Sua conta
  • 16/12/2019

Infomoney – Escola, IPTU, IPVA: quando vale a pena antecipar pagamentos

Início / Na Mídia / Jornais / Revistas / TV / Infomoney – Escola, IPTU, IPVA: quando vale a pena antecipar pagamentos

O início de um novo ano está se aproximando junto com algumas contas fixas, como IPTU, IPVA e mensalidade da escola dos filhos. Você já pensou em pagar antecipadamente algumas dessas despesas para não ter de lidar com elas ao longo meses e, de quebra, conseguir um desconto?

O InfoMoney conversou com planejadores financeiros, assessores de investimentos e acadêmicos da área de finanças que explicaram quando a antecipação de despesas pode ser um bom negócio.

  1. O que considerar para antecipar
  2. O que vale antecipar?
  3. Quando não vale a pena antecipar?
  4. “Se decidir investir, onde aplicar?”
  5. Quero antecipar em 2021: o que fazer?

O que considerar para antecipar

Segundo Ricardo Teixeira, coordenador do MBA em Gestão Financeira da Fundação Getulio Vargas, o primeiro fator a ser avaliado é a porcentagem de desconto.

“Se a pessoa optar pelo parcelamento, pagará um valor determinado no fim do ano. Se decidir antecipar, precisa ganhar um desconto. Se esse desconto for igual ou maior que o rendimento que ela receberá investindo numa aplicação conservadora, vale a pena adiantar o gasto e se livrar da conta”, explica Teixeira.

Por exemplo: se o valor do pagamento a ser antecipado é de R$ 10 mil e o desconto for de 10%, investindo esses R$ 10 mil, o retorno seria maior que 10% no final do período de pagamento? De maneira geral, essa é lógica a ser seguida.

Mas o desafio nesse cenário é o momento econômico do país. Considerando que a Selic está em 4,5% ao ano, o menor patamar da série histórica, os investimentos conservadores estão bem menos atrativos, rendendo algo em torno de 0,37% ao mês.

Por isso, conseguir um rendimento perto desses 10% do exemplo investindo em aplicações conservadoras é uma realidade cada vez mais distante.

Fernanda Alves, assessora de investimentos da Praisce Capital, faz a seguinte conta: o retorno de 0,37% ao mês, quando descontado o Imposto de Renda (alíquota de 22,5%, que incide sobre um grande número de aplicações num prazo de até seis meses), cai para 0,28% ao mês.

“Se o desconto para pagamento antecipado for maior que esses 0,28%, em tese, já vale a pena”, afirma Fernanda.

Em tese porque a decisão depende também da situação financeira do pagador. Se a conta a ser antecipada é de R$ 10 mil, e isso for tudo que a pessoa tem guardado, pode ser melhor deixar os recursos investidos.

Isso porque, se acontecer algum imprevisto e a pessoa precisar de dinheiro, terá de recorrer a empréstimos com juros mais altos que a Selic, como o cheque especial que hoje tem taxa 8% ao mês.

Se a situação financeira for apertada, outros especialistas orientam o consumidor a buscar descontos maiores para garantir um bom negócio.

Para Bruno Ponciano, assessor de investimentos do escritório Artigiano, o consumidor deve buscar descontos de pelo menos 8% em relação ao preço que está sendo negociado.

“Isso significa cerca 0,65% ao mês. Hoje o investidor vai encontrar dificuldades para achar uma opção que entregue mais que isso ao mês sem se expor a risco”, explica.

Alexandre Amorim, planejador financeiro, afirma que o consumidor deve buscar ainda mais desconto. “O ideal é buscar cerca 10% de abatimento. O desconto tem que ser de pelo menos dobro da taxa de juros anual do investimento que a pessoa fizer para ser um negócio vantajoso”, diz.

Mas vale lembrar que, se a pessoa decide investir o valor e usar o dinheiro para pagar as parcelas, é necessário aplicar em um investimento conservador e de liquidez alta, já que os recursos têm prazo e destino certos.

