Deixar dinheiro no banco é um perigo

  • 22/06/2016
Página inicial - capital - Deixar dinheiro no banco é um perigo

Deixar dinheiro no banco

O brasileiro tem o hábito de crer que deixar dinheiro no banco é uma maneira de manter seus recursos a salvo e que o gerente da conta estará sempre atento para cuidar do seu dinheiro da melhor forma possível!

Porém, deixar o dinheiro no banco, apesar de ser melhor do que não ter nenhum recurso poupado, está longe de ser a melhor opção. Isso ocorre porque os bancos — e consequentemente seus gerentes — são empresas que precisam ter receita e gerar lucros. Por isso, os gerentes possuem metas de vendas de determinados produtos financeiros.

Vale lembrar que nos bancos existem também alguns bons produtos financeiros, porém, são acessíveis apenas para clientes de alta renda. Além disso, a indicação de tais produtos depende de o banco ter profissionais muito habilidosos, capazes de equilibrar os interesses do banco, da carreira pessoal e do cliente.

O grande problema é que muitos desses produtos oferecidos por gerentes de banco não são ruins: são péssimos para as finanças! Entre os casos clássicos de produtos financeiros ruins oferecidos comumente por gerentes de bancos estão os títulos de capitalização (“queridos” pelos brasileiros), consórcios e planos de previdência.

Outra aplicação muito famosa no Brasil é a caderneta de poupança, que, embora não seja tão incentivada pelos gerentes de bancos, é uma aplicação muito difundida no país, mas que nos últimos anos nem pode ser considerada como um investimento, pois tem rendido menos que a inflação e tem corroído o poder de compra.

Além disso, uma outra gama de produtos financeiros oferecidos quando se deixa dinheiro no banco contempla produtos que poderiam ser bons, mas que devido às elevadas taxas praticadas pelos grandes bancos comerciais tornam-se não competitivos com outras opções disponíveis no mercado em termos de rentabilidade a ser oferecida. São exemplos os fundos de investimentos, CDB’s, letras de crédito imobiliário e do agronegócio.

Como escapar para não deixar o dinheiro no banco

Em primeiro lugar, cabe ressaltar que em alguns casos (raros) grandes bancos comerciais podem oferecer alguns produtos interessantes para compor pelo menos parte de uma carteira de investimentos, como algum fundo DI com alta liquidez e baixa taxa de administração para compor parte da reserva de segurança.

Em segundo lugar, quando falamos em não deixar seu dinheiro no banco, também não estamos nos referindo a levar o seu suado dinheiro para qualquer lugar, ou deixá-lo embaixo do colchão.

Nesse sentido a Par Mais pode auxiliá-lo a escolher os melhores investimentos alinhados ao seu perfil, pois somos isentos de conflitos de interesse na indicação de investimentos, uma vez que não recebemos nenhuma espécie de comissionamento ou repasse. Assim podemos manter nosso ideal de sempre indicar aquilo que é melhor de acordo com o perfil e os objetivos de cada cliente.

Os perigos de deixar dinheiro no banco

Em matéria à Infomoney, Annalisa Dal Zotto, sócia da Par Mais, enfatiza que “é um absurdo deixar o dinheiro aplicado no banco”, pois o banco, geralmente, “não está preparado para oferecer os melhores investimentos, em especial para os pequenos investidores”.

Devido à elevada repercussão da matéria, separamos alguns trechos dos comentários que surgiram dos leitores. Confira!

Boa tarde, vou receber um valor de aproximadamente R$ 200.000,00 que posso fazer um investimento de médio longo prazo. Inicialmente pensei em algo tradicional e seguro via bancos conhecidos. Mas lendo um artigo na internet percebi que pode não ser uma boa alternativa. Tenho como investir esse recurso seguramente sem ser os investimentos tradicionais que os bancos nos oferecem?

R.: Com certeza tem como. Por exemplo, embora muitos não saibam, o investimento mais seguro de um país são seus títulos da dívida pública. Isso ocorre porque se um país chegar a “quebrar”, então todos os outros bancos (grandes e pequenos) já teriam quebrado antes e o país estaria vivendo um colapso econômico muito extremo.

No Brasil, é possível investir em títulos públicos sem o intermédio de um banco comercial. Além disso, existem também alguns produtos de bancos menores que são negociados em corretoras de valores mobiliários e possuem rentabilidades atrativas. Alguns desses investimentos, como CDB’s, LCI’s e LCA’s, possuem a garantia do Fundo Garantidor de Crédito até o limite de R$ 250.000 por CPF. Essa é a mesma garantia que esses mesmos tipos de investimentos possuem em grandes bancos.

Por fim, cabe ressaltar que cada caso é um caso e que para definir a melhor composição de uma carteira de investimentos é preciso conhecer o perfil e os objetivos do investidor.

Como investir sem utilizar os bancos?

R.: De fato geralmente é necessário fazer investimentos por meio dos bancos e das corretoras de valores. Nós da Par Mais gostamos muito de produtos de corretoras e de gestores de recursos independentes.

A corretora, por exemplo, faz o papel de intermediação, reunindo em sua plataforma opções de investimentos de diversos bancos (CDB’s, fundos de investimentos, letras de crédito) — esses bancos não são os grandes bancos comerciais, por isso, possuem estruturas mais enxutas, sem agências, e conseguem oferecer taxas mais atrativas —, títulos do tesouro, ambiente para negociar ações de empresas, entre outros. A corretora cobra uma taxa pela sua função de intermediária. Porém, essas taxas costumam ser bem menores que as cobradas por grandes bancos comerciais.

