Como investir em LCI e LCA

  • 22/10/2015

Como investir em LCI e LCA

Como investir em LCI e LCA?

Há alguns anos atrás poucas pessoas conheciam investimentos além de CDB e poupança. Porém, o grande número de informação e o maior nível de exigência de boa parte dos investidores quanto ao retorno dos seus investimentos fez com que produtos novos e mais atraentes surgissem no mercado. Hoje, é comum o cliente do banco pedir para o seu gerente “quanto o banco está pagando na LCI?”.

Para contextualizar melhor o leitor acerca do tema, antes de mostrarmos como investir em LCI e LCA vamos entender:

O que é LCI e LCA

LCI – Letra de Crédito Imobiliário

São títulos emitidos pela maioria dos bancos e demais instituições financeiras que tenham autorização para realizar operações de crédito imobiliário.

Por sua vez, as instituições financeiras tem por trás dessas carteiras garantias por hipoteca ou alienação do imóvel. Para entender a lógica desse produto, a LCI nada mais é do que uma forma da instituição tomar um empréstimo para financiar o setor imobiliário, e como todo empréstimo você recebe em troca juros por essa operação.

A LCI é um investimento de renda fixa, e há duas formas de receber os juros:
● Taxa pré-fixada: exemplo, 12% ao ano;
● Taxa pós-fixada: aqui os juros seguem a variação do CDI (exemplo, 85% deste índice) ou mesmo podem pagar uma taxa somada à variação da inflação (exemplo, IPCA + 5%). O primeiro caso é o mais comum, pois as instituições financeiras gostam de uma maior previsibilidade, o que se torna mais fácil com o uso do CDI.

LCA – Letra de Crédito do Agronegócio

Muito parecida com a LCI, mas existe a diferença de que desta vez os empréstimos são feitos para financiar o agronegócio.

Como investir em LCI e LCA? Tributação e carência

O grande diferencial desses produtos é o fato de serem isentos de imposto de renda, o que de certa forma é raro nesse mercado. Veja na tabela abaixo as alíquotas que deixam de incidir na LCI e LCA mas que são cobrados sobre o rendimento (lucro) na maioria dos demais investimentos de renda fixa:

Tributação renda fixa

O problema é que muitos investidores se atentam apenas a esse fato para decidir aplicar nesse produto, sem fazer as contas para avaliar se algum outro investimento – mesmo que tributado – gera mais rentabilidade.
Vamos aos exemplos:

● LCI/LCA a 80% do CDI com vencimento em 90 dias é equivalente a um investimento de renda fixa (CDB ou algum fundo também tributado) de 103,23% do CDI;
● LCI/LCA a 83% do CDI com vencimento de 361 dias é equivalente a uma aplicação tributada de 100,61% do CDI.

Para fazer a conta você mesmo, faça o seguinte: TAXA DE JUROS DA LCI OU LCA/(100-ALÍQUOTA DE IR) X 100.

Outro detalhe importante é que, ao investir em LCI ou LCA, deve-se acertar o prazo dessa aplicação. O prazo mínimo é de 90 dias , podendo chegar a até 3 anos (sem possibilidade de resgate nos 90 dias iniciais).

Outro ponto importante é a liquidez – alguns títulos podem ser resgatados a qualquer momento (depois de passados os 90 dias de carência) enquanto outros só podem ser resgatados no vencimento. Claro que, quanto mais tempo você dispor o dinheiro para a instituição, maior o retorno prometido.

Riscos de investir em LCI e LCA

Como todo investimento, a LCI e a LCA têm seus riscos. O maior risco atrelado a esses títulos é o conhecido como “risco de crédito”, que está associado à capacidade de pagamento da instituição financeira que emitiu os títulos. Um fator que ameniza o risco de crédito em LCI e LCA é que para pessoas físicas há cobertura do FGC – Fundo Garantidor de Crédito – no valor de até R$ 250.000 por CPF. Essa garantia suporta o investidor no caso de quebra do banco emissor da LCI ou LCA.

Além do risco de crédito, há o risco de mercado – que todo tipo de investimento tem – o qual consiste nas flutuações de taxas de juros, câmbio, inflação, políticas econômicas, entre outros. Todos esses fatores também podem influenciar na rentabilidade de uma LCI ou LCA.

Afinal, como investir em LCI e LCA?

Depois de toda essa explicação, logicamente você quer saber como investir em LCI e LCA. Na verdade, é bastante simples e pode ser por duas formas:

● Bancos: você investe em títulos de emissão da própria instituição. Portanto, se você tem conta no Bradesco, Itaú, Caixa, BB, enfim, basta você manifestar seu desejo ao gerente e negociar a taxa e prazo. Cabe lembrar que grandes bancos costumam não ter LCI e LCA com as melhores taxas do mercado à disposição dos seus correntistas;

● Corretoras: as corretoras não emitem os títulos, mas são intermediárias de várias instituições. Em corretoras pode-se acessar títulos de instituições de menor porte que pagam maiores rentabilidades.

Importante: Especialmente no caso de títulos emitidos por instituições financeiras de pequeno e médio porte, recomenda-se que os valores investidos fiquem abaixo do teto do FGC de R$ 250.000,00, protegendo o investidor de possível quebra na instituição emitente. Vale ressaltar que essa é a mesma garantia oferecida pela famosa caderneta de poupança.

Como já foi mencionado, optar por investir em LCI e LCA por meio de uma corretora de valores proporciona ao investidor acesso a uma gama maior de produtos, os quais comumente oferecem rentabilidade superior à oferecida por grandes bancos.

Por exemplo, se uma LCA de um grande banco paga 84% do CDI, é possível investir em uma LCA de um banco menor com uma rentabilidade acima de 90% do CDI, podendo chegar à perto de 100% do CDI dependendo do prazo de vencimento do ativo.