“A vantagem financeira é antecipar para ter um benefício igual ou maior do que a rentabilidade da aplicação – se não, não vale a pena. Por isso, mesmo quem tem o perfil moderado ou arrojado, nessa condição, deve aplicar em algo mais conservador e de liquidez alta porque precisará sacar mensalmente o dinheiro”, explica Fernanda.

Ao mesmo tempo, Amorim lembra que, ao optar por investir para sacar mensalmente, o rendimento não será o mesmo comparado à opção de investir para retirar no fim de um determinado período. O rendimento será sempre sobre um montante mensal menor a cada mês.

“Se você tem R$ 10 mil e decide aplicar com rendimento de 10% a.a. em vez de antecipar: em janeiro o rendimento da aplicação será sobre esses R$ 10 mil, mas, nos meses seguintes, será sobre esse valor menos, a quantia que você resgatou para pagar a parcela da conta. Assim, os 4,5% ao ano vão render mensalmente sobre uma quantia cada vez menor, porque a pessoa vai sacando dinheiro desse montante”, explica.

E acrescenta: “Na prática, com os saques mensais, em julho, metade do investimento total já foi utilizado. Assim, não dá para pensar que o rendimento da aplicação ao final do ano (pós pagamento das parcelas) seria de R$ 450 nesse caso. Na verdade, seria menor”.

Annalisa Dal Zatto, que também é planejadora financeira, acredita que “se a pessoa tem uma reserva e pode antecipar a conta sem acabar com a quantia poupada, vale mais a pena quitar a dívida do que investir e pagar mensalmente. Hoje, para obter mais de 10% investindo, precisa adquirir nível de risco que não vale a pena nesse caso. Vai abrir mão da liquidez e arriscar perder dinheiro”, afirma.

O que vale antecipar?

Veja algumas contas que podem ser antecipadas com desconto:

IPTU

Em geral, as pessoas podem pagar o IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) em dez prestações mensais iguais e sem juros ou à vista com desconto – que pode variar de estado para estado. Em São Paulo, neste ano, por exemplo, o desconto para quem antecipasse foi de 3%.

“A alíquota de IPTU vem caindo de uns anos para cá no Brasil de forma geral. Considerando que são 10 parcelas ao ano, com um desconto de 3% sobre o valor total já vale a pena antecipar a conta para ter uma coisa a menos para ser preocupar durante o ano”, afirma Andréia Ribeiro da Luz, professora da Escola de Negócios da PUCPR.

No entanto, ela faz um alerta: “Se a pessoa tiver a intenção de alugar, não vale a pena antecipar o IPTU, já que é responsabilidade do inquilino pagar as parcelas”, afirma.

IPVA

A lógica é bem parecida com a do IPTU. Considerando que é possível pagar somente em três parcelas sem juros ou à vista com desconto, sempre vale avaliar o desconto para antecipar.

Cada estado trabalha sua política de desconto. Neste ano, em São Paulo o desconto para IPVA foi de 3%, em Minas Gerais também.

Neste caso, o desconto vale a pena, porque o parcelamento é de apenas três meses.

Mensalidade escolar

Outro gasto que pode ser antecipado é a mensalidade da escola dos filhos. “Essa é uma conta diferente, porque cada escola aplica sua política de desconto. O ideal é que os pais negociem diretamente com a escola. Algumas instituições oferecem mais descontos pelo número de filhos, período integral etc.”, afirma Andreia. Fernanda conta que conseguiu ela mesma um abatimento de 8% do valor total.

A professora da PUC acredita que vale sim negociar para conseguir um bom desconto, acima da taxa Selic. “Se a pessoa tem uma reserva para fazer esse pagamento é válido. Assim, deixa uma folga no fluxo de caixa ao longo do ano. Se o desconto é favorável e a pessoa tem o dinheiro não tem porque não antecipar”, explica a professora.

Quando não vale a pena antecipar?

Amorim explica que a primeira coisa que deve fazer o consumidor decidir parcelar em vez de antecipar é se não tiver desconto. “Se não tem vantagem, porque pagar antes? Em muitos casos, a pessoa vai gastar parte da sua reserva sem nenhum benefício em troca. Não vale”, diz o planejador financeiro.

