunal de Contas da União (TCU) faça uma auditoria nesses contratos.

Durante a reunião da CPI, a senadora Simone Tebet (MDB-MS) disse que o FIB Bank emitiu garantias a órgãos federais no valor de R$ 600 milhões. Apesar do nome, o FIB Bank não é uma instituição financeira, mas emitiu de forma suspeita uma carta-fiança que foi dada como garantia pela Precisa Medicamentos nas negociações da vacina indiana contra coronavírus Covaxin, produzida pela Bharat Biotech. As suspeitas sobre o contrato da Precisa resultaram na abertura de um inquérito sobre Jair Bolsonaro por suspeita de prevaricação.

Na terça, a comissão ouviu o advogado Marcos Tolentino, suspeito de ser sócio oculto do FIB Bank.

“O governo federal, mesmo avisado pela Comissão Parlamentar de Inquérito do Senado Federal, aceita uma carta bancária que não era bancária, uma carta fidejussória, de um banco que não é banco, cujos sócios estão sendo questionados aqui, num valor que ela não tem condições depois de honrar”, disse Simone Tebet.

Tolentino nega ser sócio oculto da empresa. Após suspeitas de irregularidades, o governo cancelou o contrato de compra da Covaxin que previa a compra de 20 milhões de doses ao custo de R$ 1,6 bilhão, o valor mais alto por imunizante contratado.

Nesta quarta, a CPI ouve o suposto lobista Marconny Albernaz de Faria, que é apontado como suposto intermediário da Precisa Medicamentos.

Documentos obtidos pela CPI também indicam que um dos filhos de Bolsonaro, Jair Renan, abriu uma empresa de eventos com ajuda de Marconny, com quem trocou ao menos 100 mensagens. Conversas registradas no celular de Marconny foram copiadas a pedido do Ministério Público Federal no Pará e enviadas à CPI.

A Justiça autorizou a condução coercitiva de Marconny caso ele não compareça.

Falas de Campos Neto e de Paulo Guedes

Os jornais seguem a repercussão das falas de Roberto Campos Neto na véspera. O presidente do BC disse que elevará a taxa Selic ‘aonde precisar’ para o controle da inflação, mas que ‘não mudará o plano de voo da política monetária’.

“Boa parte do mercado interpretou a fala como uma reiteração do último Copom, que explicitamente defendeu aumento de 1 ponto percentual na Selic na reunião da semana que vem. Com isso, já durante a manhã de ontem, preços e expectativas se acomodaram para ajuste dessa magnitude”, aponta a equipe de análise da XP.

Paulo Guedes, ministro da Economia, por sua vez, disse que a não aprovação da reforma do Imposto de Renda, possível fonte de financiamento para o novo Bolsa Família, poderia significar a reedição do auxílio emergencial pelo governo. O ministro também reforçou que tem mantido diálogo com o Legislativo e o Judiciário para a solução dos precatórios no orçamento.

No radar político, após a escalada de tensão com o Supremo Tribunal Federal (STF) nas semanas anteriores, o presidente Jair Bolsonaro fez um aceno na terça-feira e disse que não há como não acreditar no futuro do país sem o entendimento com os Poderes Judiciário e Legislativo.

“Não tem como nós não acreditarmos no futuro desta nação tendo aí o Legislativo, tendo o Judiciário cada vez se entendendo mais para o bem comum de todos nós”, afirmou ele, durante a entrega do Prêmio Marechal Rondon de Comunicações, no Palácio do Planalto.

Segundo Bolsonaro, o governo conversa com todo mundo, destacando que a premiação é um reconhecimento a todos que colaboram com o governo e o Brasil. Um dos agraciados foi o ministro do STF e ex-presidente da corte Dias Toffoli.

Por outro lado, o presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), decidiu, devolver a Medida Provisória que Bolsonaro editou há uma semana alterando o Marco Civil da Internet e limitando a remoção de conteúdos publicados nas redes sociais.

O movimento de Bolsonaro, feito às vésperas das manifestações de 7 de Setembro, serviram como elemento adicional para mobilizar sua base de apoio nos atos críticos ao Poder Judiciário e em defesa do seu governo e de aliados.

Radar corporativo

Grupo Soma (SOMA3) e Cia Hering (HGTX3)

O Grupo Soma informou por meio de fato relevante à CVM que a combinação de negócios com a Cia Hering, anunciada em abril, foi aprovada em assembleias das duas companhias na última terça.

Na sequência seu conselho de administração se reuniu e decidiu pela confirmação do cumprimento das condições suspensivas previstas no Acordo de Associação e no Protocolo e Justificação da Operação.

Também confirmou o valor da parcela em dinheiro a ser pago aos acionistas da Hering, após os ajustes previstos no acordo, no montante de R$ 9,5415843 por ação ordinária. Esse valor equivale, portanto, a R$ 7,9153303 por ação preferencial resgatável de emissão da Cidade Maravilhosa Indústria e Comércio de Roupas a ser recebida pelos acionistas da Hering.

Bradespar (BRAP4)

O Conselho de Administração da Bradespar aprovou aumento de capital da companhia em R$ 1,66 bilhão. Companhia afirma que aumento de capital, com bonificação de ações, tem objetivo de aumentar liquidez dos papéis e tornar ação atrativa a mais investidores.

Vibra (BRDT3)

A Vibra, antiga BR Distribuidora, prestou esclarecimento sobre questionamento da CVM sobre estimativas divulgadas em comunicado ao mercado de 1 de setembro de 2021, no âmbito do Investor Day.

As expectativas apresentadas baseiam-se em estudo de consultoria independente, refletindo um dos possíveis cenários diante das mudanças macroeconômicas e discussões envolvendo temas referentes à transição energética, informou a empresa.

A companhia reforça que não divulga projeções ou guidance de qualquer forma. Assim, quaisquer referências numéricas no referido material não possuem tal finalidade.

Com isso, a empresa incluirá em seu Formulário de Referência os dados citados e os excluirá como sendo projeções.

Plano & Plano (PLPL3)

A Plano & Plano comunicou que realizará programa de recompra de ações com objetivo de adquirir até 6 milhões de ações ordinárias, ou de 9,33% dos papéis da companhia em livre circulação. O prazo se encerra em 13 de março de 2023.

Frigoríficos

A Arábia Saudita suspendeu importações de carne bovina oriundas de cinco frigoríficos do Brasil, que registrou dois casos atípicos de “vaca louca” no início deste mês, informou o Ministério da Agricultura na terça-feira.

Segundo a pasta, as cinco plantas estão em Minas Gerais, Estado em que um dos casos de vaca louca foi identificado. A segunda ocorrência da doença foi registrada em Mato Grosso.

(com Reuters e Estadão Conteúdo)

Confira a matéria na íntegra: https://www.infomoney.com.br/mercados/ibovespa-fecha-em-queda-de-1-puxado-por-vale-em-meio-a-dados-da-china-dolar-cai-a-r-523/

Deixe seu comentário

Comentário(s): 0

Últimas publicações