Sua conta
  • 09/01/2020

Conexão Seguros Unimed – O que fazer com as dívidas de 2019?

Início / Na Mídia / Jornais / Revistas / TV / Conexão Seguros Unimed – O que fazer com as dívidas de 2019?

Começar 2020 sem dívidas e com as finanças nos trilhos é uma das famosas resoluções de ano novo. No entanto, na maioria dos casos, essa promessa acaba não se concretizando, pois as contas não fecham e ainda somam com as despesas extras de janeiro. Organizar a vida financeira é um grande desafio que exige mudança de hábitos e muito comprometimento.

O primeiro passo para ajustar a vida financeira em 2020 é listar no papel, planilha ou aplicativos todas as receitas e despesas. Estabeleça um limite para os gastos eventuais e não esqueça de colocar as despesas de começo de ano, como material escolar, matrícula, IPVA e IPTU.

“É importante verificar se a soma dos gastos é inferior ao dinheiro que você recebe. Caso seja superior, reavalie cada um deles ou procure fontes de renda complementares que possam reequilibrar as contas”, afirma Victor Lavagnini Barboza, especialista em finanças pessoais.

Para te auxiliar, sugerimos o método 50/20/30 que é muito simples. Basta dividir a sua renda líquida em três partes:

  • 50% para gastos essenciais (alimentação, moradia, telefone, internet, saúde e outros itens considerados fundamentais);
  • 20% para gastos supérfluos (lazer, compras, jantares em restaurantes, hobbies e semelhantes)
  • 30% para quitar as dívidas.

Jamais comprometa mais que 30% da sua renda com dívidas. Quando pagar todos os débitos, você poderá inverter e destinar 30% da sua renda para supérfluos e 20% para investimentos.

Desenhe estratégias para quitar as dívidas

Dívida é algo que tira o sono de qualquer pessoa. Sair do vermelho requer estratégia e planejamento – por isso faça uma lista com as suas pendências e verifique o valor atual, número de parcelas quitadas, pendentes e taxa de juros de cada uma delas. Converse com o credor e tente renegociar o valor do débito para obter melhores condições de pagamento.

“Veja qual o valor mensal que você consegue incluir no seu orçamento para pagar as dívidas. O ideal é encaixar todas elas e quitá-las o quanto antes. Porém, se não conseguir, procure renegociar e dê prioridade em pagar as que apresentam os maiores juros”, explica Barboza.

O pagamento das pendências deve ser uma das prioridades, afinal quanto mais tempo você deixa passar, maior fica o seu débito. Dessa forma, Barboza recomenda alguns cortes no orçamento para sobrar dinheiro e quitar as dívidas o quanto antes.

Entre os gastos que podem ser reduzidos ou cortados estão as tarifas bancárias, anuidade de cartão, pacotes de TV, internet e telefone, serviços de streaming e restaurantes toda semana. “Busque replanejar o seu dia a dia com algumas economias que deverão ser juntadas para aliviar o peso das dívidas”, diz.

Trocar uma dívida cara por outra mais barata

Geralmente, as pessoas possuem mais de uma dívida com taxas diferentes. Cartão de crédito e cheque especial são conhecidos pelos juros elevados quando comparados com outras modalidades.

“A troca de uma dívida cara, como o cartão de crédito e cheque especial, por empréstimos bancários que são menos onerosos, resultam em uma economia de juros gigantesca, ainda mais no momento de Selic a 4,5% que é propício para renegociar as dívidas junto ao banco e buscar taxas mais atrativas”, recomenda Malu Sprício, planejadora financeira da Par Mais.

Como evitar novas dívidas em 2020?

O segredo para não adquirir dívidas em 2020 é ter planejamento ao longo do ano, segundo Sprício. “Não dá para chegar em dezembro e achar que o 13º vai fazer milagres, caso você não tenha se organizado nos últimos 11 meses. Com planejamento e respeito ao planejado, você vai chegar em dezembro mais tranquilo, com menos contas e poucas dívidas para o próximo ano”, destaca.

O segundo ponto é ter controle financeiro, sempre avaliar os gastos e ajustar para atingir os seus objetivos. Atualmente, é muito fácil controlar as despesas por meio dos aplicativos gratuitos no celular.

Estabeleça metas para poupar dinheiro ao longo dos meses. “Há objetivos para viagens, compra de casa própria, um novo carro, viver de renda, pagar os impostos no início do ano… O importante é ter uma meta e seguir com ela”, conclui Sprício.

Por fim, compre apenas o necessário. Em geral, as pessoas se endividam nas compras por impulso – aquelas que trazem uma ligeira sensação de felicidade na hora, mas podem causar um rombo na sua conta bancária. Quando precisar comprar algum item, pague à vista. Desta maneira, você evita parcelas que podem atrapalhar seu orçamento e comprometer sua renda no futuro.

Confira a matéria na íntegra: https://www.conexaosegurosunimed.com.br/o-que-fazer-com-as-dividas-de-2019/

Deixe seu comentário

Comentário(s): 0

×