“Do ponto de vista de finanças pessoais, para as pessoas que não têm um planejamento financeiro organizado também vale antecipar e se ver livre de parcelas. Justamente porque a falta de planejamento pode levar a pessoa a precisar tomar crédito depois de ter antecipado e seria prejuízo”, afirma Teixeira, da FGV.

Annalisa também diz que é preciso evitar parcelas se não há um fluxo de caixa para isso e reitera a importância de manter uma reserva. “Se o consumidor conseguir um desconto significativo ao ano para adiantar as parcelas da escola dos filhos ou para pagar o IPTU e IPVA e tiver dinheiro guardado deve quitar a dívida. Mas apenas se mesmo pagando essa quantia ainda mantiver dinheiro na reserva de emergência para cobrir qualquer imprevisto que possa aparecer durante o ano”, alerta.

Segundo ela, é um ciclo prejudicial. A pessoa gasta toda a reserva para pagar uma conta, mas no meio do ano precisa do dinheiro devido a um imprevisto, não tem o valor e recorre ao cheque especial. “E nesse cenário não adianta nada ter antecipado as contas. O juro do cheque especial vai acabar com qualquer vantagem – mesmo limitado a 8% ao mês – que ainda é muito alto”, explica.

“Mas pensando em finanças pessoais, vale a pena pagar à vista tudo o que puder, principalmente as compras do dia a dia. O parcelamento provoca descontrole. Ao pagar de uma vez, você liquida a fatura e evita problemas futuros”, afirma Annalisa

Amorim reitera a ideia. “Só vale antecipar se tiver gordura, se estiver sobrando. O perigo é a pessoa adiantar as despesas e achar que o orçamento fica maior e gastar mais ao longo do ano. Adiantar o gasto não significa que você deixou de tê-lo. Por isso, o planejamento financeiro precisa acompanhar a decisão de antecipação”, afirma.

“Se decidir investir, onde aplicar?”

Diante disso tudo, se o consumidor não for antecipar, a alternativa é investir. Mas onde aplicar o dinheiro?

Como Fernanda explicou, as palavras de ordem são: conservadorismo e liquidez alta.

“Aplicar em algo mais moderado ou agressivo faz sentido para um prazo mais longo. Um ano é pouco tempo. Que tem perfil arrojado deve aplicar pensando no longo prazo. No curtíssimo prazo, tem que pensar em algo de liquidez alta e a renda variável não oferece isso. Se um imprevisto acontecer nos primeiros meses, não dá para esperar, a pessoa tem que honrar com o compromisso financeiro e se não tiver o dinheiro pode se encrencar”, afirma.

A assessora indicou alguns investimentos que poderiam estar na carteira de pessoas que não vão antecipar e pretendem sacar mensalmente para fazer o pagamento, seja da escola dos filhos, do IPVA ou IPTU.

Veja:

Tipo de aplicação Retorno Prazo de resgate
Conservador, moderado ou agressivo Tesouro Selic 100% da Selic D+1
Conservador, moderado ou agressivo Fundo Selection FIC Renda Fixa Crédito Privado LP (fundo) 6,45% nos últimos 12 meses D+10
Conservador, moderado ou agressivo Fundo Iridium Apollo FIRF Crédito Privado 6,09% nos últimos 12 meses D+1

Além disso, há um terceiro caso que é a pessoa que tem uma reserva de emergência e tem dinheiro para antecipar, e caso opte por não antecipar, não precisa sacar mensalmente de uma aplicação direcionada para isso.

“Se a pessoa tem fluxo de caixa, e, na prática, dinheiro sobrando, se quiser buscar mais de 10% precisa buscar fundos multimercados mais apimentados, que ofereçam mais volatilidade e busquem retornos maiores ou mesmo fundos de ações. Ainda assim, para esse perfil de pessoa também faz mais sentido antecipar. Uma conta a menos para se preocupar durante o ano”, pondera Annalisa.

