Giro Financeiro DC: invista em você

  • 30/04/2018

O mundo mudou e mudou muito. Nem preciso me alongar e relatar toda essa revolução tecnológica e de conhecimento pela qual estamos passando. Vou me deter a somente um fato muito importante sob a ótica das finanças pessoais: a expectativa de vida está aumentando a cada ano. As projeções de vida em breve chegarão a cem anos. Aqui no Brasil, independente de todas as mazelas e dificuldades políticas e econômicas, atualmente é de 72,2 anos para os homens e 79,4 para as mulheres, conforme as projeções atuais do IBGE.

Porém, quando se fala em planejamento financeiro ainda estamos na “idade da pedra”! A situação é alarmante! A última pesquisa divulgada este mês pelo Serviço de Proteção ao Crédito SPC-Brasil e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas mostrou que 80% dos brasileiros não se preparam para a aposentadoria. Ou seja, não estamos preparados para bancar nossa velhice.

A falta de educação financeira está cobrando uma fatura muito alta para a nossa sociedade. É fundamental a conscientização sobre a importância do planejamento de longo prazo. Cabe aos planejadores financeiros, assim como eu, alertar e apontar caminhos. Hoje, no Brasil, pouco mais de 5 mil planejadores financeiros têm a certificação internacionalmente reconhecida como CFP, que exige um conhecimento profundo sobre finanças pessoais e ética desses profissionais. Somos poucos, mas somos persistentes e não desistimos. Nossa arma é a informação.

Vamos fazer uma simples conta e em poucas linhas demonstrar o quanto é importante o planejamento financeiro.

Uma pessoa chega aos 65 anos com uma despesa mensal média de R$10 mil e um patrimônio em investimentos na ordem de R$500 mil. Como vai se aposentar pelo INSS, tem garantido R$3 mil. Neste caso, vai precisar receber mais R$7 mil para bancar seu padrão de vida, porém, com os R$500 mil só vai receber essa renda por 7,1 anos. Ou seja, aos 72,1 anos vai ter que viver só com os R$ 3 mil do INSS.  Mas, se tivesse poupado R$1 milhão, nas mesmas condições, teria renda até os 81,4 anos e, se tivesse alcançado R$ 1,5 milhão, até os 95 anos.

O lado racional entende perfeitamente, porém, é necessário driblar nosso lado emocional, afinal é doído ter que abrir mão do consumo imediato. É fundamental nos projetarmos com 80, 85 anos e realizarmos que o bem-estar financeiro só depende de nós mesmos. Com a experiência em atender pessoas e famílias, vemos a mudança de modelo mental, vemos pessoas mudarem seus hábitos, refazerem suas contas mentais e principalmente investir nelas mesmas, no seu futuro, na sua liberdade. Por isso gosto tanto de minha profissão. Adoro ouvir de nossos clientes a tranquilidade e segurança que um bom planejamento financeiro é capaz. Tanto é que sou embaixadora da Associação Planejar (entidade que concede essa certificação no Brasil) em Santa Catarina e incluo com muito orgulho em minha assinatura as siglas “CFP”.

Deixe seu comentário