Na prática, ao escolher uma boa corretora ou gestor de recursos independente o investidor pode ter acesso a opções de investimentos mais rentáveis.  O importante é encontrar profissionais que não tenham conflito de interesse  ou buscar informação para saber quais produtos são adequados à sua realidade.

Gostaria de pedir um auxílio, pois mantenho meu dinheiro aplicado na poupança e sei que não é rentável! Porém, a quantia que aplico ao mês é baixa (cerca de R$300). Poderia me indicar onde eu poderia efetuar essa aplicação para que tenha algum rendimento? Desde já agradeço a atenção!

R.: Títulos públicos adquiridos por meio do programa Tesouro Direto são excelentes! É preciso escolher o título mais adequado para cada perfil. Deixar seu dinheiro no banco aplicado na poupança é perder dinheiro, por no mínimo dois aspectos: primeiro, existem opções de investimentos muito mais rentáveis que a caderneta de poupança; segundo, a poupança tem rendido menos que a inflação, o que significa que quem mantém seus recursos nela está perdendo poder de compra. Para começar, uma boa alternativa é investir em títulos públicos do tipo “Tesouro Selic”.

Confira nosso Infográfico Títulos Públicos!

Olá, vou receber R$ 1.200.000,00 da venda de um imóvel de herança. Tenho 60 anos e queria um investimento para minha aposentadoria. Tenho consciência de que os bancos oferecem péssimos investimentos e assessoria duvidosa. Mas como buscar outros investimentos e instituições que sejam idôneas? Estou ciente que não devo investir mais que 250mil em cada instituição.

R.: De fato achar bons produtos financeiros nem sempre é fácil. Investir por intermédio de uma corretora de valores ou uma gestora de recursos independente pode ser uma boa saída, pois nesse caso você terá acesso a uma grande variedade de produtos financeiros, das mais variadas instituições. Sobre o comentário de que “não devo investir mais que R$ 250 mil em cada instituição”, depende do produto. Isso ocorre porque o FGC (Fundo Garantidor de Crédito) oferece uma garantia para alguns produtos financeiros (não todos), como CDB’s, LCA’s e LCI’s até o limite de R$ 250 mil por CPF e por instituição. Fundos de investimentos, por exemplo, muito comuns nas carteiras dos investidores, não possuem essa garantia. Títulos do Tesouro também não possuem garantia do FGC, mas por financiarem a dívida pública, são considerados como sendo o investimento mais seguro do país.

Olá, pago uma previdência privada para meu filho da BrasilPrev a cerca de 3 anos com valor mensal de R$55,00, sendo que vai para o fundo R$ 50,00 porque R$ 5,00 é do seguro. Pensei em fazer algo similar para mim e para minha esposa, porém, analisando a rentabilidade do plano do meu filho achei muito baixa nestes três anos. Diante deste cenário, vale a pena manter a previdência do meu filho e fazer um plano similar para o casal ou tem outra saída para fugir das taxas de administração e carregamento? Obs: O objetivo para meu filho de 5 anos é realizar um intercâmbio aos 18 anos e para o casal (temos 35 anos) aposentadoria aos 65 anos.

R.: Vale mais a pena juntar os valores para aplicar num único produto, pois assim é possível ter acesso a produtos mais interessantes. Ao invés da previdência do BrasilPrev, investir em títulos públicos pode ser bem mais interessante. Além disso, como seus objetivos são de longo prazo (filho completar 18 anos e aposentadoria do casal) existe também a possibilidade de diversificar a carteira com alguns investimentos mais arriscados, buscando uma maior rentabilidade. De qualquer forma, para dar uma recomendação adequada é preciso conhecer melhor sua realidade atual para traçar um plano alinhado com os objetivos da família.

Deixar dinheiro no banco: conclusão

Nesse artigo frisamos que deixar dinheiro no banco pode ser perigoso para sua saúde financeira. É comum as instituições financeiras oferecerem produtos aos seus clientes de forma desalinhada com o perfil e com os objetivos de cada cliente, apenas por aspectos de conflitos de interesse.

Nós da Par Mais prestamos consultoria e fazemos gestão de investimentos financeiros para nossos clientes. Trabalhamos de uma maneira personalizada e olhando o todo do cliente. Acompanhamos o cenário macroeconômico e as oportunidades de mercado, pois não temos vínculo com nenhuma instituição financeira.

O que diferencia a Par Mais é justamente o fato de sermos uma “compradora” de produtos financeiros, não uma “vendedora”. Isso implica que nós indicamos os produtos financeiros adequados aos objetivos dos nossos clientes, desta forma somos isentos de conflitos de interesse e damos acesso aos produtos financeiros que só são possíveis aos grandes investidores.

 

Onde você está, aonde quer chegar?
Nossa função é tornar sua jornada mais rápida e mais rentável. Escolhemos com você os investimentos que precisa, alinhados às suas necessidades. Clique aqui.

Deixe seu comentário

Comentário(s): 3

       
  1. Boa tarde. Tenho 73 anos e estou pensando em fazer uma reserva financeira para minha aposentadoria, vendendo um apartamento no litoral. É uma boa ideia ou corro risco de perder muito com esta instabilidade econômica por que passamos? Obrigado. Jaime

    1. Jaime, boa tarde!
      Aparentemente a estratégia é boa, mas é preciso avaliar seu conjunto de rendas e patrimônio. Podemos analisar para você sem custos, pelo atendimento online, amanhã (05/06) às 18h00.
      Por gentileza, confirme pelo e-mail [email protected] passando um telefone/skype/whats.
      Até mais, e uma ótima terça-feira para você e sua família.

  2. A verdade é que é bem mais confortável largar o dinheiro no banco e não buscar se informar sobre tudo que envolve… além de ser um perigo é muito pouco lucrativo… parabéns pelo artigo!

Últimas publicações