Por outro lado, Bruno Ponciano, assessor do escritório Artigiano, acredita que, se o consumidor já tem um perfil moderado e agressivo e decide não antecipar, é possível investir em opções mais voláteis. “Se a pessoa compreende os riscos, tem reserva e já tem o perfil mais moderado ou arrojado, é uma possibilidade”, afirma.

O assessor indicou algumas opções para os três tipos de perfis de investidor aplicarem o dinheiro considerando uma quantia de R$ 10 mil*:

Veja:

Quanto aplicar Tipo de aplicação Retorno nos últimos 12 meses Prazo de resgate
Conservador R$ 4 mil Fundo AZ Quest Yield FIC FI Renda Fixa Longo Prazo 9,36% D+1
R$ 6 mil Fundo XP Referenciado FI Referenciado DI CP 5,78% D0
Moderado R$ 5 mil Fundo Occam Institucional FIC FIM II 8,47% D+1
R$ 3,5 mil Fundo Vinci Valorem FI Multimercado 13,08% D+2
R$ 1,5 mil Fundo Mauá Capital Ações FIC FIA 51,30% D+30
Agressivo R$ 4 mil Fundo Occam Institucional FIC FIM II 8,47% D+1
R$ 2 mil Fundo Vinci Valorem FI Multimercado 13,08% D+2
R$ 2 mil Fundo Mauá Capital Ações FIC FIA 51,30% D+30
R$ 2 mil Fundo Alaska Black Institucional FIA 30,74% D+30

*Uma quantia definida a título de exemplo.

Vale lembrar que o dinheiro que está na reserva de emergência ou que será destinado a uma antecipação de conta, por exemplo, não vai fazer a pessoa ficar rica. É uma quantia de fluxo de caixa, imprevistos e oportunidades. Por isso, em geral a orientação é deixar em uma aplicação conservadora.

Annalisa alerta sobre o planejamento financeiro. “O fim do ano é um período complicado. Muitas pessoas recebem o décimo terceiro, férias, é época de festas e presentes e perder o controle da vida financeira não é difícil. Isso somado ao problema que o brasileiro tem historicamente com o parcelamento excessivo no cartão de crédito, pode causar muitos problemas. Então, antecipar pode ser uma boa solução em alguns casos”, explica.

Quero antecipar em 2021: o que fazer?

Mas, se você não se preparou para antecipar seus pagamentos, e entendeu que pode ser uma boa solução, é possível se planejar para tentar antecipar no próximo ano. Segundo Annalisa, nesse caso é mais uma questão de planejamento financeiro.

“Para você conseguir antecipar contas, precisa ter dinheiro guardado. Assim, ao longo do ano deve gastar menos do que ganha e se organizar para poupar uma quantia mensal por mês focada na antecipação”, diz.

É preciso acumular patrimônio, além da reserva de emergência. “O indicado é sempre deixar de três a seis meses de dinheiro guardado independe do perfil em uma aplicação de liquidez alta para facilitar o processe caos um imprevisto surja”, explica Fernanda Alves.

Assim, para poupar dinheiro pensando na antecipação a orientação também é investir em opções conservadoras de alta liquidez – mesmo com a Selic a 4,5% ao ano. “Por exemplo, tesouro Selic, fundo de renda fixa com taxas de administração de no máximo 1% ao ano” sugere Annalisa.

Bruno Ponciano, assessor de investimentos do escritório Artigiano, diz que investindo cerca de R$ 500 por mesmo em uma aplicação conservadora já é alguma coisa. “Esse valor ao fim do ano vai dar um pouco mais de R$ 6 mil, e você já consegue antecipar uma conta ou outra. Mas claro que a quantia a ser guardada vai depender do objetivo final da pessoa – importante é deixar rendendo em algo seguro, sem se expor a um risco desnecessário”, explica.

Confira a matéria na íntegra: https://www.infomoney.com.br/minhas-financas/escola-iptu-ipva-quando-vale-a-pena-antecipar-pagamentos/

Deixe seu comentário

Comentário(s): 0

×