Ao investir em LCI e LCA por meio da corretora o investidor tem acesso à facilidade e agilidade do Home Broker das corretoras — sistema de negociação de ativos de cada corretora — e a um chat para tirar dúvidas. Na prática, siga os passos a seguir para começar a investir.

Passo 1: escolher uma corretora

O primeiro passo para aprender na prática como investir em LCI e LCA é escolher uma corretora que lhe agrade. Busque escolher uma corretora que possua solidez e ofereça facilidade e agilidade, aliada a um bom atendimento e custos baixos.

Passo 2: realizar o cadastro e envie seus recursos para a corretora

Após a escolha da corretora, faça o cadastro. Hoje boa parte das instituições concluem os cadastros em menos de dois dias úteis e não é necessário o envio de documentos físicos, bastando enviá-los digitalizados (por e-mail ou através de upload no próprio site).

Com a conta aberta já é possível realizar uma Transferência Eletrônica Disponível (TED) e ter seus recursos disponíveis para realizar operações na conta da corretora.

Passo 3: a escolha da LCI ou LCA

Após estar com a conta aberta na corretora chegou o momento da escolha do produto. No momento da escolha é muito importante observar o prazo de vencimento do título e também a rentabilidade. Muitos desses títulos não permitem resgates parciais até o vencimento.

Por isso, de nada adianta escolher uma LCI ou LCA com rentabilidade excelente se o prazo é muito longo e haverá a necessidade de uso do dinheiro nesse meio tempo. Se o investidor precisar adquirir um empréstimo devido à má estimação da necessidade de liquidez, por exemplo, toda a boa rentabilidade da LCI ou LCA contratada pode ser consumida pelos juros cobrados no empréstimo.

Depois de escolher um produto adequado aos seus objetivos, agora basta simplesmente aguardar até o vencimento do título e usufruir ou reinvestir o rendimento adquirido!

Como investir em LCI e LCA?

Para investir em LCI e LCA é preciso:

  1. Escolher uma corretora: procurar uma instituição moderna e com baixos custos;
  2. Enviar seus recursos para a conta da corretora;
  3. Escolher uma LCI ou LCA: veja se a rentabilidade e o vencimento estão coerentes com o mercado e com seus objetivos.

Se você, hoje, não tem interesse ou não se sente bem em abrir conta em alguma corretora, preferindo centralizar os investimentos em seu banco, pelo menos foque em negociar, levar taxas oferecidas de outras instituições, ver se a LCI ou LCA tem um prazo adequado a sua necessidade, enfim, deixe claro que você valoriza seu dinheiro e busca o melhor para sua carteira.

Por fim, conte com o apoio da Par Mais. Dessa forma, você não precisa usar seu tempo para correr atrás de todas as informações citadas, deixando isso a cargo de profissionais especializados. Nós, da Par Mais, temos a satisfação de fazer isso para várias pessoas, com seriedade, comprometimento e resultado.

Entre em contato conosco para saber como podemos lhe ajudar!

Par Mais – 22.04.2016

A Par Mais Empoderamento Financeiro tem um propósito claro: fazer com que as pessoas mudem sua relação com o dinheiro para alcançar a liberdade e serem mais felizes. Os especialistas da Par Mais desenvolveram um método que visa tornar qualquer pessoa capacitada a ter o controle das suas finanças. Conheça os nossos serviços. Clique aqui.

 

Deixe um comentário

    • Ygor
    • 20/07/2017
    Responder

    Ótimo artigo, muito bem explicado. A grande vantagem do LCI/LCA é que sao isentos do Imposto de Renda, como dito no artigo. Essa é uma grande vantagem comparado ao CDB, onde a liquidez é pior.

      • Par Mais
      • 21/07/2017
      Responder

      Ygor, bom dia. Obrigado e que bom que gostou do artigo. O fato de ser isenta de IR é realmente uma vantagem, mas é preciso analisar a rentabilidade e a carência também. É comum encontrar CDB’s, mesmo com tributação, que apresentam rentabilidade líquida superior a algumas LCI ou LCA’s. O oposto também ocorre, depende do produto. Outra coisa, quanto a liquidez, CDB’s de grandes bancos costumam apresentar liquidez diária, mas baixa rentabilidade. Já em bancos médios é possível encontrar CDB’s, LCI e LCA com ótima rentabilidade, mas as vezes o investidor precisa ficar com o investimento por um certo tempo. Ficamos à disposição.

    • marcos Sebastião alves belo
    • 07/01/2016
    Responder

    Se eu aplicar 10.000,00 LCI por 90 dias, no final desse, qual seria a estimativa da minha rentabilidade

      • Par Mais - Planejamento Financeiro
      • 08/01/2016
      Responder

      Olá Marcos,
      Boa tarde!
      A rentabilidade vai variar conforme a taxa de contratação da LCI ou LCA. Existem LCI’s e LCA’s com taxa pré fixada, pós fixada ou indexadas a inflação. As mais comuns são as pós fixadas, ou seja, elas rentabilizarão um percentual pré determinado do CDI durante o período. Uma LCI/LCA de um banco médio hoje está pagando, em média, 95% do CDI. Supondo que a taxa SELIC se mantenha em 14,25% e consequentemente o CDI em 14,13%, uma aplicação nesse título renderia em 6 meses algo próximo a 6,5% já livres de IR. Em comparação a um investimento tributável, como um CDB ou um fundo de investimento renda fixa, isso seria equivalente a uma rentabilidade no período de 8,13% brutos, ou seja, é uma aplicação bastante interessante, principalmente para períodos inferiores a 2 anos.
      Espero que a gente tenha ajudado